segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Por uma lei que preste ao país

Que as leis constituintes desse país são uma piada internacional todos sabem. A constituição é uma barafunda parnasiana coalhada de macetes e subterfúgios que bons e caros advogados sabem usar pra livrar delas quem precisa (e possa pagar).

Pois então nesse contexto seria muito mais válido se aprovassem uma única lei que impedisse jogadores com menos de 21 anos de serem vendidos ao exterior. Ou pelo menos que houvesse uma linha de crédito direto pra quem quisesse mantê-los.

Utopia a parte, é o sentimento que temos hoje ao olhar pra Gabriel. O cara tem 18 anos. Vai receber propostas pra lá de indecentes, oriundas de um poder financeiro desproporcional (lavagem), o Palmeiras não terá condições de bancar a festança e verá sua jóia evaporando sem antes brilhar por aqui. Que a realidade me prove errado...



Brilhos a parte, estamos bem com um entrosamento melhor no ataque. Barrios, Rafael e Gabriel tem que jogar juntos! Que o 4º dessa turma seja o Dudu ou Robinho. Mas o trio é infernal!!! Bola cantada.

Só que a máxima de que um time forte começa pela defesa não é balela. Ainda que muito melhor do que tínhamos na temporada passada, nossa zaga ainda se vê em apuros. Muito pelo que acontece na frente. Mas isso deve ser visto com cuidado.

Na entrevista pós jogo o Victor chegou a comentar que era só não “perder a bola ali na frente”, como aconteceu no primeiro gol adversário. E é verdade, a defesa começa na atenção. Mas isso pode gerar desgaste e tem que ser bem administrado.

Agora começa uma semana decisiva, esse é o momento que vai separar os conquistadores dos pretendentes. É a hora que esperávamos pra abraçar o time e acreditar. Vamos nessa que esse time tá dando gosto de ver.  Robinho dando a volta por cima. Zé Roberto passando confiança geral. Thiago Santos chegando pra resolver. Lucas arrebentando na lateral. É só o tempo dar mais liga nessa receita teremos grandes resultados, VAMOPALMEIRAS!!!!

4 comentários:

  1. Galluzzi, No lance que o Victor comentou "perder a bola ali na frente", está tudo correto, porém o Jackson é quem errou. O R.Marques estava marcado por 2 jogadores (um atras e um do lado), e o Jackson olhando para o campo de frente passou a bola pra ele assim mesmo. Neste caso vai "perder a bola ali na frente mesmo".
    Quanto ao Jesus, não tem jeito, o Palmeiras terá 95% de chances de perder o jogador. Como o jogador é profissional, fica difícil ter uma lei que impeça o jogador de ir embora. Talvez obrigando o jogador ou o time comprador "pagar imposto "especial"sobre exportação" neste caso as leis do Brasil são insuperáveis kkkkk. Mas sério, o único jeito é a equiparação financeira entre o Brasil e Europa. Fica quase impossível.
    A forma mais eficaz a meu ver e nesse caso vai diminuir muito essa ida de jogadores novos e os demais também, é ter uma lei severa sobre estes empresários que são donos de jogador. Isso é crime.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade PG, a responsabilidade deve ser conjunta. No caso do passe, na Argentina não havia algo do tipo? O lance é que hoje os clubes são reféns de jogadores e empresários, que deitam e rolam nas finanças dos infelizes. A culpa não era sempre dos "cartolas"? Então, hoje a situação é essa lama.. abs!

      Excluir
  2. A FIFA diz que nenhum jogador pode ser de empresario, em muitos países tem leis que mantém essa situação sob um relativo controle. Talvez uma saída é proteger os clubes formadores no primeiro contrato profissional, pois é ai que está a maior interferência dos empresários.
    Por exemplo, o primeiro contrato tem que ser no mínimo de 4 anos com 100% dos direitos do clube (antigo passe), acabar com esse negócio de direitos federativos e econômicos. Na Europa não tem isso, o Neymar aqui era do Santos, empresário, pai, etc. O Barcelona pagou e é 100% dele, e assim são todos até os mais humildes.
    Acho inconcebível o clube investir num menino com 13 anos, e quando chama para o primeiro contrato aparece um empresario, e o clube refém é obrigado a ficar com 10, 20% e as vezes com 0% do jogador. Tinha que ter uma lei que o 1º contrato ser de 4 anos com 100% do passe. senão tem que esperar no mínimo 1 ano para assinar com outro clube (deixa o cara parado), proíbe de treinar em qualquer outro clube pois o passe por 1 ano está preso no clube formador. Sei que talvez não seja a mais justa, vem aquela merda que pela lei não pode impedir de trabalhar etal, mas jogador de futebol não pode ser CLT, é totalmente diferente até por tempo de aposentadoria. Tem que ser uma lei especifica e ai acaba com a farra dos empresários aproveitadores. No máximo o cara pode e até deve ter um um procurador idôneo para negociar por ele, embora o problema é a dificuldade do tal "idôneo".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correto PG. O problema no Brasil é que qui a gente pressupõe que todos são "idôneos" e todas as brechas do mundo são aproveitadas nesse contexto. Lá fora os caras ENTENDEM que o ser humano é um FDP por natureza (ainda que em evolução), então se cercam muito melhor contra as pilantragens. Aqui a gente vive passando a mão na cabeça do diabo, leva chifrada e não sabe por quê...

      Excluir