sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Enfim, os Clássicos!

Sabemos que a essência do futebol está em seu espírito, que nasce em qualquer pelada honestamente jogada.

A dinâmica, a malícia, a habilidade, surgem nos mais distantes e improváveis terrenos. Mas o que dá verdadeiro corpo ao futebol são seus grandes embates.

Como é bom respirar um clássico. Excluindo todo receio de violência, o que fica é o gosto de um real desafio, que há tempos não víamos.

O Palmeiras está em plena “Renascença”. Redescobrindo formas de escrever sua própria história, saindo de uma peste pra lá de negra.

Vejam só a situação financeira que obriga o clube negociar jogadores com os quais não tem condições de honrar os contratos (Henrique, talvez Wesley). Coisa lá de trás. Mas paciência... melhor perder um jogador do que o time inteiro por falta de pagamento.

Temos todo um campeonato pra testar os reforços e formar a espinha dorsal bem como suas peças de reposição. Sem deixar que uma partida ruim queime geral. Nem que a empolgação das primeiras vitórias tapem os erros que precisam ser corrigidos (defesa exposta, cobertura das laterais, ligação com o ataque etc.)

Wendel
O bom filho à casa torna, melhor. O Wendel vem aparecendo muito bem. Tem a chance da lateral direita nas mãos. Vai que é a tua hora moleque!!! Bem, não tão moleque assim então... vai que é agora Wendel! Esse esquema do Kleina facilita, mas volta pra marcar!

Marquinhos Gabriel
O importante é não deixar o confeti subir à cabeça. Boas participações, mas - ao contrário do que algumas manchetes fazem parecer - ninguém decide uma partida sozinho.
 
Ao Clássico
Que seja honesto. Sem violência nem interferência do juiz (que já vem com suspeita de maracutaia no sorteio). Bem jogado e à altura das 2 equipes. E que a gente use essa partida pra voltar à realidade dos grandes desafios. À vitória, às conquistas!!! VAMOPALMEIRAS!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário