terça-feira, 16 de janeiro de 2018

A força de um time começa no caixa

Fratellada, irmãos de coração... sabemos que nossa coletividade é fenomenal. Mas hoje, esse fenômeno vem se mostrando... em números financeiros.

Pro desconsolo, inveja e estarrecimento de nossos adversários, o Palmeiras é, pelo segundo ano consecutivo, o clube que mais consegue se estruturar, contratar reforços para a temporada.

Fenomenal, o Palmeiras conseguiu fortalecer suas finanças num dos períodos de maior crise econômica nacional. Tendo em seu ex-presidente (o colossal e inigualável Paulo Nobre) o vetor que tirou o clube de sua antiga e vexatória situação, temos ainda nosso estádio, um dos maiores cases de sucesso entre as arenas esportivas mundiais além do incremento de um polpudo patrocínio, que só existe pelo retorno estupendo que o Palmeiras oferece. Finalizando nosso diferencial, estão os Avantis, programa de sócio torcedor que chega a equivaler, em valores, a um patrocínio master.

Invejosa e rancorosa, a imprensa aborda essa questão de forma superficial, creditando à “dna. Leila” nossa fortuna. Débeis náufragos em sua própria ignomínia, deixam de expor a referência que muitos deveriam seguir. Mas com suas limitações, haja vista a força coletiva que a torcida do Palmeiras possui.
Palmeiras pagou "luvas" de 6 milhões de euros, já que o atleta
liberou-se do Fluminense, que lhe deve salários. 

Pois assim é. E assim será. O Palmeiras está estruturado e caminhando a passos largos para ZERAR DÍVIDAS. Sendo assim, consegue investir diretamente sua receita em reforços. Deixem que pensam ser a tia Leila exclusiva responsável... enquanto isso caminhamos de volta ao nosso lugar tradicional de protagonismo e referência nacional.

Palmeirense, tenha orgulho de torceres para quem torces. Tenha orgulho de seres o que é. A força de uma coletividade é o maior patrimônio que um clube pode ter. Fizemos nossa lição. Trilhamos nosso próprio caminho. E nosso EXEMPLO, mais uma vez, serve de referência positiva para uma nação que busca, desesperadamente, um novo caminho.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Montando o time titular

Muito nos satisfaz a primeira escalação do técnico Roger Carvalho. Com exceção de uma posição, vem ao encontro exato do que a torcida imaginava:

Prass, por tudo o que representa, segue de titular. Líder nato, todo time precisa de uma figura assim.

As laterais novas, com Diogo e Marcos Rocha.

Primeiro volante, Felipe Melo. Se apenas jogar e deixar as entrevistas e redes sociais pra lá, teremos muito sucesso.

Segundo volante seria o Moisés, mas segue em pré-temporada, o que é excelente. Precisamos do Moisés de 2016, não de 2017. No lugar dele entra Tchê tchê.

Do meio pra frente, o óbvio: Lucas Limas no meio, Dudu pela esquerda, Keno pela direita e Borja de controavante.

É meio que uma escalação automática pelo que a equipe desempenhou no fim de 2017, somadas as contratações.

Só um adendo: com o dinheiro que o Palmeiras teve do Mina, poderia fechar com um zagueiro do naipe de um Miranda por exemplo. Sei que o Dracena é bom e tem experiência. Mas carece de uma velocidade pra mim, fundamental.


Temos também o recém-contratado Emerson. Então que jogue, pra que saibamos que apito toca. Enquanto isso não acontece, sonhamos com um zagueiro que nos traga a solidez de uma antiga formação Mina-Victor Hugo, por exemplo. Não será fácil, mas é essencial.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Uma longa jornada

Prezados amigos, após um longo período de recesso, aqui estamos nós para uma nova e empolgante temporada. Já ficou analisado o que o Palmeiras precisa superar e temos condições para tanto, então mãos à obra!

Ao contrário de anos anteriores, fomos ao mercado de forma mais comedida. Mas isso foi uma padrão geral e nesse contexto, ainda fomos o clube que mais se reforçou. E isso é até bom, pois se aproveita mais o ENTROSAMENTO com uma base que já vinha atuando.

