segunda-feira, 31 de março de 2014

Um osso duro de roer...

Putaqueospariu...  assim não dá... nós avisamos que com aquela LERDEZA levaríamos tunda.

Ok, sem Valdívia, Kardec, Prass e até o Wendel (que fez falta pra cacete). Mas eu falo da defesa.
O time no fim do jogo cansou. CANSOU. Deu PENA de ver a defesa correndo dinossauricamente atrás do contra ataque do Ituano.

Tudo bem, o Lúcio é experiente e tals. O Wellington uma boa revelação. Só que formam uma zaga alta mas pesada. Peso visto no lance do gol...

Agora, o Paulo Nobre que se segure e arme bem as trincheiras, pois aí virá fogo pesado, arma química, paraquedista e submarino nuclear...

O caminho está certo, mas há pedras nele. Muitas. Oposição frontal contra torcida organizada é uma. Sensação de descaso ao associado é outra. E um treinador que parece não ter malícia ou competência suficiente pra fazer o time render em momentos de pressão, talvez a maior delas.

Pedras em vários níveis. Que devem ser roladas e bicadas, do jeito certo. Vamos resolver um modelo de relacionamento com as organizadas, dar uma satisfação maior ao associado e colar o treinador na parede.

Onze contratações filhão. Pra perder do Ituano? Osso hein... osso duríssimo de roer pra 31.000 pessoas presentes ao estádio, e mais alguns milhõezinhos de fora... o caminho pode até estar correto, mas se continuar dirigindo a carroça desse jeito, não verás o destino final. ARRUMA ESSA PORRA, CAZZO!

2 comentários:

  1. Bem Galluzzi, não é de hoje que vejo no Kleina um técnico realmente médio, que faz o arroz com feijão nos jogos que precisa, mas quando situações realmente adversas se apresentam, se perde totalmente.

    E nem digo pela escalação, ou pela substituição (a única que fez por vontade própria, afinal Kardec e Prass saíram por lesão) com o Valdivia, que não ia mudar esse jogo nem fodendo! Ele estava lesionado!

    Falo pela postura amarelona do time mesmo. Assim como ocorreu na CdoB contra o CAP, que o time foi pro jogo totalmente covarde, dessa vez também ficou devendo, e muito! A-MA-RE-LA-RAM! Total! E eu vejo que a postura do time somente reflete o técnico: não sabe se portar na hora da decisão.

    Perder pro Ituano é imperdoável a essa altura!

    ResponderExcluir
  2. Desde o ano passado o Kleina se mostrou covarde, deveras cauteloso (jogando com 3 volantes contra qualquer time na série B, mesmo que no Pacaembú) e incapaz de alterar uma situação de jogo por ter enxergado alguma dificuldade e contorno-lá. O que mais víamos é o cara trocar um meia por outro meia, um atacante por outro, um volante por outro,e claro, pela superioridade técnica, o Palmeiras acaba revertendo o jogo. Isto aconteceu muitas vezes no ano passado e agora no Paulista.
    Contudo, quando chega nos finalmentes, como nos jogos de mata-mata, vemos que o retrospecto é pífio, que o time não entra com "sangue no zóio" como era com o Felipão. (eu imagino este elenco na mão do Felipão...)
    Para mim, das poucas bolas-fora que o Nobre deu em sua gestão, esta é a pior: a permanência do Kleina. Pelos resultados do ano passado já dava pra ver que ele não era o cara para o centenário. Não dá para aceitar o cara levar para o jogo apenas o Vinicius de atacante no banco, o atacante de 100 jogos e 6 gols. Ridículo. Aquela nucada na bola no final do jogo foi patética.
    Pelo jeito o Nobre vai manter o Kleina, pelo menos até a copa. Vamos torcer agora pelo Brasileirão, que não tem mata-mata, porque na CdB...

    ResponderExcluir