segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Doce ilusão de carnaval

E ai fratellada, curtindo o skindô lelê? Além da descontração geral, bom do carnaval é mostrar que o mundão é pura ilusão. É ilusão mesmo, tal qual no mito da caverna de Platão. O mundo que a gente vê “oficializado” é feito na verdade por outras mãos, e outros caminhos, que muitas vezes desconhecemos.

No nosso caso, conhecemos bem. Segundo palavras do nosso diretor de futebol Alexandre Mattos, à Revista Palmeiras (edição29 – fevereiro2017) sobre o Centro de Excelência recém-inaugurado na Academia de Fuebol, um prédio com as mais modernas instalações para concentração, treino e recuperação física do mundo: “Parabenizo ao ex-presidente Paulo Nobre, que deu esse presente ao clube e bancou a obra quase inteira com recursos próprios”.

Pois bem, e agora que o Centro está pronto e funcionando, fizeram questão de colocar um nome no dito cujo (que pra mim já era Centro de Excelência da Academia de Futebol e pronto). E quem mais que poderia ser homenajeado se não.... a CREFISA!

E é isso aí pessoal. Dessa forma o Palmeiras não apenas demontra uma INGRATIDÃO ATROZ, como também parece querer recontar a história, atribuindo louros aos vencedores errrados. Não tenho nada contra a CREFISA. Mas é uma empresa INVESTIDORA, que lucra diretamente com a exposição que tem com o Palmeiras, justificando assim seu patrocínio.

Outra coisa é DOAR sem esperar nada em troca, isso sim, algo que pouquíssimos fazem. O problema é que o Paulo Nobre só pensou numa coisa enquanto geria o clube: PALMEIRAS. Todos os outros interesses particulares (fosse de diretores ou de organizados) foram colocados em segundo plano em detrimento de um único foco principal. O futebol do Palmeiras. E do ponto de vista (puro) do torcedor, nada melhor!!!

Acontece que essa magnífica capacidade e coragem de bater de frente com caciques e estruturas antigas e bem fundamentadas rende desafetos. Que querem o Palmeiras vencedor. Mas que não aceitam seus privilégios tolhidos.

Então é isso que vemos hoje. Muito mais afeito a “acordos e entendimentos” do que seu antecessor, o Galiotte se coloca fácil como marionete dessa antiga cúpula e as evidências já ficam claras. Como isso se dará no futuro não podemos dizer. Mas que representa – no mínimo – um passo atrás na aceitação de interesses particulares à frente do Palmeiras, isso representa.

Pra mim não importa o nome da empresa que lucra em cima do empreendimento. Mas a coragem de quem coloca sua paixão acima do dinheiro. Como um Capitão Adalberto Mendes guiando o recém-nascido Palmeiras aos vitoriosos gramados. Ou um Paulo de Almeida Nobre, que reconduziu o clube ao patamar de onde havia sido vaxatóriamente arrancado. Esses, a história jamais poderá esquecer.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Jogador a mais. Vontade a menos

O Palmeiras não tem nada com isso se o árbitro expulsou jogador errado. Só tinha que fazer seu papel e vencer a partida. Mas não... ficou com vergonha de ganhar. Aí perdeu.

Clássico não se pode jogar dessa forma , tem que ter ímpeto e raça, muita raça. Se a pegada com o Batista for essa, pode se mandar porque não vai longe não.

Observação tática: se o Batista for mesmo tentar preservar o esquema criado pelo Cuca com apenas 1 volante de origem (Melo) é fundamental que oriente um jogador do meio pra auxiliar nessa marcação, coisa que o Moisés fazia muito bem e o Michel Bastos ainda não enxergou.

Vou repetir: se nosso “segundo volante” não marcar ou não recuar pra buscar a bola e dar-lhe saída, voltaremos à base do chutão. Nunca pensei que fosse sentir tanta falta de uma dupla de volante.

Com todo respeito a experiência do Felipe Melo, pqp.... o cidadão abriu um terceiro olho na testa por pura cagada! Porra meu filho, faz favor de jogar direito aí cazzo!


Olha pessoal, é bom eu parar por aqui porque o borbulhar do sangue já me turva a visão. Batista, agora você vai sentir na pele o que é um clássico. Perder dessa forma gera uma enxurrada de críticas, reclamações e descontentamento. Liga pro papai e talvez ele saiba o que fazer. Ou não...

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Moisés, 10.

