sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Aprendendo com o acerto... dos outros.



Irmão palmeirense... certa vez li ago que explicava o significado original da palavra “idiota”. Seria a pessoa que não tem capacidade pra olhar além de si, de enxergar o mundo ao redor. Taí algo que devemos observar.
 
Quem não olha pra fora sofre a presunção de se achar melhor que tudo e todos.  Quem só olha pra fora vira um simulacro do que vê, sem conteúdo ou originalidade. Difícil é transitar sem cair prum lado ou outro.

Mas se pra nós a personalidade é inerente, a comparação sempre nos pareceu descabida. Mas ajuda... e ensina. Então vamos a 2 casos nesse ano que poderiam nos ensinar algo. Atlético-PR e SPFC (fazer o que).

O Atlético-PR deu exemplo à todos, peitando a Federação babaca e jogando o início de temporada apenas com jogadores de base, privilegiando a pré-temporada do time principal. O resultado apareceu no fim da temporada... um time SEM medalhões e que na base da organização e entrosamento, foi além de muitos outros com suas polpudas folhas de pagamento.

E mais, peitou a própria TV, transmitindo jogos através de seus próprios canais. Inédito e espetacular. Parabéns ao Furacão. Ensinou como se faz.

E a outra (infelizmente) é a do SPFC. Lógico, pela forma como se livraram do que nós não conseguimos.  Pois cortaram na carne. A demissão do Diretor de Futebol foi pontual. A partir dali o time melhorou.  

Nós, nunca tivemos a capacidade disso. A vaidade de nossas diretorias jamais permitiria isso. Sair um diretor por conta do desempenho da equipe? Jamais... a equipe é que tem que mudar, não o diretor.... pois, será mesmo?

Então tai. Se ninguém falou, falamos nós. Justamente por não ser uma situação agradável  é que devemos ter capacidade de olhar os erros e reconhecê-los, pra não repetir. E eventualmente, analisar  o acerto alheio, com humildade e coragem. VAMOPALMEIRAS!

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

A Regência do Apocalipse



Amigos, fratellada querida... não há nada pior do que ver nossos irmãos palmeirenses absorvidos pela infame política incendiária da mídia. A própria Regência do Apocalipse...

Para a imprensa que precisa desesperadamente de alguma manchete – as custas da inteligência do leitor e talvez pra encobrir seus próprios furos n'água – a renovação de contrato do Gilson Kleina foi um desastre, pra todos.

O treinador foi “humilhado”, “desgastado”, ficou “profundamente chateado” e “magoado”, só pra citar algumas pérolas que ouvimos nessas semanas.

O Palmeiras, “arrastou” sua decisão por meses (!), numa “novela” interminável, cometendo ainda o desrespeito de sondar outros treinadores. Um ultraje absurdo.

O Paulo Nobre? Ah, mais queimado que Joana D’Arc. Já tinha desistido de tudo quando recebe uma ligação... oh, quem será? É o Deus Mustafá, ordenando a ele pagar R$300mil pro Kleina e calar a boca. Aí o Nobre foi lá, rabinho entre as pernas,  pediu desculpas e pagou o treinador ex-magoado, ex-humilhado e ex-chateado.

É inacreditável como fazem nossa cabeça de esgoto. PeloamordeDeus.

Finalizamos as negociações antes da temporada acabar. Fizemos um planejamento como qualquer equipe faz. O treinador já havia sinalizado a intenção de ficar. O grupo pediu publicamente. O Palmeiras não tem dinheiro pra ficar renovando elenco. E achar que troca de técnico salva a pátria é – via de regra – ilusão.

O Kleina é ótimo? Não, não é. Mas não existe salvador da pátria a nas atuais circunstâncias, talvez seja o melhor possível. Quem se diz torcedor pode até discordar. Mas não deixará de torcer.

Esse, quer alguns queiram ou não, é o Palmeiras. Pelo qual posso até não estar lá muito feliz como entrará no centenário. Mas pelo qual eu torcerei incondicionalmente, como se ama de verdade.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Entrosamento, o melhor reforço.



É uma maravilha assistir ao time jogando com algo que se possa considerar "entrosamento". Aquela movimentação conjunta, onde o jogador age sabendo onde o companheiro estará, o time joga tranquilo, o passe flui melhor.
 
