terça-feira, 21 de junho de 2016

Não dá dessas, Cafú!

Pô, o cara sempre foi um excelente jogador, grande parça, gente fina pacas. Mas dá uma declaração que deixa evidente como os clubes hoje não valem NADA, e que torcedor só serve mesmo pra pagar toda festança e calar a boca assistindo suas principais revelações sendo tungadas pro exterior, PRECOCEMENTE, algo do qual não podemos fazer nada além de sentar e chorar.

Pô, ninguém vê o lado do torcedor que é quem paga toda essa conta!!! Futebol agora só existe pra fazer jogador e empresários MILIONÁRIOS e qualquer coisa fora disso é a mais pura ilusão! Amigos, fratellada do coração... ESQUEÇAM O CLUBE. Não torcemos para um clube, mas sim para uma GÔNDOLA DE SUPERMERCADO a qual abastecemos mensalmente com nosso dindim.

Pô, vá se lascar: HEI BARCELONA, VÁ TOMAR NO OLHO DO FIOFÓ!!!! Barcelona, Manchester, PSG, Real Madrid e a PQP!!! Cazzo, não tem 1 sacripanta pra defender os clubes e dizer que “tudo bem, sabemos que o mercado é inexorável e leva mesmo (ganhar em euro até São Francisco quer), mas que é uma tremenda sacanagem com a torcida, sem dúvida!

Quando surge oportunidade, vai. Não dá pra esperar. Mas é aviltante, revoltante, nauseante ver nossas jovens promessas serem vendidas assim, de forma precoce. Vamos arrebentar nesse brasileiro, bora Libertas ano que vem! Depois disso você vai!!! É pedir muito? 1 ano a mais é pedir muito? Cazzo, assim não se forma ídolo, não se forma craque, não se forma porcaria nenhuma!


Há tempos que digo e repito: a transformação do futebol num mero produto tira toda sua alma, que acaba sendo infladada de forma artificial por campanhas de marketing “sabonete”, com a mesma cara pra todos. Ainda que se pese a inevitabilidade do processo, não pode ser exaltado – como vem sendo – como objetivo final do processo. Nunca esqueçamos. O Marcos só se tornou ídolo após “recusar” uma proposta européia e acompanhar o Palmeiras, mesmo na série B. Assim se faz a alma de um time.

2 comentários:

  1. Bom dia amigo Galluzzi, Nao sei se vc vai me entender mas concordo e descordo ao mesmo tempo, seria um sonho "TER" a condição de manter as jovens promessas, mas vivemos em uma outra realidade, como torcedor apaixonado que sou, vejo com bons olhos a venda do garoto, o que não pode, e ser esporádico o surgimento de joias como Gabriel Jesus, essa base tem que dar mais... tem estrutura para isso, é um pensamento muito pequeno pensar so nele como o salvador, tem que vim mais por ai, tem ser natural esse surgimento de grandes promessas no Plameiras, estamos com esse sentimento sobre os clubes europeus pq nao aparece um jogador desse nivel a anos em nossa base. Essa e minha opiniao sobre o assunto. OBS: some com o Barrios do elenco, é bom sim mas ta virando segundo Valdivia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo Mineiro, sem dúvida se trata de uma realidade inexorável. Mas me diga, onde ficamos nós, torcedores, no meio desse mercado de pulgas? Não dá pra formar joias a cada ano... um Jesus aparece a cada 10 anos, ou estou errado? Sei que a base "deveria dar mais", mas a prática é diferente. Como vc disse, somos torcedores apaixonados, mas essa paixão é pelo time não por jogadores específicos... pra termos um ídolo é necessário pensar com a paixão, não apenas a razão. Aí eu cito palavras de São Marcos:

      "Com 16 anos aqui, não consigo ser só profissional. Nunca fiz média com ninguém. Se a torcida gosta de mim, foi pelas coisas que conquistei. Foi por ter quebrado a clavícula ao me jogar na bola numa dividida. Foi por ter deixado de lado uma proposta de 45 milhões do Arsenal para ficar aqui e jogar a Série B. Nesse momento eu deixei de agir só com a razão. Às vezes, faço as coisas com o coração, como um verdadeiro torcedor. Eu gosto demais do Palmeiras e só faço as coisas para ajudar. Mas sei que isso às vezes atrapalha."

      Concordo que a saída seja inevitável. Só digo que ela deveria ser menos precoce, ainda mais para jogadores com menos de 21 anos. Pode ser bom pro jogador, mas é uma lástima pros clubes nacionais, que não tem a menor condição de competir com o poderio financeiro do dólar ou euro. Valeu!

      Excluir