segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Palavras de Ano Novo


Alô fratellada!!!  Feliz 2014 a todos! Que possamos melhorar cada vez mais, reconhecendo e deixando pra trás tudo aquilo que pesa ou atrapalha na busca de nossas conquistas!

O prisa Paulo Nobre deixou palavras. Legal... entre o habitual, 3 passagens chamam a atenção:

“Digo família, pois é isso que somos. Brigamos, discutimos, divergimos entre nós, mas todos com um mesmo amor: a nossa pátria amada Palmeiras. A única coisa que não temos direito é de nos tornarmos nosso maior adversário.”

“A ansiedade e o nível de exigência, tradicionais de nossa gigantesca torcida, não podem e nem devem ser um peso nas costas daqueles que defendem e honram nossa camisa com muito suor e sangue na veia.”

E, finalizando...

“Que cada palmeirense se torne um embaixador do nosso programa de sócio-torcedor. Vamos mostrar nossa força e virar o maior programa do Brasil. Palmeirense, acredite que com seu apoio e sua participação podemos nos tornar financeiramente autossuficientes.”

Bem, o que se extrai disso?

1 - Reconhecimento de algo comum e amplamente mencionado: o “fogo amigo”. Vindo dos bastidores ou da torcida, poucos clubes lutam tanto contra isso quanto o Palmeiras. Temos que fazer a nossa parte.

2 - Outro ponto largamente citado entre nós: separar crítica de paixão e não condicionar uma coisa à outra. Se esperarmos uma Academia pra torcer só iremos ao estádio 2 vezes a cada 20 anos. Criticar ok, mas paixão é incondicional! É a máxima Gelol: “Não basta ser torcedor. Tem que participar e apoiar!

3 - Falando em participação, é a primeira vez que os times podem vislumbrar um futuro de “autosuficiência” através de sua própria torcida. Isso é um "chupa" pra TV, pra esse sistema absurdo de distribuição de cotas implantado aqui, na contramão de qualquer campeonato honesto no mundo (que distribuem cotas mais igualitárias).
Com o sócio-torcedor, os times que realmente tem as maiores e mais dedicadas torcidas mostram sua força, prevalecendo por força legítima e não por um sistema tosco de audiência pré direcionado.

O recado parece dado. A distorção de julgamento que apresentamos por exposição à mídia que busca mais vender do que informar é evidente.  O negócio é o seguinte: criticar é opcional. Torcer é imperativo.

Se for criticar, que haja fundamento. Baseado na consciência histórica do que sempre tivemos em nossa direção (as bombas) e o quanto é difícil ter algum "Cristo" pra acertar os eixos. Dar tempo pras coisas acontecerem, não depositar no time de hoje o ressentimento por vexames passados. 
Saber que de uma forma ou outra (pelo menos aos nossos adversários) é sempre o Palmeiras que está entrando em campo. Isso é torcer pela camisa, não pelo momento. Que a paixão esteja entre nós e nós estejamos lado a lado (sem precisar concordar com tudo!). FORÇA PALMEIRAS!

2 comentários:

  1. Roberto Galluzzi, parabéns pelo comentário, é um excelente 2014 , para você e seus familiares, vou citar seu trabalho no programa FAMIGLIA PALESTRA TV , Domingo as 20:30 pela ALLTV.COM.BR , você merece o apoio, um grande ano a todos nós Palmeirenses, merecemos muito!

    ResponderExcluir
  2. Falô Claudião, é nóis fratello! Essa semana mesmo já vou linkar toda coletividade aqui no brogui. Coletividade como a nossa não existe! Paixão, personalidade e senso crítico (as vezes até demais!... rs.) Com a Mídia Palestrina, a impren$inha cai de quadro!!! rs... Amo essa torcida.

    ResponderExcluir