Todos sabem que uma das posições mais difíceis de se encontrar hoje em dia é um camisa 10. Quando o Moisés aqui chegou, como tantos outros dos quais nunca havia ouvido o nome, não achei que fosse vingar não. Sorridente demais, não condizia com aquela imagem cascuda/ malandra que nos habituamos a ver nos jogadores.

Pois o Moisés chegou como meia e foi recuado pra segundo volante. Não é fácil encontrar meia que se disponha a marcar. Mas assim foi, numa das maiores mudanças táticas a que o Palmeiras se propôs em vários anos. Assim jogamos com um líbero (Tchetchê) e um meia recuado, que as vezes fazia até mesmo a função de contenção! Assim jogamos e assim fomos campeões. Eneacampeões.

Embora os maiores holofotes da temporada passada tenham recaído sobre o Jesus, ao analisarmos a campanha veremos que foi nessa base de volância que nosso time sustentou seu esquema de jogo. Quando alguém lembrar do time de 2016, lembrará de Cuca e Jesus. Mas saberá que a cozinha mesmo era feita pela defesa, iniciada na dupla acima citada.

Dessa forma Moisés conquistou 3 dos troféus mais difíceis do mundo do futebol. O primeiro, de Campeão Brasileiro. O segundo, a camisa 10 do esquadrão alvi-verde, que lhe foi entregue ainda na pre-temporada, de forma criativa e emocionante. E o terceiro, mais importante e definitivo: o coração da torcida palmeirense. Esse é pra poucos, pouquíssimos.

Assim fizeste Moisés. Mas a história não acabou! Pode ir se preparando aí bonitão... hoje a recuperação física vive seus dias de excelência, renovada que está por novos e melhores procedimentos, suplementos e equipamentos que consolidam o tratamento como nunca antes!

Na volta, não terás apenas melhor condição. Mas sim um fortíssimo grupo te esperando pra que volte a assumir honrosamente, sua função.  E uma torcida ensandecida de emoção. Assim será.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Bateu em campo, apanhou no placar

Sempre tive enorme carinho pelo Paulistão. Há 20 anos ainda era “o” campeonato, haja vista sua tradição de décadas e décadas, contra a “juventude” dos nacionais e continentais.

Passou o tempo e o mundo mudou. Hoje o regional mais disputado do mundo ainda continua com os mesmos grandes sendo campeões mas não passa de uma pré-temporada de luxo que, via de regra mais prejudica do que ajuda.

O que vimos ontem em Lins, além do banho de futebol que o time da casa levou de um Palmeiras que passeava em campo, foi um CRIME. O mesmo jogador que havia tirado por 2 meses dos campos no ano passado, entrou novamente sem dó no joelho do Moisés, causando uma lesão que deve afastá-lo por pelo menos 6 meses!!! 2 rompimentos de ligamento...

Esse infeliz, desgraçado, perna de pau, safado sem vergonha que arrebentou nosso jogador deveria ficar PELO MENOS o mesmo tempo que o Moisés ficar de fora, LAVANDO NOSSAS CUECAS. Não basta ficar sem jogar, esse sacripanta deveria tomar uma lição pra saber que FUTEBOL não é sua praia. Vá pra PQP, Linense que só entrou em campo pra bater.

Bateu em campo. Apanhou no placar.

Pois de hoje em diante esse time ganhou seu terror. Toda vez que os enfrentarmos terei motivação EXTRA pra os ATROPELARMOS em campo, sem o menor dó. 4X0 é só pra começar.

Fora as botinadas do enxadão de Lins o Palmeiras mostra que deveríamos mesmo ter sido mais paciente antes de iniciar vaias precoces. Futebol é assim mesmo, leva tempo pra engrenar, entrosar e achar o jogo. E estamos longe do ideal.

Mesmo assim, o que estamos vendo é de encher os olhos. O que Dudu faz é de chorar... joga com uma consciência absurda e não cansa de colocar companheiros na cara do gol. Michel Bastos, Raphael Veiga e até mesmo Barrios sentem-se a vontade nesse esquema.

Ainda sonolentos pelo início de temporada, vamos ao primeiro clássico do ano despreocupados, torcendo apenas pra que o adversário não “apele” ao anti-futebol como fez o Linense. Aqui o resultado importa menos do que a postura que a equipe terá em campo. O temporada está em seu início e dela tirará o melhor proveiro quem souber observar e corrigir as falhas no caminho. Isso é o que vale agora.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Esporte não é novela!!!

