quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Monopólio midiático estraga o esporte!

Ah lá!!!! Ah lá que o Império começa a desmoronar!!! Os clubes já estão batendo as portas pra renovação de contrato com a Vênus Platinada Carioca, a grande lambe-lambe da Zona Leste, que integra o conluio Globorinthians de Entretenimento Popular Amansa Povão.

Os dirigentes se reuniram na sede da CBF no começo desse mês de outubro e exigiram que o representante Global fosse tomar café enquanto eles conversavam! Rá!!! Essa cara eu queria ter visto. Como assim “não vão me deixar entrar”? Sou o “dono” do futebol nessa merda! Pois é por isso talvez que o futebol brasileiro esteja esta merda. Não deixaram e o cidadão deve ter ido chupar seu sorvete alvi-negro (ou rubro-negro, o que der mais audiência em TV aberta).

Como todo torcedor sabe, o futebol já existia e muito bem sem essa tranformação em paquiderme midiático que se tornou. Quando uma grande coorporação vem e abocanha tudo, pior ainda, vira tudo um grande cereal de supermercado, cheio de açúcar e o mais popular possível, deixando o esporte em segundo, terceiro ou quarto plano, em detrimento de sua comercialização.

Quanto mais nas mãos de um só grupo de mídia, mais a mercê de interesses específicos o nosso esporte preferido estará. E mais e mais sofreremos com decisões suspeitas, distribuição totalmente desigual dos recursos e o pior, exposição privilegiada para uns escolhidos a dedo ou puramente pela audiência. Que pode ser um direito do canal em fazer. Mas é terrível para o torcedor que assiste (a não ser a parcela atendida, que não é pequena).

Então fica aqui o registro. LOUVÁVEL a determinação dos clubes em sair das mãos únicas e oferecer o seu produto (já que é visto assim) para outros interessados, abrindo margem para uma concorrência leal e honesta. Uma coisa é fato: nesta orgia que é a comercialização do futebol, o torcedor sempre acaba pagando tudo e nunca tem voz pra nada. Até quando?

7 comentários:

  1. O correto seria a comercialização por jogo, se o time não vende para uma emissora que venda para outra, assim todos teriam o direito de assistir o que quiser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joel, nesse caso nem precisamos inventar a roda. Trata-se apenas de se basear nos campeonatos alemão ou inglês, ou até mesmo algumas ligas americanas como a MLB (beiseball) ou NFL (futebol americano). O que não pode é ficar nas mãos de um só canal. E não ouvir o torcedor, que é parte que paga tudo. Abs.

      Excluir
  2. Galluzzi, valeu cara, perfeito seu texto, nada acrescentar.
    Se os dirigentes fossem mais espertos, e menos pensarem em si próprios, ja teriam fundado uma liga independente, empacotado o business e estipulado um valor. Leva quem pagar.
    A divisão seria da Liga e não da TV. Isso não sou eu que estou inventado é a Alemanhã, Italia, EUA, Inglaterra. Exatamente como voce expôs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato PG, não se trata de inventar a roda, apenas usar o melhores exemplos e não seguir a lógica de uma corporação na busca pelo lucro máximo. Valeu!

      Excluir
  3. E o domínio é total, abrange além das TVs(aberta/fechada), a internet e também as placas de publicidade no Allianz Parque, quem não se lembra das placas cobertas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Emerson, quando uma grande corporação domina um setor, há pouco espaço pra diversidade. E a Globo não é nada além disso. Uma grande corporação lutando por seus interesses... e dá-lhe pasteurização, nivelamento por baixo etc, etc... abs.

      Excluir
  4. Clubes assinam novo contrato do Paulista com a Globo até 2021, e recebem luvas http://rodrigomattos.blogosfera.uol.com.br/2015/10/16/clubes-renovam-contrato-do-paulista-ate-2021-com-globo-e-ganham-luvas/ …
    PN pode assinar um contrato com prazo de 6 anos? Que grande merda, continuaremos nas mãos da RGT.

    ResponderExcluir