quinta-feira, 31 de julho de 2014

Troféu no Centenário, é nóis que tem!

É o que temos pro momento, certo? O mais importante dessa vitória contra a Fiorentina não foi o resultado em si, nem ter servido pra entrosar o time. Foi pra mostrar que temos um título no Centenário! Ha! Ah tudo bem, não foi uma Libertadores nem Brasileiro. Mas teve podium, papel picado e o Troféu é bonitão. HAhahahhh... o negócio e dar umas risadas mesmo.

Outra coisa, contratem esse Rossi. O moleque joga hein. Sobre os nossos, as dificuldades continuam. Ganhamos no primeiro tempo e o segundo foi só sufoco. As pessoas não percebem o quanto do futebol é entrosamento e quanto tempo se leva pra conseguir isso.

Desenvolver uma nova “espinha dorsal” em pleno Brasileiro, no qual precisamos de resultados imeditados! Essa é a nossa tarefa. Pois chegando salvos ao final, ela já estará desenhada pro ano que vem quando, aí sim, poderemos desejar algo melhor. Ou seja, estamos (re)montando o time pra 2015.

Mas é gratificante jogar contra um adversário europeu, com maior disposição tática, maior força de conjunto, participação coletiva. O jogador brasileiro desaprendeu isso e com o profissionalismo nanico que impera por aqui, uma movimentação rápida e inteligente assim é rara de se ver.



E nossa torcida, dando show de novo. Ainda que um setor organizado tenha ficado em silêncio, o restante da torcida mostrou que canta fácil, com ou sem alguém puxando. Palmeirense é demais!

E la nave vá... o Gareca já viu que sua função vale cada centavo pelo qual é pago. Terá um trabalho e tanto pra enfiar na cabeça dos jogadores o posicionamento certo, com e sem a bola e o que fazer com ela... parece óbvio, mas num ambiente caótico é o primeiro passo pra almejar algo maior.

Essa partida próxima contra o Bahia é pra LOTAR o Pacaembú, domingo de sol, Palmeiras precisando mais que nunca do nosso apoio. Vamos ganhar confiança que esse time vai engrenar. Depende, e muito, de nós. VAMOPALMEIRAS!!!

segunda-feira, 28 de julho de 2014

A hora da mudança

E aí pessoal, não chegou a hora de alguma mudança maior acontecer? No time por exemplo, que a titularidade de um ou outro seja mesmo questionada. Wesley e Mendieta por exemplo não conseguem fazer a mínima transição entre defesa e ataque. Sinceramente, assim não dá.

Boto fé que vai melhorar e poderemos escapar do pior, esse já se tornou o objetivo do ano. O Gareca vai ter mão pra isso. Mas uma nova configuração titular tem que vir aí, pois do jeito que está, não dá.

Só que o mais importante nem é isso. Importante é fazer uma análise mais profunda e ver que o problema não é jogador, treinador ou diretoria. É o Palmeiras num todo. É isso que a Sociedade Esportiva Palmeiras, tanto em sua diretoria, quanto em seu corpo de Conselheiros e Associados e em sua imensa torcida, precisa entender. Ações de curto médio e longo prazo.

A partir disso, utilizar as próprias mudanças já em curso dentro do clube com o novo modelo estatutário e Arena e criar um movimento ainda maior, simbolizando um NOVO Palmeiras, limpo de velhas práticas e adepto de NOVAS ações e com uma nova IMAGEM. Engajando novas parcerias nesse contexto.

Ou o Palmeiras começa a considerar uma prática que valorize essa mudança ou envelhecerá rapidamente, a despeito de ter uma nova e bela casa, com condições mais e mais limitadas para disputar títulos e aumentar suas fileiras de torcedores. O caminho pode ser revertido.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Casa nova merece homenagem!

Opa opa, se não é que temos o primeiro clássico da recém construída casa do Alvinegro da Zona Leste, que nunca antes na história desse país havia tido condições de subir sua laje. Arre que foi! E lá vamos nós!

A história de que material reciclado do entulho saído da demolição do Palestra Itália foi usado na construção do Itaquerão já ficou famosa. Por mais que neguem foi um fato consumado.

Mas o mais importante dessa empreitada toda foi a declaração do próprio presidente na época, o Andrés "Cara Mijada" Sanchez, abrindo ao então presidente do Atlético-MG (Alexandre Khalil) que "ganhei o estádio da Globo para implodir o Clube dos 13". Em agradecimento parece que até já mandaram bordar o NOVO SÍMBOLO do clube, mostrado abaixo em primeira mão!

