quarta-feira, 13 de julho de 2016

Sem meio-campo não se vence clássico

Consideremos: campeonato brasileiro é praticamente um clássico seguido de outro. E clássico não se vence sem meio-campo. Posição que nos representava uma grande lacuna, foi equacionada pelo esquema do Cuca. Só que ontem não.

Pela contusão que o Moisés havia sentido no jogo passado, sua presença no time titular foi até surpresa. Surpresa que se mostrou, infelizmente, procedente, haja vista seu desabamento em campo com pouco tempo de partida.

Para isso temos Cleiton Xavier. Mas não, o Cleiton não entrou. Apesar dos esforços do Tche Tche, que joga por dois, ficamos sem meio campo. Dudu não estava em noite inspirada, parecia sentir falta de seus parças.

E tanto Erik quanto Barrios, simplesmente não mostraram capacidade de estar ali. Ambos perdidos, pior ainda o Barrios que tem uma movimentação bem limitada. É assim que quer pedir titularidade? Difícil hein...


Nesse jogo de ontem tanto Zé Roberto quanto Jean (que jogaram bem) poderiam capitanear o meio campo. Mas com 2 substituições por contusão, ficamos limitados de possibilidades e travados num modorrento empate, indigno dos 40.035 palmeirenses que compareceram ao Allianz pra celebrar seu recorde de público.

Teremos uma sequência forte pela frente mas o campeonato é longo. Quem puder jogar que jogue. Mas puder que se cure! Num Departamento Médico que não consegue convencer da eficiência. Mas futebol é assim, e nossa paixão nunca será diferente. VAMOS PALMEIRAS!!!!!

7 comentários:

  1. Fala amigo, vc enxergou a mesma coisa que eu, meio campo ausente, as bolas lancadas, espirradas para o meio eram todas do Santos, eu nao entendi a do Cuca, da um desconto pq ele perdeu 2 jogadores com contusao, com isso ele ficou de maos atadas, ate por isso acho que o empate nao foi de tudo ruim, mas deu para tirar uma conclusao simples, com Barrios nao dá né. O time foi construído para jogar em velocidade e o Barrios nao tem isso, nao consegue acompanhar, p Erick tambem vo te falar em nao acertou 2 passes no jogo. Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato Mineiro... aí vc vai ver quanto custou um "Erik" ou um "Barrios" e desacredita! Passa até a entender o pensamento de um Mustafá... futebol é ingrato e os clubes arcam com valores nababescos para um retorno medíocre. E pior, esse ônus é considerado "má administração do clube"... a vida, como ela é. Abs!

      Excluir
  2. Galluzzi, perfeita sua analise, penso igual. Ontem o Cuca errou na escalação inicial com Moises que ficou nítido que não estava 100% fisicamente. Mas poderia corrigir com a entrada do CX, não fez e chamou os dois volantes do Santos que sabem jogar para dentro do nosso campo, pois o Arouca alem de estar sem ritmo, é volante e não meia. Jogamos toda a partida com três volantes. Por outro lado deixou o Dudu sozinho na armação, o que é pouco até porque ele não é armador, até funciona com outro a seu lado, mas não num clássico como ontem. E errou também na ultima substituição onde poderia corrigir com a entrada do CX no lugar do Erick e adiantar o Dudu, ou mesmo no lugar do Barrios e deixar o Dudu e o Erick em cima da lenta zaga do Santos. Agora para o proximo jogo tem que dar uma folga ao Tche Tche assim como fez com o Dudu na rodada passada, pois ele pode estourar a qualquer momento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vero... o Tche Tche está correndo por dois. E o Cuca errou ao ouvir esse departamento sádico que nós temos... sim, porque médico alí não é possível... ô dureza! Abs!

      Excluir
  3. Galluzzi, O Erick pode ser um jogador perigoso no ataque, mas percebe-se que tem deficiências que vem da base como passe e finalização. O Matheus Salles pode ser um ótimo meio campo, mas também tem deficiências técnicas no passe e principalmente em finalizações.
    Penso que haja uma necessidade de em determinados jogadores que ainda são jovens, e em até nos outros também, fazer um treinamentos específicos com passe, chutes, cabeceio para aprimorar mais estes jogadores. Fica nítido a falta de técnica e erros básicos que podem ser corrigidos, e que com a falta de tempo só o técnico não consegue suprir. Talvez teria que ter alguém para complementar isso no elenco.
    Em jogos como o de ontem, surgem uma ou duas chances durante todo o jogo, é fundamental não desperdiça-las, e o fazem por erros básicos. Não é só treinamento tático, preparação física e mental. Falta, e não é só no Palmeiras, mas em todo futebol brasileiro treinamentos técnicos que parece que não são dados na base.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro fratello PG. Após muito meditar, cheguei a conclusão que O BRASIL tem deficiências que vem da base. Então o Erik tá na média... rs. Falta-nos inteligência emocional e competência funcional... é o legado tupiniquim pro futuro da humanidade. Caipirinha e pão de queijo. Abs!

      Excluir
  4. Olá Galluzzi! Não assisti ao jogo de ontem, mas pelo que estou vendo, essas frequentes lesões de nossos jogadores podem tirar o título do Verdão, pois não temos peças de reposição a altura dos titulares que possa suprir a ausência dos mesmos. Veja o Erik, que ontem teve a chance de mostrar seu futebol e fazer valer sua contratação, parece que sentiu o peso da camisa. O Barrios mais uma vez mostrou que não merece sua titularidade tão almejada. Preferia o Cristaldo que ganhava bem menos e tinha mais velocidade. Ainda por cima tem a CBF com seu exército de árbitros armados até os dentes afim de derrubar o Verdão. Espero que o Cuca consiga contornar esses problemas no elenco e que São Genaro possa nos defender dessa nefasta entidade maligna chamada CBF.

    ResponderExcluir