sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Imaculada Religião Futebolística

Quem vai  à igreja não vai pra quebrar, quem vai ao estádio não deve ir pra brigar. Porque um estádio sem partida não é estádio e se a violência prevalecer, em pouco tempo não haverá nem 10% permitido. Clássicos de uma só torcida seriam a vitória da porrada contra a possibilidade de convivência.

O esporte deve ser entendido uma das mais belas capacidades do ser humano de – preservando suas diferenças – coexistir. Que competir é uma forma de se aprimorar sem destruir ou ser destruído.

Aí temos a situação de hoje onde isso as vezes parece distante. Quando eu era criança havia muito menos grades de separação etc. Para onde vamos? Ou, para onde viemos?

Então, qualquer ação que ressalte a paz é válida. Deve começar aí e se estender às torcidas. Só que o diálogo é muito complicado e o clube não pode fazer praticamente nada para pacificar torcidas adversárias.

O que resta é a nós, torcedores enfatizar a importância de preservar a paz não só nesse clássico mas em todas as partidas, pois são eventos sagrados, centenários!

Tivemos o exemplo nessa semana de como uma ASNEIRA pode esvaziar por completo um movimento de conteúdo legítimo. Um maldito morteiro pode ceifar não só uma vida, mas nossa crença de que um dia possamos viver em paz lado a lado, aceitando nossas sagradas diferenças.

A VIDA VALE MUITO. Que a paixão nos conduza, que o amor nos guie.VAMOPALMEIRAS!!!

5 comentários:

  1. Mas como disse o Conrado lá no Verdazzo... que esse espírito não "mate" a rivalidade. Aquela rivalidade sadia, que nos faz diferentes porém iguais...
    É difícil manter isso sem descambar para a violência?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gaba, enquanto 2 times fortes se trombarem em decisões, a rivalidade sempre existirá sem precisar de demonstrações externas de força. Rivalidade sadia é ter um adversário que exige o máximo de você, sem que seja odiado por isso... valeu!

      Excluir
  2. Não acredito em conversa mole, já estive em diversos clássicos contra os malditos gambas, sempre houve confusão , esta conversa de PAZ, só em cemitério, pois o melhor inimigo é o que esta morto, entendo sua opinião, Roberto , mas há muita rivalidade que não pode ser esquecida em nome de uma postura cordial, já que os ``animais´´ do lado da zona leste , não respeitam nada, nem a si próprios, por isso devem ser tratados como lixo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Respeito a opinião Claudio, mas não consigo entrar na senda do ódio cultivado. À isso prefiro a indiferença e uma leve pena. Sendo diametralmente oposto a cultura gambá não consigo abraçar a ignorância, traço permanente na psiquê deles. Nossa força existe pra que possamos construir nosso caminho e não será um gambá safado que vive de se fazer de vítima que mudará isso, certo? Abração, valeu!

      Excluir
  3. Que Deus tenha piedade de todos os tolos que se enfrentam ate a morte em estadios de futebol, sou socio trocedor e frequentei poucos estadios em minha vida...iria muito mais se fosse possivel, infelizmente a insegurança causada por esses montes de merda, lixos de torcidas organizadas, todas elas impossibilitam que o torcedor de bem frequentem os estadios. Respeito todas as opinioes, mais a quem preza por violencia hoje, nao va chorar amanha quando um familiar ou ate mesmo a si proprio ficar invalido ou perder a vida numa idiotice destas...Mais tenho esperançao de ainda levar meus netos quando eu tiver a um estadio!!!

    ResponderExcluir