Novo símbalo do Esporte Globo Plim Plim da Zona Leste! 
A mídia e o time de massa... tudo a ver!

Assim é a história do Itaquerão. Uma empreitada que começou pela asneira do vice bambi que se meteu a tentar negociar direto com a Record e viu a copa sair do Morumbi depois de uma bela rasteira envolvendo o presidente, o time e a emissora "das massas". E uma massa de dinheiro público que, diga-se de passagem, pra quem conhece um bom gambá... já era, Itaquera.

Pois então vamos prestar uma sigela homenagem ao nosso querido adversário, aquele que já nos deu tantas alegrias, com uma inspiração musical pra ser cantada em sua nova casa.

No ritmo de um grande samba, na época em que ainda se fazia grandes sambistas, Clara Nunes e seu "Conto de Areia":



Verdão vai jogaaaar, é casa cheia ô....
Pro meu amor, PALMEIRAS!
Verdão vai jogar...
Verdão vai jogaaaar, é casa cheia ô....
Pro meu amor, PALMEIRAS!

Dizem que na zona leste subiram uma laje,
100 anos pedindo esmola pra poder jogar!
A lage foi feita com entulho do velho Palestra,
Dinheiro roubado e o dedo do Lula, é casa de gambá!


quinta-feira, 24 de julho de 2014

A mão do treinador, a evolução do jogador

Sensacional a vitória fora de casa. Era o que precisávamos antes do clássico lá no Entulhão.

Não é desta partida que o time já vem mostrando a mão do treinador. Apesar de pouco observado pela imprensa, o jogo contra o Cruzeiro já havia mostrado uma melhora significativa.

Acontece que neste jogo contra o Avaí, apesar de bem posicionado na defesa, o time foi menos ao ataque. Wesley e Leandro são muito lerdos. O Wesley comete erros de fundamento (posicionamento, passe) e atravanca toda equipe. É o tipo de jogador que não corre, no máximo dá seus trotes. Aí não vai...

O Leandro tenta mas parece que se embaralha com a bola. Tem que treinar mais meu filho, vai que você consegue, não pode ter desaprendido assim. Uma dica: quando na posse da bola procure olhar pros lados de vez em quando e não apenas pra baixo. Ajuda...

No meio o Pablo Mouche ainda não se encontrou muito, mas precisa de mais tempo pra assimilar a necessidade tática, caindo pelas pontas. Já o Felipe Menezes, grata surpresa, uma das maiores evoluções vistas no Palmeiras. No começo não dávamos um real pelo cidadão, agora ganhou confiança e com disposição e uma bela patada de esquerda entregou seu cartão de visita.


Resumo: o treinador deu um novo estilo ao time. Ainda falta muito mais entrosamento entre os jogadores, amizade mesmo, conversa dentro de campo... mas é visível a disposição tática que o time mostra. Se vai continuar, evoluir ou não, só o tempo dirá. Mas há boas chances de colhermos frutos positivos. Isso se o que mais nos atrapalha não se fizer presente de novo: o fogo-amigo.

O bombardeio, com declarações nocivas, vindas de dentro do próprio clube, que deixam claro interesses particulares acima da instituição.

O Palmeiras precisa ter uma postura clara de que opiniões de “conselheiros-fonte-fantasma” não vale mais do que uma coxinha amanhecida na padaria. É só massa e um recheio vencido, numa mistura de rancor, azia e perda de privilégios, servindo os interesses "da fonte" e à sobrevivência da imprensa. Às custas do clube, lógico.

Alguém que me aparece pra falar que após 3 partidas já há descontentamento só pode ser por que ficou sem vaga na garagem ou coisa do tipo. Pior que isso, é esse jornalismo TOSCO onde o cidadão nem sai da redação e se autoproclama jornalista. Nem diploma precisa mais, dá nisso...


Mas tudo bem. Apesar da impren$inha, do nosso maldito “fogo-amigo”, do estratosférico lambe-saquismo da mídia de massa sobre o time de massa, a gente segue, mesmo sendo o patinho-feio dos clubes paulistas, com estilo próprio e um treinador que a imprensa não vê a hora pra poder queimar na fogueira. Assim é... e VAMOS JUNTOS PALMEIRAS!

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Além do resultado, a atuação.

Todos que aqui frequentam sabem que não há espaço pra chapa branca. Embora nosso amor seja incondicional, se é pra descer a lenha, fazemos sem dó. E a situação do time não está fácil, longe disso.

Mais uma derrota em casa poderia começar a trazer pânico para nossa leal torcida. Mas quem assistiu a partida contra o Cruzeiro percebeu que, apesar da derrota, o time apresentou uma grande evolução, com destaque nítido à formação tática, mais coesa e participativa. Fora os 20min. iniciais onde o Cruzeiro fez seus 2 gols, dominamos o restante da partida.

Se essa evolução se confirmar tenho certeza que poderemos respirar aliviados no fim da temporada. O que traz alívio pra um e outro pode ser diferente, mas creio que a maioria entenderá ao que me refiro...

Alguns estão dizendo que mais do que a mão do treinador está a ausência do Wesley. Pode ser, concordo. O time joga de forma muito mais rápida e dinâmica quando ele está fora. O problema é que agora sem o Valdívia ficamos a ver navios no meio campo.

Mendieta é complicado. Felipe Menezes é aplicado e pode evoluir, mas faz umas de doer (tipo passe errado de 5m.). E ainda é cedo pra acreditar em jovens como o Erik. Ah, pérai... temos também o Bruno César. Pra que eu não sei, mas temos.

É isso que precisamos rever. A questão que não se cala: porque o Palmeiras contrata tão mal? Tudo bem vá, nem tudo é ruim, haja vista a grata surpresa do Henrique. Mas via de regra de 10 que trazemos, 2 ou 3 se salvam, o resto pode ser dono de comércio depois que sai daqui, que ninguém (do futebol) irá notar.




|Mas o lance é esse: PALMEIRENSE, ACREDITE! Pra você que acha que “o problema é a diretoria”, saiba que isso é um sintoma clássico de Síndrome Maternal, moléstia recorrente à maioria dos empedernidos torcedores. O problema não é seu filho (seu time). São as influências “externas”, amigos etc. (é a diretoria, é o jogador, é o juiz...). Não fratello, o problema não é “a diretoria”, mas tudo que a cerca, ou seja, o problema é O PALMEIRAS mesmo.

Aí ficamos cabreros. Ué, vamos ter que mudar de time então? Não, não teremos que mudar de time. Teremos que mudar O TIME. O PALMEIRAS tem que mudar, de dentro pra fora, do estatuto à forma como se contrata. Da comunicação com a torcida ao layout do time. Da torcida (e a forma como ela se comporta) ao estádio novo. Já há um movimento nesse sentido. Só temos que incorporar elementos que deixem essa posição bem clara!

Palmeirense, acredite. Esse Gareca parece bão, mas só o tempo rei dirá se combina com o Verdão. Fé que o treinador terá o comando e os jogadores certos em campo. Sem um comando traçado, sem uma ordem bem definida, assimilida e praticada, vimos na Copa o que acontece. Força Gareca, VAMOS PALMEIRAS!!!!!!

terça-feira, 15 de julho de 2014

Pra onde caminha nosso futebol?

Pois é galera... foi-se a Copa, foi-se as ilusões e os bundões da Cebefê. E agora a gente volta à realidade, da qual nunca saímos mesmo. Só pra constatar que os impostos continuam aí, tanto quanto os buracos na rua, e todo resto tosco e mal feito que nos assola.

Bem, nem tudo é pedra. Ouvindo a galera palmeirense por aí o desconsolo continua na mesma base «hardy» de sempre. Saíram Valdívia e M.Gabriel, nos restou um meio de campo difícil de acreditar. Bruno César pode amealhar essa vaga caso apresente constância e físico.

Mazinho, Mendieta e Felipe Menezes, a bem da verdade sempre guardaram vaga pro 10 titular, então agora é a hora que podem mostrar algo. Haja treinador pra nóis!

Gareca... nóis reza procê diário. Estás em nossas preces. Se tu conseguir incorporar o entrosamento, a  movimentação conjunta, a coesão nessa equipe... se vc simplesmente conseguir concatenar uma «equipe» de verdade, não um bando que vive trombando e fugindo da bola já será uma proeza. Parece brincadeira, mas muitos técnicos que por aqui passaram não alcançaram tal mérito...

O Palmeirense não é bobo e sabe que nesse campeonato estamos mais pra salvar o ano e quem sabe, numa grande conquista, a Liberta’s2015. Enquanto isso teremos tempo bastante pra continuar pedindo patrocínio master que muitos querem mas ninguém trás.

Ah Palmeiras... o que gostaríamos mesmo nesse centenário seria a volta da Arena (com cadeiras NOSSAS) e algo que pudesse trazer um novo respiro, novos ares ao nosso amado e secular clube. Não só dentro das 4 linhas, mas algo que ao mesmo tempo possa resgatar e reforçar nossa identidade e ainda assim incorporar o novo, o pioneiro, a vanguarda.

