terça-feira, 9 de junho de 2015

O Firewall da derrota

Sejamos sinceros, vivemos imaginando que agora, com bons jogadores, uma troca de técnico resolveria a situação. Afinal de contas, não nos sobram alternativas! Diretor bão. Torcida parruda, prisa engajado no futs... tem que ser o técnico!

Mas aí é que está... se analisarmos um pouco mais friamente (algo quase impensável ao palmeirense), é notório que a diferença entre os treinadores brasileiros de ponta não é grande coisa. Não há quem desponte na frente com grande qualidade.

Ah, mas Marcelo Oliveira, mas Cuca... na boa galera. Treinadores que conseguem ser campeões por 1 clube (tipo Tite) não me convencem. Podem ter feito um ótimo trabalho, mas nesses casos o sucesso do clube tem mais a ver com outros fatores do que a presença do técnico por si.

A GENTE SE ILUDE achando que algum Cuca ou Marcelo Oliveira da vida podem fazer a diferença. Ainda que essa mudança possa trazer algo novo, está LONGE de ser o principal vetor de mudança que precisamos pra voltar a ser o Palmeiras que briga na parte de cima da tabela.

Nesse quesito, existe algo que praticamente todo time e comissão técnica passam antes das conquistas (salvo exceção de times milionários). É pelo FIREWALL DA DERROTA. A parede de fogo que a comissão técnica se depara ao não alcançar o que o time e a torcida almejam em curto prazo (6 meses/1 ano). Acontece que via de regra as expectativas excedem as possibilidades práticas, por isso a frustração inicial e a parede de fogo, onde tantos e tantos ficam.

Mas quem consegue passar por essa parede de fogo (superar as derrotas e ser bancado pela diretoria), ganha uma grande força. A força que vem da confiança que foi dada ao seu trabalho e a sensação de “obrigação” em retribuí-la, do conhecimento das falhas. Isso envolve time e comissão, que redobram sua dedicação e vêem os resultados positivos começarem a aparecer.

Só que a lógica se inverte, já vivemos isso com o Kleina por exemplo, foi bancado e não adiantou lhufas. E muitas vezes, com o time já formado, um técnico consegue engatilhar um sucesso coletivo que realmente funciona.

Então o que o Palmeiras deve fazer hoje? Não sei... SE conseguir uma opção a um preço dentro dos limites, ok. SE a recisão do Oswaldo não nos custar uma fortuna... SE os jogadores abraçarem a ideia... não é fácil decidir com tantas variáveis envolvidas. Mas a afinidade “Oliveira/Mattos” pode pesar nesse momento.

Mas uma coisa é certa: treinador pra fazer sucesso aqui tem que ser CASCA GROSSA, senão não vai. Assim foi com Filpo Nuñes, com Brandão, com Telê, Minelli (que não foram campeões aqui, mas formaram grandes equipes), Luxemburgo ou Felipão. Técnico macio aqui é cuspido em 6 meses. Então, se formos agir, que seja com essa consciência.

14 comentários:

  1. Concodo que mandar técnico embora, como regra, só enfraquece o time e leva dinheiro embora. Mas é preciso saber em quem investir. Por que o Oswaldo foi trazido? Porque era barato e estava disponível. Nesse caso, descartá-lo não é crime, como já disse o Menon. Por isso mesmo que sua multa é de apenas um salário. Ele não era um investimento. Marcelo Oliveira é diferente. Ele não foi só bicampeão brasileiro com o Cruzeiro, seguidamente (qual foi o último técnico a fazer isso?). Foi quem também levou o improvável Coritiba a duas finais de Copa do Brasil, com dois times diferentes, remontados. Qual o problema do Marcelo? Apego a tática irritante de dois pontas abertos, que só dá certo contra time que ataca. Ou seja, nós, que mantemos essa tática ridícula desde os tempos do Kleina, vamos continuar criticando a incompetência do time diante dos pequenos. E o que há de bom? Marcelo sabe substituir, coisa que o Oswaldo, passivo, não faz. Cuca é um formador de equipes, um construtor. Seria o ideal. Mas qualquer coisa é melhor do que ver o Oswaldo assistindo o jogo de dentro do gramado. Que pague ingresso, então.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, não acho que seja questão de "crime" algum. Apenas producente ou não. O Oswaldo não é barato (300mil/mês). Ele não era o mais caro (como o Mano, de 500/600mil mês), só isso. O problema é que quando vc investe 45 milhões, se não tiver o clube na Libertadores do ano seguinte, tá fudido. Essa é a conta. Com 32 rodadas a frente, não temos tempo de ficar "entrosando" pro ano que vem, senão virar agora fica distante demais do G4. Com o time já montado e afinidade entra comissão e diretoria pode até rolar um samba. Mas o quesito fundamental, principal, é que seja quem for o treinador, tenha mais TEMPO e AMBIENTE pra desenvolver o trabalho, pois um futebol bem jogado EXIGE isso. O problema é investir precisando de retorno a curto prazo que, em qualquer empresa de porte, não é menos de 2 anos. Abs.

