segunda-feira, 25 de abril de 2016

Nasci para ser Palmeirense.

Olha fratellada, sei que essa vida é complexa. Sei que existem ditames de conduta que nos guiam e nos fazem socialmente coesos. Tenho uma família maravilhosa embora ainda não tenha sido agraceado com a benção da paternidade, quem sabe um dia, ou não. Exerço minha profissão há 20 anos e pago contas desde adolescente. Basicamente um cidadão comum.

Pois é nessas horas, de sentimento comunitário, que algo vem à mente. Algo desponta como diferencial. Ser torcedor é algo pra lá de comum. O que faz a diferença é a raiz da motivação que te faz torcer. Você pode apostar dinheiro num cavalo e torcer alucinadamente pra ele. Mas na verdade estará torcendo pelo seu dinheiro. Você pode escolher um time e a ele se apegar loucamente, mas em última análise, estará torcendo pelo que ele pode trazer a você, o sentimento de vitória.

No Palmeiras isso se tornou comum. Acostumados as vitórias, viciamo-nos nelas quando, em sua ausência, diminuímos nosso impulso por acompanhá-lo, diminuímos nossa paixão, nossa prsença, nosso apoio. Mas aos poucos, vê-se um movimento de identificação que transpassa a oscilação vacilante da torcida exclusiva por vitórias. Um movimento que abraça o Palmeiras como à uma FAMÍLIA, como um catalisador de valores fundamentais à coletividade alvi-verde.

Trabalhe e Conquiste. Et Opus Conquer. Bem poderia ser o lema desse time, estampado em letras garrafais como um slogan em nosso estádio. O Palmeiras é um time batalhador, lutador. E quando se forma um grupo que demonstra essas virtudes, a sensação de união com a torcida é impressionante, avassaladora!


Ontem, mais uma vez, coração na boca. Mas no fundo sabíamos que ganhar sequencialmente nos pênaltis é algo que, além de difícil, pode ser reeditivo. A grande resposta havia sido dada ainda nos 90min quando calamos a Vila após 2 gols fulminantes em 3 minutos. Com todo respeito ao time do Santos, tivéssemos acordado 5 minutos antes, teríamos virado a partida.

Vimos o potencial do Guedes, vimos a evolução de vários jogadores. O meio campo pode ganhar corpo com Xavier, mas tem que ser mais rápido. A defesa ainda colapsa em alguns momentos, mas também está melhorando. No ataque, o Gabriel só precisa amadurecer a cabeça e vai estraçalhar. Questão de tempo. Valeu time!

Finalizando, um mérito a parte ao emocionante Cuca, impossível não simpatizar com ele. Expulso pela comemoração? Já tá no coração. Coração palmeirense é seletivo, mas é imenso! Aqui habita a paixão por uma família que luta, trabalha e se orgulha de correr pelo certo, com seus erros e acertos, somos humanos e acima de tudo PALMEIRENSES!

BORA BRASILEIRO PALMEIRAS!!!! BORA LOTAR O ALLIANZ GERAL!!!! BORA FAZER FESTA E VENCER O QUE INTERESSA!!!! PALMEIRAS, AO BRASILEIRO, É NÓIS! FAMÍLIA!!!

11 comentários:

  1. Salve Galluzzão!!!

    Honestamente? Estou mais feliz com esse time agora do que quando fomos campeões da Copa do Brasil. rsrsrs

    O meu mal costume como palmeirense nunca foi por títulos, já que aprendi a torcer pelo verdão naquele tempo em que estávamos na fila (jamais esquecerei o grito da galera: "Não é mole não, saí da fila bem em cima do timão!!!"). Sempre fui um mal acostumado por ver o Palmeiras jogar bem e não importava que time fosse enfrentar, olhava o adversário nos olhos mostrando que podia até perder, mas que ali não tinha medo.

    Sempre fomos uma torcida diferente e hoje fico feliz de constatar que evoluímos muito, não só o time, mas a torcida também. Hoje, com erros e acertos, podemos festejar por torcermos por uma equipe que reflete nossos anseios de um Brasil melhor.