O futebol brasileiro precisa mudar. O Palmeiras também precisa mudar em muita coisa, deixando pra trás estautos e imagens ultrapassadas. Que os valores prevaleçam e o Espírito de Equipe fale mais alto que os individualismos (que vão além da saudável individualidade). Que isso fique exposto, explícito, claro e evidente. AVANÇA PALMEIRAS, FAZ SUA HISTÓRIA AGORA!

segunda-feira, 14 de julho de 2014

10 lições da Copa

Antes de mais nada:  a culpa toda é do JOSÉ MARIA MARIN como cabeça da pirâmede que escolheu o técnico na condição de adoção do nefasto e político discurso da obrigação de vitória e o Felipão que o abraçou, nos impedindo de enxergar o óbvio (que a seleção era boa mas poderia sim perder), além de jogar sobre a equipe um peso que jamais deveriam ter recebido. E pior, não reconhecer isso.

 Salvo raríssimas exceções onde há discrepância técnica evidente, discurso de "obrigação de vitória" no esporte é algo de torcedor infantil ou dirigente mostrando folha salarial (que é até compreensível dentro de um vestiário, em condições que conhecemos).

No restante:

1 - Caem as estrelas. Sobe a EQUIPE.
2 - Um pouco menos emocional e muito mais racional (e maduro).
3 - Nem sempre somos tão bons quanto a mídia nos faz parecer (pra vender). E nem precisamos ser.
4 - Os alemães deram SHOW dentro e fora de campo. Legítimos CAMPEÕES.
5 - Os treinadores brasileiros PRECISAM de reciclagem. E antes precisam reconhecer isso.
6 - O Brasil fez uma das Copas mais legais de todos os tempos.
7 - O brasileiro adora o estrangeiro e não apenas seu dinheiro.
8 - Apesar dos pesares, se não fizemos bonito dentro do campo, fizemos fora.
9 - O Brasil é lindo, mas precisa e deve melhorar muito.
10 - Agora vamos cuidar do país e do nosso que é o que interessa!

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Obrigação agora é... APOSENTADORIA.

E aí Felipão... cadê a «obrigação de vencer a Copa» agora? Foi pra onde? Pro saco? Pra junto dos 7x1?

Eu vou dizer pra onde foi a obrigação: PRA VOCÊ SE APOSENTAR!!!!! Você e essa CORJA maldita que assola essa PORCARIA de CBF com seus mandos e desmandos políticos.

A grande verdade é uma só: essa equipe NÃO teria condições de vencer a Copa. Até poderia, com alguma sorte e com o Neymar. E tudo bem! E tudo bem!!! A gente se ilude achando que TODA COPA somos o favorito dos favoritos, isso sim!

Ao contrário,  insistiram piamente em algo que simplesmente não existia. Uma forte e bem treinada equipe, com padrão de jogo pra enfrentar potências europeias que tiveram, além de mais tempo com os mesmos jogadores atuando junto, uma eliminatória que os obrigou a desenvolver esse padrão que não tivemos tempo de adquirir.

Ao invés disso ficamos no ufanismo da técnica do jogador brasileiro, que só parece ter par com os desenhos de Michelangelo na Capela Sistina. Fundamento também faz parte da técnica e isso os alemães tem de sobra. Domínio, condução, passe finalização... então eles tem técnica SIM, melhor tática, mais experiência e tranquilidade, algo que essa equipe jamais teve dada a pressão pela «obrigação de vencer» à qual ficou exposta.

E o pior é que a lição não foi assimilida pelo caro Felipones. Então meu caro, a OBRIGAÇÃO AGORA É SUA DE SE APOSENTAR, levando junto todo ARCAÍSMO dos treinadores brasileiros, que ao invés de se reciclar ainda preferem viver deitados eternamente no berço esplêndido das 5 estrelas.  Pois o problema passa bem longe de um "apagão".

ACORDA BRASIL. Tú é lindo, mas tem MUITA COISA PRA RESOLVER, PRA MELHORAR! E como a mídia de massa, que vive abraçada com o poder só fala o que lhe convém ou o que não fere a audiência, temos nós que dizer. SOMOS PIORES DO QUE AQUILO QUE VEMOS REFLETIDO NO ESPELHO DA MÍDIA.

Faço aqui um parênteses pra um link às declarações de ninguém menos do que o Romário. Ele sim conhece e indica verdades que incomodam muita gente e devem ser EXPOSTAS. Lógico, se o Brasil tivesse um mínimo de políticos com honra e coragem.