      Excluir
    2. Concordo contigo. É preciso dar tempo. Mas pra quem dá sinais de saber o que está fazendo. Oswaldo não sabia. Além das lesões e da chegada de um cara novo por partida, ele não enxergava o jogo, não mudava o time a tempo de resolver. Gabriel Jesus, por exemplo, não tem tamanho pra centroavante. Mas Oswaldo insistia nisso. Victor Hugo é lento e atrapalhado, mas continua titular. Tem cara que sequer estreou ainda. Por que não mudar o esquema, começar arrumando atrás? Oswaldo escala mal e substitui tarde. No Santos, teve comemoração quando ele saiu. A sensação no palmeirense hoje pode ser de incerteza, mas também é de alívio. Porque agora podemos começar de novo. Tomara que o próximo não seja um remendo como foram Kleina, Dorival, gareca e Oswaldo.

      Excluir
    3. Pela pleura de treinadores que por aqui já passaram, não lhe parece impressionante que nenhum nos sirva? Parecemos virgem encalhada esperando príncipe no cavalo branco... esse não serve, esse não serve, esse não serve, esse não serve, esse não serve... mercy, mercy Jesus... rs. Abs!

      Excluir
  2. Galuzzi,

    Eu não gostava muito do trabalho do O.O, mas achava que deveria dar continuidade até o jogo contra o Joinvile. Ali foi a gota. Pior time do Campeonato sem torcida e vc não faz uma pressão?
    Se tivesse feito os 9 pontos contra esses times pequenos e não 2 onde estaríamos? Nesse campeonato difícil esses jogos mais "fáceis" tem que aproveitar. Domingo contra o Figueirense os caras todos desfalcados e com ARGEL no banco. Olha ficou insustentável. No Palmeiras o técnico tem que ter a alma de militar, se impor. Isso é cultural. Aquela Italianada + MUMU que não vai nem com reza ainda é forte lá dentro.
    Espero que o time possa subir de produção pq fez alguns bons jogos (Goias apesar da derrrota não foi tão mal, Corinthians e Inter o time foi bem).
    E vamo que vamo e parem de dar ouvidos a IMPRENSINHA que ontem fez uma cobertura de 11 de Setembro pra fazer a demissão do O.O.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dog, o problema é que pelo investimento feito o time não pode ficar fora de Libertadores. Tbm acho que o pavio no Palmeiras é curto demais, mas com o time já formado e o Marcelo Oliveira na sintonia com o Mattos, podemos repetir o que fizemos n época do Otacílio Gonçalves/Luxemburgo... a esperança é uma doce ilusão... rs. Abs!

      Excluir
  3. O Paulo Nobre é um riquinho mimado que usa a Sociedade Esportiva Palmeiras como seu brinquedo preferido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara na boa, se não fosse o Nobre estaríamos hoje com que tamanho de dívida? Que jogadores teríamos conseguido contratar nessas condições? Sorte a nossa de ter tido um cara com a condição que ele tem, isso sim.

      O que fode o Palmeiras é justamente gente lutando por interesse próprio e bombardeando quem está no comando por ter tido privilégios cortados. Ou estou errado, caro Anônimo?

      Excluir
  4. Anônimo!! E o Mustafá é oq?
    Um Sapo Gordo maldito que suga o Palmeiras, derrubou o time pra serie B. Todos esses anos de calvário é basicamente culpa dessa anta. Paulo Nobre está desde 2013 e desde 2000 que não somos um time competitivo. Ele errou e muito mas nos clubes grande sabemos muito bem que o presidente muitas vezes não comanda sozinho. Vide M Gobbi no Gambá, O Modesto do Santos e o Vaidar que ta tendo brigas e mais brigas com o JJ.

