terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Luta, conquista e liberta!

Com a luta você conquista seu espaço. Com seu espaço, você conquista a liberdade.

O espírito que norteia uma competição como a Libertadores é algo difícil de descrever. Deve ser como estar nos play-offs do basquete. Na pós-temporada da NFL ou MLB. Só de estar alí o time já se considera um vencedor. E é!

Campeão, o Palmeiras entra em mais uma de suas tantas Libertadores da América integrando recheado hall dos vencedores. Não é segredo pra ninguém o ansejo palmeirense pela conquista de seu bicampeonato, sendo hoje, o título de 99, o de maior expressão que ao menos 3 gerações já puderam assistir.

Time reforçado, não inicia o torneio em grande forma. A reformulação no elenco - ainda que fundamental - ainda não trouxe o tão esperado padrão de jogo. O treinador teve pouco mais de um mês de “lua de mel” pós título da Copa do Brasil. O período já acabou e a pressão já voltou. E talvez seja até bom.

Pra jogar bem, o Palmeiras sempre precisou de PERSONALIDADE. O treinador tem que ser amigo, companheiro, mas também saber ser um general draconiano em defesa do esquema de jogo. Sem tesão não há solução. E sem personalidade não há padrão. Espírito de luta, sempre juntos VERDÃO!!!

6 comentários:

  1. Galuzzi, Valeu escreveu bem mais uma vez, eu estava tentando achar a palavra e voce matou a pau. PERSONALIDADE, é isso. Desta vez vou poupar um pouco o MO, pois há coisas que o técnico faz, mas tem um limite, passou disso é com os jogadores.
    Ontem o MO mudou o esquema e até alguns jogadores, mas novamente não andou. Tambem não é corpo mole para derrubar técnico, pelo menos dentro de campo não da para perceber. è com os jogadores mesmos, que terminaram 2015 e iniciaram 2016 se achando, e todos os erros do ano passado se afloraram agora. agora elles tem que ter personallidade para mudar isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala PG! Cara, não vejo a menor chance de uma postura anti-treinador no Palmeiras. O clima de pré-temporada é um dos melhores que já houveram, o MO dá espaço pro elenco opinar, todos participam. A diretoria do futebol (Mattos/ Cícero) é extremamente atuante e profissional. O Palmeiras tem uma das melhores Comissões Técnicas em décadas. Por exemplo, quando vencemos a Copa do Brasil 2012, o time era uma porcaria e só tinha o Assunção e com ele vencemos. Mas o Felipão já estava em franca decadência com o estilo reclamão eterno ao lado do campo, e ao invés de proteger os atletas, queimava-os publicamente. Vc se lembra? Qual foi o resultado? Melhor nem lembrar né? Então... aquilo sim foi "racha" entre elenco e treinador. Hoje? Não existe absolutamente nada além de algo simplesmente plantado pra repercutir, dentro desse ambiente podre e nefasto que é o mercado do futebol. Como dizia Satchmo, What a Wonderful World...

      Excluir
  2. Defendi até agora, mas esse jogo da libertadores, que é onde eu esperava ver alguma evolução, me trouxe uma sensação diferente, infelizmente...
    Li os comentários abaixo e espelhou um pouco da minha frustração:
    http://sportv.globo.com/site/blogs/especial-blog/jogos-que-eu-vi/post/cornetas-da-razao.html

    Po#%#!!! Vamos ganhar porcooooooo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claudjones, valeu por trazer a info! Veja é o tipo de matéria que não considera um fundamento básico do futebol na qual um grande número de contratações - a despeito de sua necessidade - implica num tempo maior pra que o time encontre a formação ideal e consequentemente, seu padrão de jogo. Isso é absolutamente normal, seja no Brasil, Holanda ou Senegal.

      Veja que o jornalista (alimentando a fogueira que depois critica), sequer considera esse fator, imprescindível à boa análise do tema. E assim caminhamos... sabendo de nada, ingênuos, macunaímicos... como nos querem. Abs.

      Excluir
  3. Acabei de ler outro comentário, que atenua o primeiro, mas que também é bem pertinente.
    http://globoesporte.globo.com/blogs/especial-blog/entre-as-canetas/post/joga-pedra-no-marcelo.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a frase tá lá.. "Continuo achando que é preciso dar tempo a Marcelo - o tempo da permanência do time na Libertadores.". Abs.

      Excluir