Temos SIM a capacidade de melhorar, mas tudo vai depender de nossa capacidade de reconhecer nossas falhas e de lutar pra finalmente trazer o futuro com que sempre sonhamos. E não se trata de «vencer» porcaria nenhuma, mas sim de como disputamos a peleja. E enganamos ou não o povo.

sábado, 5 de julho de 2014

A Copa acabou... pro Vagner Ribeiro.

Assim é o mundo de quem só pensa em si e no seu bolso. Dane-se o time, dane-se a seleção, dane-se a nação inteira.

A Copa não é do Brasil nem de ninguém. É apenas a “Copa do Neymar”. Pro empresário, pai, Marquezine e outras Neymarzetes (antes que digam, é lógico que é craque), a Copa acabou.

Então vão embora daqui. Vão lá lamber eternamente o saco de quem lhes sustenta e ESQUEÇAM O BRASIL. Bando de chupa-cabras maldito....

Pois é AGORA que o Felipão tem que ser mais Felipão do que nunca! Transformar o desapontamento, a chateação em RAIVA. RAIVA PRA VENCER.

Agora sim a seleção poderá entrar com um pouco menos de pressão, pois já não tem favoritismo algum. Agora sim os jogadores podem se unir formando um GRUPO que joga coeso e se ajuda.

Esse jogo contra a Alemanha será uma paulada, o Brasil terá que jogar muito. Mas é a chance de tranformar algo individual em coletivo e assim é o futebol. É lógico que preferimos o Neymar atuando, mas nem sempre isso é possível!

É com você Felipão. Já fizeste a cagada de deixar a pressão da “obrigação da vitória” nos ombros da molecada. Vê se agora pelo menos você usa o discurso de “aqui tem macho ou fresco?” e acende o espírito de LUTA que forma um campeão.

É isso que precisa ser ressaltado: vencer agora não é só uma vitória “do Neymar”, mas sim a vitória DO BRASIL. SE JUNTA PAÍS E MOSTRA TUA FORÇA!!!!

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Psicólogo?! Falta é coragem de quem manda.

Quanto psicos serão necessários pra apagar um Barbosa? Pra assumir a responsa de uma derrota?

Putaquelospariles... o pessoal faz merda em cima de merda e depois chama um psicólogo pra controlar os sentimentos.

Vai se lascar Felipão. Você é BURRO PRA MAIS DE METRO!!!! Quem mandou endossar o discurso popularesco do velhaco Marin e sua “obrigação de ganhar”? Jogaram tudo na molecada...

Agora fudeu tudo, Felipão. Você deixou o mesmíssimo discurso que arrasou o time de 50 se fazer presente agora.

Os jogadores estão TODOS com o esfíncter na hands, com toda razão! Depois do estúpido discurso populista da “obrigação de vitória” sabem que se não vencerem essa merda FICARÃO MARCADOS PELO RESTO DA VIDA, seja lá o que fizerem depois pra apagar isso!!!

O problema não são os jogadores e sim 
a mentalidade de quem os cerca.
Diante dessa situação, quem é que joga tranquilo, quem é que joga solto, quem é que joga motivado? A mãe do psicólogo talvez. Vai se fuder viu, ô gente burra.

A politicalha maldita desse país NUNCA assume a responsa de nada e se o Brasil perde o Marin ainda virá a público dizer que “tudo o que os jogadores precisavam e queriam foi feito”, querem apostar?

Pois é... só não tiveram alguém que lhes desse retaguarda, que tivesse a CORAGEM de dizer que “não há obrigação maior de vitória do que em qualquer outra Copa”. Simples assim. Porque teria? Porque o juiz vai ajudar? Porque a torcida vai entrar em campo?

Ah, e mais. Avisar que a EXECRAÇÃO do Barbosa em 1950 foi ABJETA e a culpa da derrota DE UMA VEZ POR TODAS foi do clima que existia antes, do “JÁ GANHOU” AO “OBRIGAÇÃO DE GANHAR”, elementos que tiram toda motivação e tranquilidade de um grupo em busca de alto rendimento. Além de dar munição ao adversário que joga sem pressão e descreditar o próprio torneio, jogando a sombra de alguma ajuda nos bastidores.

Mas não. ESSA BOSTA me chama um psicólogo. AH VÁPRAPQP!!!!! 

O negócio é a torcida apoiar e torcer pra molecada lembrar que jogam fora daqui... de repente nem precisarão se mudar pra Praia Grande...