    ResponderExcluir
  5. Confesso que ainda tenho dúvidas sobre se o Oswaldo tem realmente responsabilidade sobre tudo que aconteceu até aqui. Esse mesmo filme de técnico, vi em todas as últimas vezes e aí fica a pergunta: Será que a responsabilidade é do treinador?
    Acho que o problema de todo técnico de futebol hoje em dia, é ter que lidar com a fogueira das vaidades dos jogadores. Hoje eles ganham um ótimo salário e jogar mais ou menos garante o soldo no fim do mês de qualquer maneira. Seja quem for que entre, espero que consiga dominar os "vagabundos" (sejam eles quem forem) e fazer quem está fechado com a vitória, mostrar de fato todo o potencial.

    ResponderExcluir
  6. Claudio,

    O problema é mais embaixo: Vamos analisar
    2010 nosso técnico era Muricy e foi fritado, tinha um elenco razoável. Veio Antonio Carlos com time médio e saiu logo e veio Felipão. 2011 e 2012 times medianos (Lembram das histórias do Camarão) e ganhamos a Copa do Brasil que não era disputada pelos grandes que jogavam a Libertadores. Só ganhamos do Gremio de grande. Caímos com o G Kleina que tinha um time ruim e já tava com o barco afundando.
    2013 subimos e montou uma base pra serie B.
    2014 desmontamos o time e trouxeram o Gareca no meio do nada e jogadores catados. Depois veio Dorival.
    Ai não caiu e mudaram tudo de novo e veio o O.O.
    Em todos esses anos houve fritada desse MALDITO COF do Mustafá e CIA. Esse cara é o maior câncer do Palmeiras.
    Pode vir o Guardiola que se não tiver tranquilidade vai dar merda. Não vejo isso de jogador querer fazer corpo mole. Se o ambiente não for favorável fica difícil e quem sabota o PALMEIRAS é o PROPRIO PALMEIRAS
    2012 o Felipão com time

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Douglas, concordo com o que você escreveu sobre o bosta do Mustafá, mas ainda sim, o resultado em todos os casos foi pífio, dadas as proporções de cada elenco que cada treinador teve disponível. Estávamos com um bom time em 2012 e mesmo assim ficamos disputando o brasileirão para não cair.
      O que quis dizer foi: Se treinador não consegue dar padrão de jogo para um time, só pode ser por dois motivos, pressão interna (presidência, diretoria e/ou conselheiros) para que um ou outro jogador jogue ou os jogadores colocam uma pressão tão grande no treinador, que fica impossível para o treinador criar este "padrão" de jogo.

      Excluir
  7. Havia prometido a mim mesmo que não iria mais acompanhar futebol e muito menos o Palmeiras depois de domingo. Durou 2 dias. Portanto vou dar meu pitaco sobre o Mumu. Ele sabe que não será e nem quer ser mais presidente da SEP, porque irá virar vidraça. E isso desgasta. Então ele inventou um tal de Conselho Gestor (CG), onde uns 2 ou 3 mandariam em tudo na SEP, e lógico ele seria o líder permanente do tal CG. E o presidente da SEP viraria uma rainha da Inglaterra, tinha um posto importante mas na pratica quem manda é o parlamento com seu primeiro ministro (CH e Mumu). Não passou no conselho porque as velhas raposas sacaram a jogada do batráquio. Mas num golpe de mestre, ou de tirano, mudou o estatuto do COF, veja bem não o estatuto do SEP mas sim do COF, onde se tornou o tal "líder" e transformou o COF no tal CG disfarçado. Hoje o COF manda mais que a presidência simplesmente porque toma conta no dinheiro (sacram o golpe?),. Mas no momento isso é camuflado porque o PN colocou dim dim do bolso e de certa forma igualou as forças. Mas reparem que o Palmeiras que é o mais importante nisso tudo ficou refém, ou escanteado em segundo plano. Quem manda em qualquer sociedade é quem tem a grana, ou quem é apoiado por quem tem. Sacaram?

    ResponderExcluir