quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

To Borja or not to Borja

Borja, já viraste novela midiática. Do que adianta querer aqui jogar e o valor do passe não baixar? Facilita aí Medellin!

O problema é que todo jogador que chega sob muito holofote acaba é queimando o filme sob a luz de expectativas exageradas. É aí que entra o trabalho da Diretoria de Futebol, que “vende” o projeto vitorioso e torna os atletas ávidos pela conquista, além da conta bancária.

Convenhamos, deve ser dificílimo manter os pés no chão quando se é tão bajulado, incensado, exaltado. O jogador se sente a última bolacha do universo, sem dúvida.

E aí Borja, pronto pra ser Campeão... de novo?!
Hoje é muito mais importante o trabalho dos diretores de futebol (e mesmo presidência), que correm pra contratar, motivar e pagar. Sem esse trabalho feito de forma exímia, todo e qualquer time sucumbe às vaidades e interesses pessoais.Uma realidade que nos vitimou tantas e tantas vezes.

A verdade é que do futebol temos pouca noção. São os bastidores que determinam os acontecimentos. E dos bastidores, nada sabemos. A motivação do elenco, a forma como cada jogador se empenha de forma sincera, é algo suscetível às mais variadas ocorrências.

Técnico, comissão, diretoria e presidência, além de pagar em dia, tem que “sambar” pra manter o grupo motivado, unido e coeso. Lidar com descontentamentos gerais, haja vista 30 jogadores pra 11 vagas, só pra começar. Esse é na verdade o MAIOR adversário de um time que tenha um bom elenco e se pretenda campeão. Esse é o nosso desafio.

Por isso, mais importante do que a vinda do Borja é termos um elenco coeso, focado, motivado e determinado a ser campeão! Talento é sempre bem vindo, mas que junto não atrapalhe a UNIÃO, esse sim nosso ELO mais forte.

8 comentários:

  1. Salve Robertão! Salve galera!

    Embora tenhamos dinheiro para aprontar algumas peripécias, ainda gosto mais da antiga filosofia de manter as contas relativamente baixas, além de salários por produtividade. Estamos badalados mas não podemos deixar nos levar e trabalharmos no limite como sempre fizemos. Espero que a sanidade econômica do clube, com investimentos, se necessário, sempre esteja em primeiro lugar.
    Espero que este tipo de esforço pelo Borja, como li nas entrelinhas do que você disse, não crie qualquer problema de ego no elenco também.

    Abraço a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claudjones, devo confessar que sou um traumatizado. Lembra o episódio da vinda do Vagner Love em 2009? Então, é àquilo que me refiro. Mas na epoca o que pegou foi atraso de salário. Contratar medalhão e atrasar no salário da equipe é atirar no pé. Mas não se trata do caso atual, então é esperar pra ver... e torcer! Abs.

      Excluir
  2. E aí Galluzzi, blz? Pelo que li o Borja vem como "presente" (espero que não de grego) da CREFISA, quanto ao salário espero que o Mattos mantenha a politica de não extrapolar o teto para não gerar conflito, agora o que tem que ser evitado a qualquer custo é o tipo de declaração que o Alecsandro fez é dar munição pra mídia e começar a rachar o grupo, se acha que não vale apena apostar no cara, que fique com essa opinião internamente e discuta isso com o técnico e com deve e não vir a publico, passa a impressão que o grupo não é fechado com a diretoria, isso sim acho que pode fazer com que a "maionese" desande e o fantasma de 2009 volte a baila, mas como você disse vamos torcer para que tudo de certo. Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Denílson, mas o Alecsandro já voltou atrás. Aliás, vir a público desmentir a impressão pela forma como a notícia é divulgada não é raro. Mas o bom é ver o Mattos mais uma vez, mitando. Definitivamente, é nosso melhor jogador fora de campo. Abs!!!

      Excluir

      Excluir
  3. A todos um ótimo dia!