Num resumo da ópera das contratações, FINALMENTE fomos atrás do bendito lateral esquerdo (Diogo Barbosa), o que foi a melhor notícia de fim de ano. Após isso, a permanência do Prass, a vinda do goleiro Weverton (pra mim desnecessária já que temos o Jailsão, mas ok), reforço pra zaga (Emerson), pra lateral direita (Marcos Rocha) e pro meio campo (Lucas Lima), que agora ficou meio congestionado.

Vamos por partes: primeiro e mais importante, o treinador Roger Machado precisa DEFINIR A ZAGA, com a iminente saída do Mina. Por mim, testaria o reforço (Emerson Santos) ao lado do Luan. Essa é o principal setor que precisa ser ajustado.

Nas laterais, também iria com os 2 reforços. Diogo e Marcos Rocha. Em ambos os casos, temos boas opções, com Victor Luís pela esquerda e Jean pela direita. Finalmente podemos ter grandes laterais! Força nessa Roger!

Na volância: várias opções. Eu começaria com Felipe Melo na contenção e Moisés de segundo volante. Como opção direta, Bruno Henrique, Thiago Santos e o próprio Tchetchê.

Meio campo, mais opções: bem provável que fiquemos com Dudu e Lucas Limas, tendo Alejandro Guerra como alternativa direta e de alta qualidade.

E no ataque, também recai a maior probabilidade na dupla Borja e Keno, ambos jogadores que terminaram 2017 em ascensão, especialmente o Keno. Ainda assim, temos William Bigode (que sempre atuou bem) e Deyverson, esse sim precisa mostrar a que veio, tamanho investimento.

Meu time titular:
Prass; Marcos Rocha (lateral-direita), Luan (zaga), Emerson Santos (zaga) e Diogo Barbosa (lateral-esquerda). Felipe Melo (primeiro volante), Moisés (segundo volante). Dudu (meio-campo) e Lucas Lima (meio campo). Keno (atacante) e Borja (centroavante).

Opções diretas:
Weverton ou Jailsão da Massa; Jean (direita), Dracena, Antônio Carlos (zaga) e Victor Luís (esquerda). Thiago Santos e Bruno Henrique (volantes). Tchetche, Guerra (meio campo), William Bigode e Deyverson (ataque).

Então é isso... NOSSO CORAÇÃO E NOSSA ESPERANÇA PRA VOCÊ, ROGER MACHADO!!! Que nós, torcedores, tenhamos paciência! O Paulistão por exemplo, é só um começo!!! Que todo elenco e comissão técnica, aliados à diretoria de futebol e presidência possam estar UNIDOS, FECHADOS E ALINHADOS PELA CONQUISTA, que não viria de hoje, nem de graça, mas como fruto direto de muito esforço, paixão e dedicação. FORÇA GALIOTTE! Esteja JUNTO, rebole no vestiário, represente nossa paixão e principalmente, saiba BLINDAR o time das perversas maquinações e exposições midiáticas.

Vencer nunca foi fácil. Nossas conquistas nunca foram ao acaso. E mais uma vez, se Deus permitir e nossa competência for capaz, assim será. Com luta, lágrimas e glórias. Mas sempre com muita HONRA e PERSONALIDADE. PALMEIRAS!!!!!!

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

VINCIT QUI SE VINCIT (parte 2)

O negócio é o seguinte: vivemos num mundo em plena transformação. Ainda que nunca tenha sido estática, a história mostra que estamos num momento singular. Nunca tivemos tanta informação, de forma tão instantânea.

Bem, o fato é que lidar com essas mudanças não é fácil, ainda mais para quem tem tanto apreço por sua bagagem cultural. Mas é fato: só quem conseguir entender e incorporar essa nova realidade poderá se manter à frente.

O futebol sofre diretamente com isso. Desde a imensidão de dados disponíveis aos treinadores até a bendita “gestão de grupo”, uma forma de tratar os jogadores de forma a mantê-los motivados. Algo que, visto de fora parece uma obrigação óbvia. Mas que está longe da prática cotidiana.