    Abraço à família alviverde!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve Claudjones! Fratello, bem sabes que somos da geração Merthiolate que dói. Legítimos "Filhos da Fila", aqueles que cresceram ouvindo histórias idílicas, de vitórias que um dia, ah um dia... voltariam. E voltaram! Posso estar errado, mas acho que naquele 12 de junho de 1993 estávamos no mesmo lugar e fomos depois para a mesma avenida, ou não?! É nóis fratello! Pelas cores PELOS VALORES dessa família maravilhosa que herda a herança gigante de seus antepassados que vieram, viram e conquistaram. Abraço!!!

      Excluir
    2. Eu não fui ao jogo, assisti pela TV, pois nunca me senti muito a vontade em ir em clássicos rsrsrs Mas se não estava lá em corpo, em alma com certeza estava. Que jogo foi aquele?!?!

      Excluir
    3. Foi o jogo da minha vida, fratello... abs.

      Excluir
  2. Salve Galluzzi!!!

    Só quero assinar em baixo de suas palavras e reforçar o orgulho de ser PALMEIRENSE, estava assistindo o jogo ao lado de 2 santistas, que já estavam ficando arrogantes no decorrer do jogo, quando a torcida do Santos começou a gritar eliminados eu disse:
    - Nós vamos empatar essa "$%$$#@#$", foi muito épico em seguida o time faz 2 gols, a galera santista ficou sem cor, assutada.
    Uma coisa é certa quando mexem com nosso brio a resposta é imediata.
    Lembro do porquinho que o Viola imitou na final de 93...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toda cor que lhes faltou estava em nossos corações Vanessa!!! E digo mais, não retornou não, pq os pênaltis foram entregues de bandeja e a carimbada foi alvi-verde. Brio. Inteligência. Coragem. E uma sólida defesa. Assim se ganha um campeonato. Ao Brasileiro!!! Bacio, ragazza!

      Excluir
  3. Fala parceiro Galluzzi, cara nao me interprete mal, mas depois de ter feito 2 gols em 2 min, sinto que podíamos mais, se o time tivesse entrado mais ligado. Perdemos muitas bolas no meio campo, aquela bola que o jogador caminha com ela devagar olhando onde vai tocar e de repente vem um por tras e rouba sem ninguem gritar "ladrão", foram umas 5 desse tipo no meio do campo nos pes do Mateus salles e do Egidio. Outra coisa entrar com Roger Guedes de cara foi uma vacilada né? O cara tem potencial mas nao conhece o estilo da equipe nao conhece ninguém ainda, e outra faz um levantamento nao muito longe, Barrios e Rafael Marques bantendo penalti????? erarão contra inter contra o propio santos, esses caras ja tinham historico de errar penaltis, tremenda vacilada. Por isso estou um pouco angustiado, se tivesse entrado mais ligado no jogo escorregasse menos(pqp nos 2 gols jogadores nossos escorregaram na marcação), nos estavamos na final. Abraco amigo.

    ResponderExcluir
  4. Galluzzi, Gosto do CUCA, mas essa troca me assustou, tomara, torço e rezo para eu estar errado, vamos dar um voto de confianca para ele. Avanti Palestra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou me meter aqui, pois depois de ver a notícia, pensei em fazer a mesma coisa rsrsrs. Fiquei meio cabreiro com essas trocas... o Robinho, na minha opinião, não é um jogador regular, tem lampejos durante os jogos. O Lucas até o ano passado vinha jogando muito bem, não sei o que aconteceu (essa troca talvez explique alguma coisa...), não seria o caso de recupera-lo???

      Abraços

      Excluir
    2. Amigo, penso igual a vc, Robinho e fraco fisicamente isso interfere diretamente no seu rendimento tecnico, e o Lucas estava bem ate o meio do campeonato, pra quem vem tolerando Egidio, podia dar tempo ao Lucas, sinto cheiro de problema de relacionamento.

      Excluir
    3. Eu quero Tchu.... eu quero Tcha... eu quero ver o TcheTche jogar!!!

      Excluir