    Galluzzi e quem mais quiser contribuir, queria saber sobre uma opinião sua, a respeito da intolerância pra tudo, que as pessoas andam tendo. Vejo isso no futebol, política, no convívio social ou familiar... Percebo que cada vez menos se admite o erro, por menor que seja e que o erro não é simplesmente inadmissível, mas é rechaçado como a pior coisa que poderia ter sido feita. Tenho a impressão que o politicamente correto se tornou o exemplo de como todos devem se comportar, o que é humanamente impossível.
    Desculpe fugir diretamente do assunto futebol, mas essa questão vem me assombrando nos últimos tempos e percebo que ao invés das pessoas (onde as vezes também me incluo) perceberem a armadilha, vem tornando essa situação cada vez pior.
    Em vez das pessoas se voltarem contra o sistema ou as pessoas que as agride diretamente o tempo todo, elas se voltam entre elas mesmas.

    Desculpe mais uma vez e abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claudjones, não ouse se desculpar. Foste preciso!!! Eu é que agradeço pela bola levantada. Pela formação e profissão vejo diariamente isso acontecendo. E como 45 anos já não é nenhum rolê, percebo mudanças em relação ao que tínhamos antes (sem saudosismo nostálgico).

      Creio que a “intolerância” e o politicamente correto sejam efeitos colaterais diretos da mídia a qual utilizamos. Não me entenda mal, não me coloco “contra” a mídia mas sim contra alguns efeitos colaterais nefastos que ela produz e que, via de regra, são neglicenciados.

      Acontece assim: pra imprensa sobreviver, precisa de credibilidade. Mas também precisa vender! E pra vender (nem considero aqui os interesses diretos), a mídia precisa “salientar”. Torna-se saliente um aspecto pra tornar relevante a matéria. Tipo assim: “meu filho chegou em segundo na corrida!” Uau... só não foi dito que a corrida tinha apenas 2 participantes... ou seja, através da supressão de um simples fator, dá-se uma compreensão completamente diversa à notícia. A isso chamamos “descontextualização”. Descontextualiza-se pra salientar e assim, dar mais relevância à matéria e vender.

      Pois bem, até aí tudo bem. Só que não. Há um efeito colateral dessa descontextualização, que é a compreensão distorcida dos fatos. E o ser humano (assim aprendemos na faculdade) possui uma característica fenomenal de FILTRAR o que ouve e reproduzir apenas o que lhe interessa, ou que conseguiu fixar. E o resultado disso é justamente ao que você se refere. Julgamentos TOSCOS, premeditados, precipitados, fundamentados em bases que não se sustentam por 5min. numa análise minimamente mais aprofundada!

      Pior que isso, fornecendo essa BABA INFORMATIVA que é obrigada a dar, a imprensa/ mídia cria uma geração com capacidade crítica apenas reprodutiva. Ou seja, a mídia atua como uma MÃE que dá a notícia como alimento. Só que cada vez mais o público (filho) demanda SALGADINHO e BOLACHA RECHEADA. E se a mãe oferece algo melhor, a criança birrenta vira a cara. Então tome salgadinho e bolacha prum público cada vez mais pasteurizado e mimetizado.

      Desculpe a verborragia fratello. Mas isso é fato. Nunca se esqueça: jamais avalie uma notícia apenas pelo que você lê. Na maior parte das vezes a verdade está no que não foi escrito. Forte abraço. Obs.: ah, e sim, vamos superar isso, é só a maior revolução em comunicação da história da humanidade desde a invenção da escrita.... rs. Abs!!!

      Excluir
  4. KKKKKKKKK muito bom Robertão!!! Como você disse: "Obs.: ah, e sim, vamos superar isso, é só a maior revolução em comunicação da história da humanidade desde a invenção da escrita.... rs. Abs!!!".

    Eu não sou cientista, mas tento me fundamentar no método científico para ter minhas opiniões. rsrsrs Conforme o tempo, paciência e interesse, procuro pesquisar por um assunto antes de criar a minha opinião, que pode até não ser fundamentada, mas normalmente tem fundamento. rsrsrs

    Obrigado por dividir sua opinião, ficou bem legal!
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E nozes, Claudjones! Torcida que canta, vibra... e pensa! abs!

      Excluir