Vence quem se vence. E como dizer a alguém tão bem sucedido, que ele ou ela deve olhar pra dentro e reconhecer sus fraquezas? Com o passado (e presente) tão glorioso, o Palmeiras, que sempre caminhou a frente, resiste às mudanças.

Poucos times tem uma política tão conturbada. Efeito colateral de uma forte personalidade que todo palmeirense carrega, tal cenário é muito mais relevante do que pensamos. Conseguir harmonia e dedicação dos grupos é dificílimo e qualquer fator externo pode comprometer essa conquista.

Dito tudo isso pra chegarmos a conclusão: o AMBIENTE que uma diretoria propicia ao seu elenco de contratados é MUITO mais importante do que se imagina. Em níveis próximos, um time menos “estrelado” vence o favorito quando joga com mais coesão, determinação e harmonia. E pra isso dá-lhe treino e muita “gestão de grupo”, fator que vai muito além do treinador.

Jamais nos esqueçamos das sábias palavras do jogador Lugano, que disse: “o Tite é um grande encantador de serpentes.” frase emblemática, revela tanto a personalidade dos elencos quanto a ferramenta necessária pra extrair o melhor dele. O Tite entendeu perfeitamente como o futebol moderno funciona e colhe os frutos disso. Tanto em nível tático (foco na defesa e poucos erros) quanto psicológico.

O Palmeiras já vive um “futuro” que muitos outros times ainda correm atrás. Mas ainda flerta com a nostalgia do passado, sem perceber que ele pouco tem a oferecer hoje. O PROFISSIONALISMO e os padrões de EXCELÊNCIA para cada departamento não podem ser relegados ao esquecimento por inveja, vendeta ou pura ingratidão, simplesmente por terem sido implementados – com um enorme sucesso – por um presidente que não baixava a cabeça pra ninguém, colocava o Palmeiras acima de tudo e que por isso colecionou desafetos.

Um presidente que OUSOU colocar o Palmeiras acima de privilégios pessoais, quebrando paradigmas que por tanto tempo nos corroíam. É preciso capacidade, sabedoria, amor ao time e muita coragem. Tarefa nada fácil, mas também essencial para quem pretenda presidir uma instituição de tamanha grandeza.


É o que esperamos para hoje e amanhã. Um clube que tenha capacidade de reconhecer suas fraquezas e fazer o que for preciso para superá-las. Não basta dinheiro. Vincit qui se vincit. Vence quem se vence. E assim as conquistas acontecem naturalmente. Ao futuro Palmeiras!

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Palmeiras, VINCIT QUI SE VINCIT! (parte 1)

Ausência derivada de uma falta de conteúdo, agora então existente. Sim, pois após a classificação ao G4 o campeonato se tornou uma festa baile sem o menor sabor. E agora sim, após a contratação do Roger Machado temos algo a declarar. Então lá vai.

O Palmeiras já queria o Roger há tempos atrás, quando ele preferiu o Atlético-MG. Desejo realizado, compreende-se que o clube delineia um perfil moderno aos treinadores contratados. Treinadores que entendam o futebol atual e saibam utilizar a enxurrada de dados que hoje possuem.

Gostei da contratação. Sinceramente, considero que além da importância do treinador, está o ambiente que se cria no clube para o desenvolvimento de seu trabalho. Mas infelizmente isso não é visto lá dentro.

O dia em que percebermos que o futebol é diferente do que entendemos, talvez possamos ter uma visão melhor do que nos atrapalha. Funciona assim: por mais que se negue, pequenos detalhes e inclusive a sorte determinam mais o sucesso e insucesso de um time do que o investimento direto ou os nomes que se traz.

Por isso hoje, é um descalabro a reclamação de que o Palmeiras gasta muito com seu futebol. Temos mais é que gastar mesmo!!! Nós podemos! A força de um time começa em sua condição financeira! Quem fala que gastamos muito são os oráculos da década de 80, saudosos de um tempo em que a esclerose ainda não lhes acometia. Doentes patéticos...