Não sou chapa branca e desço a lenha no que precisa ser feito. Mas se há algo que tolero ainda menos é a CORNETICE, esse criticismo precoce com o qual a ala amendoim da torcida tanto se deleita.

AQUI É ANTI-CORNETA!!!!! Vai cornetar? Vá pra outro lugar.

Que fique bem claro aos incautos: critías SÃO VÁLIDAS. O que não tem cabimento é esperar um futebol bonito no primeiro mês da temporada!!!

Digo e repetirei pela última vez: os anseios da audiência são infantis, a imprensa amplifica essa infantilidade a ponto de se tornar uma ESQUIZOFRENIA. Estávamos VAIANDO o time no terceiro jogo da temporada!! A cara fechada do Dudu na hora do gol foi pros CORNETAS esquizofrênicos: de futebol vocês não sabem NADA e sim de novela. A entrevista do Felipe Melo foi ainda melhor, deixando claro de onde vem essa pressão precoce.

Aí você abre a internet e está lá na manchete: vitória “alivia pressão” no Baptista.” Olha lá!!! É a isso que me refiro! Pressão no primeiro mês da temporada é a mais pura novela pra vender manchete!

Se o Baptista vai ficar ou não, se vai aguentar o tranco da Libertadores, são outros 500. Fato é que não podemos ser CRIANÇAS MIMADAS que esperam espetáculo a cada partida. Não é assim que o futebol (nem o esporte no geral) funciona.

EU QUERO TÍTULO. Quero gritar É CAMPEÃO de novo. E pra isso tenho certeza que o caminho mais certo é tendo BOM SENSO e tranquilidade pra que equipe encontre, naturalmente e não na base da pressão, seu melhor futebol. Não gostou? Vá assistir novela ou Big Brother e deixe o futebol pra quem entende, gosta e quer vencer a GUERRA não apenas uma batalha.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Usando o Paulistão pra Libertadores

Ontem, após a derrota por 1x0 pro Ituano, nosso guerreiro Dudu pediu paciência à torcida. Triste. Jogador de tal envergadura nem deveria precisar vir a público pedir algo tão óbvio. Dá até vergonha da mentalidade infantil que nos assola.

O negócio é o seguinte: o futebol simplesmente não é o que nós imaginamos. Um quadro impossível nos é pintado e nós, patos que somos, caímos na conversa. Esqueçam ganhar “todos os campeonatos que disputamos”, discurso padrão em toda pré-temporada de time grande.

Nem paciência, mas um simples bom senso já nos
ajudará bastante a encontrar o melhor esquema
de jogo com mais tranquilidade.
Campeonatos são produtos que devem ser valorizados, por isso esse discurso. Falassem a VERDADE, esse produto se desvalorizaria. Por isso vivemos essa MENTIRA.

O Campeonato Paulista é o regional mais difícil do mundo e via de regra só queima o filme de time grande pois, se é vencido, foi obrigação. Senão (vice ou qqer outra posição), é motivo pra queda de treinador. Fato.

A forma correta de encararmos um início de temporada (2 a 3 meses) é com muito menos expectativa e muito mais paciência do que num meio ou quarto final dela quando, aí sim o time terá que desempenhar 100% de seu potencial. Fato que ignoramos para cairmos na cornetice da crítica prematura.

“Ah não interessa, investimentos foram feitos e devem apresentar resultado agora”. Ok, ignoremos a vida como ela é e passemos a exigir algo infactível. É uma opção. Mas não trará os melhores frutos e sim uma baita azia.

Nessa fase que o Palmeiras está, o ideal é ter LIBERDADE pra testar, testar e testar. Tranquilidade pra ERRAR e aí sim poder encontrar o melhor time e esquema (ainda com suas variações perante diferentes adversários). Sem essa liberdade, com MEDO de ERRAR, o time é montado na pressão, sem os testes que poderiam levar à melhor opção.

DANE-SE O PAULISTA!!! Temos é que usá-lo pra encontrar nosso melhor time PRA LIBERTADORES, isso sim!

Sinceramente, acho a tarefa do Baptista DIFICÍLIMA. Técnico sem currículo com elenco de alto investimento derrete rápido. Mas lógico, desejo-lhe um ambiente que lhe permita desenvolver seu trabalho da melhor forma possível! E para isso, nem paciência deveria ser necessário, apenas um mínimo de bom senso.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Já pedem a cabeça do Baptista!

Ok, já tem gente pedindo a cabeça do Baptista. Apostas sobre quantas partidas conseguirá, a frente do Palmeiras. Elenco recheado com treinador de pouco currículo dá nisso.

