quinta-feira, 28 de maio de 2015

Uma ilusão chamada futebol

O jogo foi horroroso e o Oswaldão já parece que acionou o "foda-se". A pergunta é: QUEM? Quem será nosso próximo treinador? Luxa? Cuca? Abelão? Renato Portaluppi? Eu voto em JESUS, só ele faz milagres desse porte..

Estamos nessa de troca / não troca de técnico enquanto vem notícia que lá na Suíça prenderam o Marin e vários outros por corrupção. LINDO!!! SENSACIONAL!!! Quem dera tivéssemos polícia assim aqui no Brasil. A Federal até que tenta...

Mas isso remete a uma questão fundamental no futebol: até onde o que assistimos, pagamos e torcemos é mesmo verdade, real e não apenas um circo onde nós somos os palhaços pagantes? Infelizmente a realidade pode estar muito mais próxima da segunda opção.

O problema é o seguinte: torcemos para algo inexistente. Simples assim. Torcemos pra algo que, na realidade prática não existe, sendo apenas levados a isso pois alguém tem que pagar as contas no final.

É assim que funciona: nós, somos levados a acreditar nos “times”, afinal é a paixão pelo clube que movimenta tudo. Mas na prática isso não existe. O que existe mesmo é um grupo de pessoas (jogadores) buscando projeção INDIVIDUAL naquela vitrine chamada clube.

Entrosamento hoje em dia é piada. E no futebol esse elemento é primordial, fundamental, essencial. E nessa pororoca de interesses (grupo x individual) que nosso futebol está afogado. Os clubes vivem muito mais a mercê dos jogadores do que se imagina. Basta uma “pisada na bola”, uma contradição, uma discórdia qualquer e toda motivação, todo empenho do “profissional” evapora num instante.

Porque sofremos com essa realidade? “Motivação” tornou-se a palavra-chave. E na busca disso, e também pra evitar descontentamentos no elenco, os treinadores adotaram a nefasta prática do “rodízio”, que é pra que todo mundo seja “testado”. Na prática serve pra que todo mundo possa ter seu “momento vitrine” e pra que o treinador seja querido pelo elenco, não seja fritado.

Só que esse “momento vitrine”, essa lambeção que mutos treinadores adotaram tem seu efeito colateral. Primeiro que ficamos vítimas do capricho dos jogadores (que aliás são sempre incensados pela mídia). E segundo, mais prejudicial, é que o entrosamento vai pro saco!

Pra conseguir o tão importante entrosamento o time deve atuar com a mesma formação base por vários jogos, caso contrário é impossível desenvolver um padrão de jogo sólido. O Luxemburgo faz isso. E por isso foi fritado no Atlético, foi fritado no Flamengo e muitos outros lugares que passou, pois não aceita essa mimada em jogadores. É foda. Muito foda.

Então é isso. A gente entra no estádio pra torcer pro time naquele campeonato. Os jogadores entram em campo pensando em fazer uma boa atuação, boas jogadas pra rechear o portfólio montado por seu empresário. Quanto ao resultado da equipe em si... bem, isso é problema mais de outros do que dele. Eles fingem que jogam pelo time e a gente vive essa ilusão. Citando Nelson, “a vida, como ela é”.

Resumindo: tivéssemos jogadores mais profissionais e menos mimados não viveríamos uma realidade onde o treinador tem que se preocupar em ficar alisando o elenco pra não vê-lo rachado e sem seu comando. Não precisaria fazer esse rodízio ridículo, jogando com titulares que ganhariam entrosamento mais rápido. Só pra citar, fizemos isso em 1993... mas hoje, a realidade é outra. Aí eu pergunto: já que tudo se torna um imenso produto, qual é nosso lugar nesse circo todo? Bom dia a todos...

4 comentários:

  1. Sinceramente Galluzzi nem sei mais o que pensar. O sina !!!, estamos parecendo o inferno brasileiro cada vez falta alguma coisa. Antes não tínhamos jogador, hoje temos mas o técnico é teimoso e escala errado. Ta phoda viu. Na terça ja ouvi que tinha jogador reclamando da bronca publica. é muito melindre, muito mimimi.
    Quando tina 9 anos, nunca me esqueço numa noite fria no pacaembu em que o palmeiras jogava com o Botafogo-Rj e o Cesar Maluco sentou fora de campo ao lado do banco passando a mão no tornozelo de uma entrada dura que levou. Enquanto o massagista o atendia, o Oswaldo Brandão pegou um balde de agua com gelo e virou em cima do Cesar que levantou correndo e voltou a campo. Antigamente não tinha muito mimimi não. E o Brasil era temido pelos gigantes mundiais. Eramos campeões respeitados.
    PS: Não sou e não gosto de saudosismo, porém as vezes olhar e aprender com o passado nos faz aprender.

    ResponderExcluir
  2. Grande PG, não é saudosimo não. O mundo afrescalhou-se. Sem nenhuma conotação à orientações sexuais, nada a ver. Trata-se do culto à personalidade, fenômeno ocasionado pela hiperexposição midiática. Na facu a gente aprende que a mídia reflete a sociedade e quando ela prolifera, prolifera tbm esse reflexo. À isso ligado a linguagem de comunicação de massa que precisa pasteurizar pra abranger, vc tem essa gosma social do politicamente correto (e internamente filhadaputa) em que vivemos. Legal né? Por isso meu ídolo dos anos 80 foi o Bob Cuspe... saudades da adolescência... rs. Valeu pela história, Brandão rules. Abs!

    ResponderExcluir
  3. Essa é uma verdade que procuro esconder para não perder as esperanças... por isso, apesar da simpatia pelo Palmeiras, já não vivencio mais o futebol como no passado.
    A corrupção no nosso país chegou a tal ponto que seria melhor cair uma bomba nuclear em nosso país, pra não sobrar ninguém e assim essa cultura do "jeitinho", quem sabe, morresse conosco.
    Até o futebol está contaminado, do nível mais baixo (entenda: jogadores sem ética profissional) ao mais alto (Entenda: CBF e FIFA).
    A cada dia que passa me apego às pequenas coisas, como uma cerveja com os amigos, um sexo bem gostoso, uma boa música, a um bom filme/ seriado, um carinho/ beijo nas pessoas que amo.
    Acredito que infelizmente esteja ficando cego, pois cada vez mais está difícil de enxergar a luz no fim do túnel. A corrupção no nosso país chegou a tal situação, que até pessoas, até certo ponto insignificantes, para nossas vidas,
    agem em prol do motivo errado.
    Em vez das pessoas lutarem por melhor educação e melhor saúde, as pessoas perdem o foco e pedem o impeachment da nossa presidANTA. As pessoas estão a tanto tempo presas ao que elas não querem, que esquecem de ver, aquilo que
    elas precisam.
    Desculpe o desabafo, mas tá foda!
    Ser humano - serzinho que surgiu com um destino bastante definido. Não dar certo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahhh... definitivamente Cláudio, simpatizo contigo! Na quarta, pra assistir o jogo fiz um frango a passarinho caprichado na casa da minha na mina, com uma bela cerva gelada. Depois disso, o vucovuco tradicional e relaxante. Resultado do jogo? Nem sei... só lembro que eu guardei na rede! rssss. Ser humano: águia que acha que é um pavão e vive como uma galinha. Abs!

      Excluir