Investimento NÃO É garantia de resultado e sim PARTE dele. Sem investimento não se consegue nada. Mas só com ele, tampouco se vence! O Mattos errou sim em não contratar um lateral esquerdo, em não blindar o time após a eliminação no Paulista... e agora (espero queimar a língua), com a contratação desse mala do Lucas Lima, quando já temos o Guerra pra desenvolver pelo setor. Mas, ainda temos que esperar o resultado dessa ação.

Finalizando: 1) a contratação do Roger foi boa, um treinador moderno que precisa dessa projeção; 2) O Palmeiras não gasta muito e sim o que pode (temos um superávit inédito!). Precisa apenas gastar um pouco melhor; 3) Não há “diretores de futebol” no Brasil que possam bater no peito e dizer “faço melhor que o Mattos!”. O futebol (vida real) é muito mais difícil do que se imagina; 4) Enquanto o Palmeiras não perceber que o AMBIENTE que se cria dentro do clube é mais importante do que o dinheiro e os nomes, será vítima dos próprios e mesmos erros do passado.

IMORTAIS as palavras que regeram nosso centenário: PALMEIRAS, VICIT QUI SE VINCIT. Aprender ou perecer...

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

A bendita lateral esquerda!

A melhor notícia do ano! Contratamos um lateral esquerdo!!!! E dos bons! Pois o mesmo Cruzeiro que nos forneceu Egídio (que também pode agora voltar pra lá), deve agora nos ceder o Diogo Barbosa, bem cotado nos "cartolas" da vida.

Não que o time mineiro pretendesse fazê-lo. Acontece que o jogador tem seus direitos vinculados a um clube português e não tiveram bala na agulha pra segurá-lo. Melhor estruturado financeiramente, graças à força de sua coletividade e retorno de publicidade, o Palmeiras não teve dúvidas, foi lá e abocanhou o atleta.

SEJA BEM VINDO DIOGO! Vem pra ser titular, mas como se sabe, quem pretende ser campeão precisa ter não apenas 1, mas 2 jogadores bons pra posição. Assim, retorna também o Vitor Luís, emprestado ao Botafogo. Que na verdade nunca devria ter saído. Mas foi bom pra ele e merecemos o castigo.

Entramos nas rodadas finais de 2017 com a boa notícia de termos finalmente equacionado um de nossos maiores problemas em campo, a bendita lateral esquerda. Agora temos que definir a defesa, o treinador...

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Mudanças e soluções já, preparando 2018

Agora azedou de vez. Perder pro Vitória, voltando a joagar um futebolzinho de doer, é triste de ver. Assim não dá. Tudo bem que já olhamos pra 2018, mas temos que nos manter no G4!!!

O único consolo disso tudo é saber que o Palmeiras já está direcionando as contratações pra próxima temporada, e um zagueiro e um lateral esquerdo parecem já estar na mira.

O que fica agora é a questão. Quanta razão o Melo tinha ao apontar uma patota que se achava dona do time sem por ele fazer o que realmente devia? O sr. Zé Roberto fez quanto pelo time nessa temporada e ganhou quanto? Fernando Prass joga pacas, mas o Dudu parece que só o faz quando quer.

Presta atenção Valentim, o que você deve fazer no time pra 2018:

Gol: definir a posição do Prass ou trazer o Weverton.

Zaga: achar novamente a composição. Seja com um novo contratado (Emerson, do Botafogo), pois quem veio é muito ruim. Dracena, Juninho, Luan, Antônio Carlos, ninguém convenceu.

Lateral direita: retorna o Jean pra lá. Se não quiser, tchau. E contrata outro lateral direita

Lateral Esquerda: contrata alguém pelamordedeus (Diogo Barbosa, do Cruzeiro). E volta o Vitor Luís.

Volantes: volta o Arouca pra primeiro volante e o Melo de segundo. Thiago Santos é opção.

Meio: Guerra titular JÁ. Samba Moisés ou Dudu. Aliás um banquinho pro sr. Dudu não faria nada mal hein? Aliás, precisa ver bem essa questão do Mala Lima, se é mesmo o nome certo pro meio campo, que na minha opinião, deveria ter um jogador com o perfil mais "Hernanes", cadenciador. Acho que esse Lima (como vários do Santos), tem é muito marketing.