Pena ter acontecido só agora no fim da temporada. Mas tendo em vista que boa parte do elenco pra 2014 deve ser este, é algo que nos dá alguma esperança pro ano que vem.

Alan Kardec e Leandro, bem entrosados, podem vencer boas defesas. O time consegue evoluir bem, com rápida transição. Até mesmo o desacreditado Márcio Araújo vem jogando mais confiante, o Juninho faz boas incursões no meio campo. Parece que nesse fim de temporada o pessoal vem se esforçando pra mostrar serviço. Curioso ou o tempo agindo.

Mas isso é importante. Nossa dificuldade em contratar pode forçar uma continuidade que deve ajudar. ENTROSAMENTO é algo valioso e negligenciado hoje em dia. É o que faz muitos times que não despontam como favoritos, conseguirem bons resultados. 

Os exemplos do Atlético-PR (sucesso com elenco limitado) e Internacional (elenco caro pacas não chegou em lugar nenhum) são amplamente citados em nossas alamedas, não sem razão!

Desde que você tenha um nível técnico razoável, entrosamento e motivação acabam sendo fatores mais relevantes para o sucesso de uma equipe. Dadas nossas condições, talvez essa seja nosso maior reforço pra 2014. O ENTROSAMENTO.

Valdívia, talento e desatino
por mais que seja simpático a defesa do gandula, é inacreditável que um jogador que sabe ser tão importante ao time se exponha da forma como ele faz. Mais ainda, que determinações em contrário sejam sistematicamente ignoradas.

PeloamordeDeus Valdívia. Já não basta tanta polêmica? Não dá pra acreditar em outra coisa que não seja algo proposital, ou uma irresponsabilidade atroz. Juntando isso e a Copa (ai meu adutor), é bom torcer pra recuperação plena do Mendieta.

Fica ou não fica Kleina?
Então fica, mas tem que melhorar, e acreditamos que seja possível.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

O campeonato já acabou, mas é hora de torcer.

Em primeiro lugar: sem essa baboseira de treinador “decepcionado ,  bastante insatisfeito”. Caso estivesse, já poderia declarar-se fora. O Kleina É profissional, SABE da situação do Palmeiras e que essas negociações são normais. Novela , quem precisa é que faz.

Não é uma Brastemp, mas tem créditos com o elenco e pode evoluir.
Mas vamos lá fratellada, quais os prós e os contras do Kleinão (que uns gostam e muitos não).
Prós
- Manter a comissão técnica dá prestígio e confiança;
- Já conhece o elenco, não precisaria recomeçar um ciclo;
- Conta com a empatia dos jogadores;
- Valor condizente com a realidade, sem loucura. (150/200 + prêmio por conquista é bem razoável).

Contras
- Tem um currículo pouco expressivo e números ruins nesta temporada (apesar do acesso)
- Não consegue “pilhar” os jogadores, equipe apática em muitos momentos
- Falta padrão mais definido , pouca inovação tática e poder de reação
- Poderia (?) usar melhor  a base (João Denoni, por exemplo)

Citemos o caso do Márcio Araújo: o problema não é ele ser um cara de confiança do treinador e não da torcida. O problema é que durante quase a temporada inteira, não tivemos um 1ºvolante nato, aquele de contenção mesmo. 

E a culpa é do Kleina? Talvez... quando o Egúren entrou vimos que ele não é tão rápido quanto deveria. Mas também não sabemos se ele tivesse jogado antes teria se adaptado melhor. E o Denoni? Poderia ter mais chances? 

Só lembrar algo: nenhum treinador é perfeito. A simpatia que o Kleina conseguiu com o grupo não é qualquer coisa. O Luxemburgo por exemplo... pode manjar 1.000 x mais, mas as vezes é tão mala que o elenco não assimila nada. Não teria sido assim em seus últimos clubes? 

Com o Felipão acontece o mesmo. Ganha fácil o respeito dos jogadores por sua postura correta. Mas é tão intenso e chato que o elenco se descola dele. Ou não vimos isso em 2012?

E não adianta dizer que o problema é jogador, porque o Palmeiras não tem condição de reformular elenco agora. Mais importante é que as contratações sejam bem feitas. E que o treinador aceite o desafio sob as condições possíveis e necessárias ao time pra 2014.

O problema nunca é só uma coisa isolada. São várias frentes.Se há um momento no qual o torcedor deveria estar na bancada era essa. É cômico, mas procede! 

As decisões que serão tomadas nos próximos dias (semanas) afetarão o rumo de 2014 inteiro e talvez mais... mediação, contratos, patrocínios, comissão técnica. O campeonato acabou, mas agora talvez é que seja a verdadeira hora de torcer. VAMOPALMEIRAS!!!

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Para que serve essa pressão?



Primeiro acusaram o clube de não procurar o Kleina pra renovar. Depois, por sondar outro técnico. Aproveitando, quanto mais puderem envolver o elenco na novela, melhor! 

Exploração de conflitos a parte, o clube tem todo o direito (e até dever) de estudar as melhores possibilidades de Comissão Técnica pra 2014. Errado seria cair nesse jogo espúrio como se houvesse alguma obrigação em se definir rapidamente a questão. Não há. E não deve haver. Nem pressa nem vacilo.

Muita calma nessa hora! A responsa pra 2014 é forte.
É nessas que se gasta o que não pode, que se assina o que não deve. A indefinição não significa imobilismo, mas que opções de mercado e condições financeiras estão sendo bem avaliadas. O Palmeiras não pode ser refém dessa pseudo-pressão vinda da mídia.

Sobre a permanência ou não da Comissão Técnica os jogadores devem ser orientados a dizer APENAS. “Isso é com a diretoria. Nossa vontade é considerada mas a decisão é deles.” E ponto final. Pra perguntas iguais, respostas iguais! Falar mais que isso é dar chance pra alimentarem o "clima pesado" na Academia.

E chega de criar mimimi. É NÓIS PALMEIRAS, cáspita. No próximo post a gente vai colocar listar os prós e contras dessa Comissão. Com toda calma possível.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Sejam bem vindos!

Pedindo licença aos Deuses do Futebol e aos Mestres da Academia, com o devido respeito.


BOAS VINDAS  A TODOS, ESPECIALMENTE AOS PALMEIRENSES DE TODO MUNDO!

Somos a ANARQUIA PALESTRINA e estamos aqui para:
1) Torcer pelo Palmeiras.
2) Torcer pelo Palmeiras.
3) Torcer muito pelo Palmeiras.
4) Difundir a filosofia Palestrina/Palmeirense, a personalidade e os valores que caracterizam nossa torcida, reforçando nossa identidade.
5) Promover o respeito e a união entre a torcida, em torno de um objetivo comum.
6) Ajudar na conscientização do Palmeirense, analisando informações para gerar opiniões bem fundamentadas e senso crítico apurado.
7) Defender o Palmeiras das eventuais distorções naturalmente produzidas pela mídia de massa em sua busca por venda de manchete em detrimento de sua função informativa.

Apesar do nome, repudiamos qualquer tipo de baderna. Ao contrário, nos referimos ao ESPÍRITO PALMEIRENSE, herdeiro de uma cultura que valoriza a iniciativa própria, a arte, o autogoverno, a não violência e o auxílio mútuo.

Uma homenagem à memorável obra de Zélia Gattai “Anarquistas Graças a Deus”, que retrata uma família de imigrantes italianos que viveram em São Paulo na época fundação de nosso time, entre as décadas de 10 e 20 do século passado.

Literatura e sociologia a parte, estamos aqui pra falar do Palmeiras, joia central do encontro de culturas, da imigração e de sua expressão mais vitoriosa no maior esporte da Terra, o Futebol.

Estejam a vontade pra falar e bagunçar, com o devido RESPEITO que toda casa palestrina merece. Acusações pessoais, ofensas e etc. serão excluídas como de praxe. Exceto isso, a ordem é SOLTAR O VERBO PELO PALMEIRAS, a casa é nossa! VALEU!!!!

Quem somos

Preâmbulo antropológico
Vários fatores levam uma pessoa a torcer para determinado clube. A priori, todos os "clubes & torcidas" possuem semelhanças em sua forma de existir e agir. Contudo, acreditamos que são as “diferenças” que representam a verdadeira razão de existência de cada coletividade.