Acho que o Palmeiras errou em não manter Alberto Valentim + Cuquinha. Vai agora pagar o preço de ter trazido um treinador com tão poucas conquistas.

Com todo respeito, cogitar a volta do Cuca é pior do que ir atrás da ex-namorada depois de levar um fora. Nos expõe ao ridículo. Ele tem seu tempo, não adianta ir bater na janela.

Tampouco adianta reclamar. Temos sim que esperar um pouco pra ver o que o treinador atual é capaz. O time esboça um esquema diferente e precisará de vitórias e derrotas pra se ajustar. Tenhamos um pouco de paciência!

O Guerra estreou bem, a defesa também foi – apesar do gol sofrido – bem compacta. Mas estejamos preparados: time algum conquista campeonato sem antes passar por fortes tempestades. São elas que preparam o time à vitória. Não temamos as tempestades. Preparemo-nos para elas atravessar e delas sairmos vitoriosos. PALMEIRAS!!!!!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

To Borja or not to Borja

Borja, já viraste novela midiática. Do que adianta querer aqui jogar e o valor do passe não baixar? Facilita aí Medellin!

O problema é que todo jogador que chega sob muito holofote acaba é queimando o filme sob a luz de expectativas exageradas. É aí que entra o trabalho da Diretoria de Futebol, que “vende” o projeto vitorioso e torna os atletas ávidos pela conquista, além da conta bancária.

Convenhamos, deve ser dificílimo manter os pés no chão quando se é tão bajulado, incensado, exaltado. O jogador se sente a última bolacha do universo, sem dúvida.

E aí Borja, pronto pra ser Campeão... de novo?!
Hoje é muito mais importante o trabalho dos diretores de futebol (e mesmo presidência), que correm pra contratar, motivar e pagar. Sem esse trabalho feito de forma exímia, todo e qualquer time sucumbe às vaidades e interesses pessoais.Uma realidade que nos vitimou tantas e tantas vezes.

A verdade é que do futebol temos pouca noção. São os bastidores que determinam os acontecimentos. E dos bastidores, nada sabemos. A motivação do elenco, a forma como cada jogador se empenha de forma sincera, é algo suscetível às mais variadas ocorrências.

Técnico, comissão, diretoria e presidência, além de pagar em dia, tem que “sambar” pra manter o grupo motivado, unido e coeso. Lidar com descontentamentos gerais, haja vista 30 jogadores pra 11 vagas, só pra começar. Esse é na verdade o MAIOR adversário de um time que tenha um bom elenco e se pretenda campeão. Esse é o nosso desafio.

Por isso, mais importante do que a vinda do Borja é termos um elenco coeso, focado, motivado e determinado a ser campeão! Talento é sempre bem vindo, mas que junto não atrapalhe a UNIÃO, esse sim nosso ELO mais forte.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

O jogo e as palavras

Estreamos com vitória no Paulistão, mas não foi lá aquela apresentação. Ok, o time evolui ao longo da temporada. Serão muitas rodadas até encontrar a escalação ideal.

Mas do resultado de 1x0, mais importante do que o gol feito foi o gol não sofrido. A equipe do Botafogo atacou o quanto pode e bem defendemos. Dracena, Victor Hugo e mesmo o Melo 220v souberam conter o ímpeto da equipe de Ribeirão.

Tchetche, que saiu machucado, mais uma vez capitaneou ações no meio campo, auxiliando bastante o Dudu, sem falar em sua arma secreta que nos deu a vitória, o chute de fora da área. Melhor em campo.

Vemos também um Roger Guedes com muita disposição, sabe que esse ano tem que virar.... no restante, tudo correto, ressaltando nossas laterais bem tocadas com Jean e Zé. Mas foi por alí que vieram alguns jogadas perigosas. As laterais... sempre as laterais. Carece de ajuste na cobertura.

No restante, bom ver o Prass em forma e impactante ver o Melo em campo... serei sincero: por um lado, excelente a personalidade e entrega, algo que o palmeirense muito aprecia. 

Mas, sabendo destas características, teremos adversários que saberão explorá-la com provocações diversas simplesmente para tirá-lo de campo. Jornalistas já devem estar apostando sobre quantas partidas levará até que receba um cartão vermelho.

Ao Melo, digo: personalidade sim amigo, mas tenha sabedoria.... e recomendo: meia hora de prosa com nosso São Marcos, pra ver que rir, as vezes é o melhor remédio. Vamos que vamos, PALMEIRAS!