quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Aberta temporada de caça aos títulos!

Palmeiras. Gigante pela própria natureza de sua coletividade plural e multicultural, gente como a gente que é a cara desse Brasil.

A Família Palmeirense, mais concatenada que nunca, torce visceralmente pelas cores e valores dessa entidade quase mágica, dona de um personalidade única que permeia e encanta sua torcida.

Introduções feitas, bora pro jogo fratellada!!!! FAMÍLIA!!! CAMPEÕES EM CAMPO. Academia de Futebol Arte e Cia., mais conhecida como Sociedade Esportiva Palmeiras, mais Palmeiras do que nunca, entra hoje em campo pra iniciar sua temporada 2016.

Raríssimas foram as ocasiões em que pudemos ter uma pré-temporada tão bem planejada e executada como essa. Iniciando a temporada como Campeões, tivemos ainda mais chance de bem contratar e fechamos os reforços ainda na pré-temporada. Sensacional, exemplar.

Ah, o Cleiton se contundiu, o Barrios sentiu desconforto... isso é normal em pré-temporada! É um período onde as turbinas são testadas ao máximo e o que tem que apresentar de problema, aparece mesmo. Felizes nós que temos excelentes peças de reposição.

Hoje devemos começar com o time baseado em 2015, com Prass, Lucas e Zé nas laterais, Dracena e Victor na zaga, Arouca e Matheus na volância, Robinho e Dudu no meio-campo, Gabriel e Alecsandro no ataque. Se formos contar todos que podem entrar, vai longe. Mas acho que Jean, Moisés e Erik devem ser aproveitados ainda nessa estreia.

Seja como for, gostaria de propor um PACTO para que nós torcedores – conscientes dos esforços realizados e das dificuldades comuns – possamos TORCER PELO PALMEIRAS além dos resultados. Independente de quem veste a camisa é o Palmeiras em campo, defendendo as mesmas cores e valores com as quais nos identificamos, lutando da melhor forma possível.

Críticas? Ok, mas só com muita parcimônia e muito respeito. Apoio? Sem a menor moderação e com todo entusiasmo que nos é padrão. Isso é Palmeiras. Essa deve ser nossa história a partir de HOJE. BORA FAMÍLIA, UNIDA, PALMEIRAS!!!!

4 comentários:

  1. Fico imaginando um espanhol indo perguntar como se associar ao "pluricultural" palestra escutando "Qui? No!"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mesmo? Quando isso?

      Antigamente (e ainda há isso hoje) era normal haver associações e clubes voltados “quase” exclusivamente às suas coletividades com único intuito de valorizar sua identidade. Mas a realidade mudou radicalmente.

      Ignorar isso é a maior prova da necessidade de se criar (e cultivar) um “inimigo” que justifique seu discurso patético. Assim, o Palmeiras vira antro fascista. O São Paulo, a Jacuzzi da elite soberba. E o Corinthians, o covil do PCC.

      Como é fácil e ao mesmo tempo ridículo CRIAR esses personagens que só servem pra cada um JUSTIFICAR a ilusão em que repousa sua crença de ser “superior”. Superar antigos conceitos é divino! E quem se recusa a aceitar as mudanças é cego ou mau intencionado.

      Essa ridícula tentativa de “colagem” de um conceito à marca, com o intuito único de vilanizá-la pra poder figurar como o “lado bom” não passa de algo exatamente igual ao que os NAZISTAS faziam com os judeus, que os USA faziam com a USSR, que os TERRORISTAS fazem com o OCIDENTE... de uma pobreza intelectual estratosférica.

      Bom, não vou ficar preso a esse infame “discurso do ódio”, que cria um inimigos de conveniência. Tô fora. Palmeirense tem PERSONALIDADE suficiente pra não precisar se criar em cima dessa idiotice. Quem quiser continuar nessa estrada fique a vontade. Mas caminhará - e falará - sozinho.

      Excluir
    2. O que nao era normal era um clube nao segregar. O Time do Povo. Isaac, Ramon, Manuel, Arao., Batglia... "Quase" nao era o caso do virjao, ja que a restricao era estatutaria. Pode enfeitar seu texto com a hiperbole multicultural que for. Esse nao é o dna palmarense e se isso te incomoda vc tem que torcer pra aoutro time, nao pro Virjao.

      Excluir
    3. Exatamente! Como você mesmo reconhece, não era normal um clube deixar de privilegiar sua coletividade, como até hoje existe... vide os Germânias, Harmonias, Paulistanos e Hebraicas etc.
      Podes até continuar considerando “enfeite” um Palmeiras totalmente aberto e multicultural, com gente de TODO TIPO frequentando suas arquibancadas. Te incomoda né? Deve ser duro perder o seu “Judas” de plantão... se até o recalque da virgindade ainda pesa... rssss. Aquele abraço.

      Excluir