Valores são compartilhados por pessoas. São essas afinidades que criam o senso de grupo, de coesão, de "família". E é à esse senso que as pessoas buscam se identificar, unir, pertencer. Isso é torcer.

Com uma cultura fortemente gregária, o brasileiro sente-se bem e reafirma sua identidade em grupo. Assim como num "catecismo" social, molda seus valores e confirma, em certa esfera, a linha de conduta que norteia sua personalidade, em conjunto com todos os outros fatores familiares, geográficos, sociais etc., a partir da opção por esta ou aquela coletividade. E o esporte é elemento fundamental nesse processo, como elemento formador de um cidadão.

O que diz tua bandeira, Palmeiras?
Cada torcida possui uma identidade que pode ser vista e percebida no percorrer de suas arquibancadas, seus locais de agrupamento, mesmo no mundo virtual. Algo que extrapola o contexto social e permeia sutilmente a forma como as pessoas agem e se comunicam. E qual é a nossa?

O típico "italiano" - ainda que tenha seu lugar preservado - já não é tão representativo depois de tantas gerações. A própria simbologia do clube possui mascotes que denotam a busca por algo que vai além do passado (a adoção do "Porco" em paralelo ao antigo "Periquito"). Repetindo a pergunta: então qual é a nossa? Quais são os nosso valores? Que características nos unem? O que é SER PALMEIRENSE? É pra enfatizar isso que estamos aqui.

Personalidade forte, independência, trabalho, pioneirismo, coragem, lealdade, apego familiar, gosto pela arte e cultura, humanismo, irreverência, senso estético, rejeição a privilégios e a ser comandado. È por esses valores que erguemos nossa bandeira!
 

Com grande orgulho de sua trajetória, o Palmeiras moldou-se, naturalmente, como linha alternativa à tradicional polarização social "elite (SP) / "proletário" (SCCP). Não contar com os privilégios de uma, nem o apelo popular de outra deu força à personalidade do torcedor alviverde, forjada sob a consciência de que a "luta (do dia-a-dia) o aguarda".

Por que "Anarquia”?
Anarquia Palestrina não tem NADA A VER com baderna. Não promove confusão, brigas ou qualquer situação caótica. Pelo contrário. É uma homenagem à nossa ascendência cultural que enaltece a autosuficiência e rejeita as tradicionais formas de governo. Ao espírito "libertário" que permeia nossa mentalidade. Uma brincadeira irreverente com nosso próprio jeito de ser, barulhento e por vezes bagunçado.

Pioneirismo e capacidade para construir seu próprio caminho são valores amplamente citados entre aqueles que apreciam a história palmeirense. Anarquia Palestrina é uma filosofia de vida baseada em nossa personalidade e nossos valores, de forma aberta, inclusiva, espontânea, informal e consciente.

Viver nessa filosofia é imaginar uma sociedade onde o possamos viver num grau de consciência, cooperação e harmonia que minimize a necessidade de governos externos, com adoção efetiva da “prática universal" dos direitos e deveres humanos, com equilíbrio social, auxílio mútuo, não violência e autogoverno. Ainda que essa realidade esteja a 20 gerações de distância... ou mais.



Identidade Palestrina – Os 14 Axiomas Palmeirenses
- O Palmeirense faz seu próprio caminho.
- Tem estilo, personalidade e opinião própria
- Não implora por esmola, nem bajula por privilégio.
- Respeita e se faz respeitar.
- É leal, irreverente e passional.
- Valoriza cultura e tradições tanto quanto pioneirismo e vanguarda.
- Cultiva honra, não vaidade.
- Luta, não briga (quem briga o faz por si, não pelo clube).
- Mostra talento, não ego.
- Corre pelo certo.
- É solidário, inclusivo e multicultural.
- Repudia preconceito e autoritarismo.
- Acredita na família (de nascimento ou afeição), na educação e no trabalho.
- É visceralmente humano, intenso e apaixonado.


Lembre-se:
- Disciplina reforça o espírito, bom humor faz a vida mais leve e amor eleva o coração.
- Esporte, arte, família e educação criam melhores cidadãos.
- Somos um só e estamos aqui pra aprender a conviver em harmonia. Senão, fudeu.