Ataque: Borja e Keno tendo William como opção sempre ativa.

E pronto. O resto vem tudo pra compor, aquela papagaiada. As posições que mais precisamos de contratação é na lateral e zaga. No resto, já temos material humano, é só trabalhar.

Recado ao Mattos e Valentim, ou quem vier... ESTUTUREM NOSSA DEFESA e o ataque faz o resto. E bola pra frente.

Apenas uma enquete... SE e somente se o Valentim não ficar pra 2018, qual seria a melhor opção? 

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

2018 começa hoje

Hoje começa 2018 para o Palmeiras. Mas antes devemos refletir sobre o que se passou.

Sem churumelas, onde erramos pra termos ficado com um time tão ridículo assim em 2017? Vamos lá:

Ter perdido o Victor Hugo e não substituído a altura.

Ter mantido A MERDA do Egídio na lateral esquerda e não ter trazido um novo lateral esquerda, BOLA CANTADA DESDE FEVEREIRO DESTE ANO, que a posição era nosso elo fraco.

Não ter blindado o time após as críticas na eliminação do Paulista

Ter mandado o Batista embora cedo demais, prova disso a inconstância que tivemos com o próprio Cuca depois

A viagem do presidente no momento errado.

A falta de traquejo no caso Melo

O Mattos não ter trazido um lateral esquerdo e um zagueiro que suprisse a falta do VH (já falei isso né, então bora repetir)

MATTOS, VC FOI BURRO PRACARALHO!!!! Não ter fortalecido nosso elo fraco no time, pos tudo a perder. A sua falta de visão, não ter percebido algo que falávamos desde o fim do ano passado, é IMPERDOÁVEL.

Fique para 2018, sem dúvida (quem acha que ele foi ruim não imagina o nível sorrateiro que existe por aí). Mas reconheça SEUS ERROS. Você não blindou o time, contratou errado pra zaga e não contratou pra onde mais precisávamos.

Não adianta reclamar de juiz e o escambau. Perdemos para OS ERROS QUE COMETEMOS AO LONGO DO ANO. E só melhoraremos caso consigamos reconhecê-los. O que sinceramente, parece difícil.

Só pra finalizar, já mandei o Egídio tomar no centro do esfíncter? Não né... Então lá vai... EGÍDIO, VTNC, PORRA!!!!!!! E todos aquele que acreditaram e te escalaram, que vão em dobro! E DE QUEBRA LEVA O DRACENA DÁ PENA, O TCHETCHÊ ALEGORIA DE CARNAVAL E O ROGER GOSMA.

Bora começar 2018.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

A mala branca de um adversário sujo

A mala branca é um recurso onde um terceiro time paga para outro, incentivando-o a ganhar sua partida. Assim fez o Curintcha (que, covardemente não assume sua sujeira) com a filial caipira do Palestra de Minas.

Curioso é que tal fato, tivesse sido protagonizado por nós, já teria vindo à tona de forma condenatória, espúrios que seríamos por usar tal recurso. Mas quando é o queridinho da mídia, o pobre coitado sofredor que não pode ser contradito, a Joana D'Arc do jornalismo, Curintcha da ZL, é tudo válido.

Impressionante como a mídia e a imprensa no geral aliviam pro populacho da Zona Leste. Fazem e desafazem e está tudo lindo. Na vitória, as manchetes são festivas. Nas derrotas, só falta pedirem desculpas para criticar.

Infelizmente, tal comportamento tosco é comum ao povo brasileiro. Talvez por isso nos falte tanto discernimento a respeito de nossos próprios problemas. Que seja, a mala branca voltará em dobro, às entranhas dos nefastos calhordas do coitadismo paulistano, essa âncora de ignorância que é um arrasto pro país.

Pagaram... pois que esperem pra ver nossa vitória, que está guardada para o melhor momento.

E falando em momentos, UM DAQUELES QUE JAMAIS SE APAGARÁ, na voz do inesquecível de FIORI GIGLIOTTI: