segunda-feira, 31 de julho de 2017

Os bastidores das 4 linhas

Vencemos o Avaí “terror dos grandes” neste fim de semana, mas a discussão foi bem além das 4 linhas, envolvendo Felipe Melo e a decisão do Cuca em afastá-lo, supostamente por conta de seu comportamento de querer mandar em tudo e todos.

Teria o Felipe Melo contestado publicamente as decisões técnicas do treinador além de bater de frente diretamente com jogadores importantes do elenco. Talvez até tenha alguma razão nisso, mas atraiu tanto descontentamento que ficou isolado. Ou quase, não fosse por um conselheiro barulhento, algo que por nossas bandas não falta.

Nesse imbróglio todo, Cuca e Mattos podem sair fortalecidos com o grupo, o que é excelente pra nós. Embora com certo risco de desgaste dentro do clube, caso haja algum prejuízo financeiro envolvido.

Outra questão é o fato explícito acima citado, da baderna de vestiário. GALIOTTE, BLINDAGEM JÁ!!! Pretst bem atenção: se o Palmeiras não fizer o que fez nos últimos 2 anos para PRESERVAR o ambiente, pra BLINDAR o grupo contra pressões de interesse pessoal, acontecerá o mesmo que nos aconteceu ANTES desses 2 anos: derrotas e vexames.


O futebol hoje é muito complexo. E muito competitivo! Ser campeão é dificílimo, algo que só acontece com uma conjunção de fatores, e entre eles, um grupo que não só entra em campo, mas que veste a camisa. E perder esse esse empenho, essa dedicação, é o mais fácil. Basta deixar que o Departamento de Futebol Profissional seja invadido pela cobrança desmedida que deixa a razão de lado, seja de torcedores ou associados, conselheiros ou diretores.

Nesse momento, todo apoio ao Cuca e ao Alexandre Mattos é pouco.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Voltamos à década de 80

Deixar de torcer é impossível. O amor que sentimos por esse time, por essa instituição que carrega nossos valores, nossa herança cultural, nossa tradição é tanto que nada pode impedir que estejamos sempre presentes.

E é justamente esse amor que nos faz lamentar, pesadamente, o que Palmeiras está passando hoje. Já falei isso num post anterior e vou repetir:

O PALMEIRAS CAMINHA A PASSOS LARGOS À MAIS UMA FILA DE TÍTULOS.

Mas como é que posso falar isso sendo que estamos disputando uma Libertadores e somos os atuais campeões brasileiros? Simples: depois da saída do Paulo Nobre (que com mão de ferro refreava os ímpetos) voltamos a praticar uma forma de administrar o futebol que reprroduz, de forma IDÊNTICA, o que vivemos nos anos 80.

A cada 6 meses, um treinador. A cada derrota, um diretor cobrando o elenco no vestiário, cobrando a OBRIGAÇÃO da vitória pois o investimento feito foi muito grande... etc, etc, etc... e FILA.

Essa PALHAÇADA eu vi pessoalmente nos anos 80. Acontecia direto... o Palmeiras perdia e mandava o treinador embora. O problema não era esse (lógico), o time continuava perdendo e lá ía diretor pro vestiário cobrar jogador. E o que acontrecia em seguida? O time ficava sem comando, desmotivado e pior, recalcado coms as críticas, aí é que parava de jogar mesmo.

Isso não é uma lenda. ISSO ACONTECEU por mais de UMA DÉCADA. Uma década PERDIDA. Uma década que PERDEMOS para nossa própria estupidez, pra nossa própria paixão, pra nossa própria incapacidade de perceber que o futebol não é mais o que era antigamente, nas décadas de 60 e 70.

O futebol hoje EXIGE um nível de profissionalismo que não permite mais essa praxis. Repito, internamente o Palmeiras voltou AOS ANOS 80. Sobrou apenas a estrutura, que temos por conta de alguém que veio e saneou as dívidas impagáveis que criamos. A partir daí atraímos patrocínio e tudo mais. Não fosse o Paulo Nobre já estaríamos noutra fila. E tão INGRATOS quanto poderíamos lhe ser, fomos. O castigo virá aos poucos. E já o estamos sentindo.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

E a defesa voltou a entregar o jogo

O que falar.. fizemos mais um jogo ruim, travado e com pouquíssimas chances de gol e ainda assim estávamos nos classificando, não fosse a defesa fazer aquilo que vinha fazendo em todos os jogos. Deixar o adversário sozinho pra fazer o gol.

Chama a Leila! Ela que já é a nossa presidenta, talvez possa explicar por que um jogador que parecia tão bom na Colômbia, é tão medíocre no Brasil. Porque o grupo não corre junto. Por que o meio de campo custa a funcionar. E por que essa defesa, ao invés de ser aquela “que ninguém passa”, virou a defesa “que é desgraça”.

Faz assim Cuca. Leve o time pra Atibaia... e deixe lá. Deixa lá até o fim da temporada, aí quem sabe o futebol não retorna. Quem sabe o grupo não resolve se unir e finalmente correr junto, enfim se transformar numa equipe.

Fica a lição pra quem achava que “a culpa era do Batista”... agora a Culpa é do Cuca, depois será do próximo treinador, depois do próximo e assim por diante, numa sucessão de erros que nos levam à eterna falência...

Que Atibaia nos salve... ou que a Leila assuma de vez a presidência pra que possamos ter alguém sólido pra culpar.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

E a defesa funcionou!

É lógico que um 0x2 fora de casa se comemora pela vitória. Mas temos dito e aqui repetimos: a vitória começa pela DEFESA e no jogo deste domingo contra o Sport, finalmente conseguimos um jogo sem sofrer gol. Aí vencer fica mesmo mais fácil.

Suspeito que a saída do Tchetchê tenha a ver com isso. Ainda mais a atuação do Bruno Henrique, que saiu de campo como um dos melhores, após o gol num ângulo praticamente impossível e uma assistência primorosa para o segundo.

Essa é a hora de podermos dizer: sim, temos 2 times. Pode até não ser um segundo time inteiro, mas que temos o melhor “banco” do campeonato, não tenho dúvida. Jailsão é titular em qualquer time do Brasil. Luan e Juninho formaram boa zaga. E as laterais com Maike e Egídio conseguiram deter o trânsito livre pelo setor.

Não há problemas em jogar com 3 volantes. Thiago Santos é a contenção, Bruno Henrique no auxílio. Mas o Jean, não sei... ainda prefiro pela direita, mas o Cuca tem buscado de tudo pra resolver nossa carência no meio campo. Principalmente na ausência do Dudu e do Guerra.

Então assim fomos e assim vencemos. O melhor de contar com bons substitutos é poder descansar outros jogadores pra conjugar a correria insana na disputa de 3 campeonatos simultâneos. Após a pedreira em Recife, o time já embarca pra Belo Horizonte, onde enfrentará o Cruzeiro, que vem em momento oposto, após derrota para o Avaí. Com certeza, tentarão “descontar” a derrota com a Copa do Brasil, onde jogam pelo empate até 2 gols.

A reviravolta que assinala a mudança no segundo semestre não acontece da noite pro dia. É a repetição de pequenas vitórias que traz a grande conquista. E assim seguimos fazendo. AVANTI, PALMEIRAS!!!

quinta-feira, 20 de julho de 2017

A tendência é boa, o viés é positivo

Percebe-se a evolução de um time quando um empate fora de casa não é mais tão comemorado, mas deixa aquela sensação de que poderíamos ter vencido.

Sim, poderíamos ter perdido também, não fosse a espetacular defesa do Jailsão “Invicto em Brasileiros” da Massa. Não podemos ser ingratos com o Prass, que é sempre nota 10 e quando abaixa pra 9 já nos causa incômodo... estamos é mal acostumados. Sou totalmente a favor da RENOVAÇÃO do Fernando Prass, inclusive mantendo-o de titular na Libertadores. Mas que o Jaílsão é parça, isso é.

Nosso problema crônico continua sendo a defesa. Luan que chegou pra ser o titular ao lado do Mina fez lambança. Michel Bastos tampouco ajudou pela esquerda. PeloamordeDeus... tragam um lateral esquerdo. Ok, o Mattos disse que seria isso até o fim do ano. Então recontratem o moleque que foi pro Botafogo, que nem deveria ter saído.

Repitirei ad nauseum... time que sofre tantos gols não vence campeonato nenhum. Se não fecharmos a defesa, nossa emoção quanto a temporada ficará restrita e esses momentos de pênalti defendido, muito pouco pra quem inicou a temporada com nossas pretensões.

Vamos deixar claro o seguinte: podemos até abrir mão do brasileiro mas não da CLASSIFICAÇÃO à Libertadores do ano que vem. Ou seja, terminar entre os 4 primeiros é imprescindível. Que seja bem lembrado.

Cuca partirá à sua sequência de jogos sem treino, a qual pretende interromper com uma saudável visita à Atibaia, enquanto um time alternativo joga por 2 rodadas. Exccelente. Quem é que pode fazer isso em pleno campeonato? Devemos usar as “armas” que temos aa mão que no caso é um elenco recheado.

A tendência é boa, o viés é positivo. O time voltando a ter um pouco de paz, que após o talento e dedicação talvez seja o ingrediente mais importante ao sucesso. Com apoio geral, a vitória será natural.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Enfim, começa a temporada!

Tenho a impressão de que agora, finalmente, o time parece estar acordando pra temporada. Creio que a coletiva do Mattos possa ter algo a ver com isso. O Palmeiras sempre precisou de uma “mão forte” no comando de seu futebol e na falta disso, tudo descamba.

Acontece que nesta coletiva o Mattos disse o que deveria dizer, chamou a responsabilidade e pôs os pés daqueles que pregavam a “obrigação” de vencer, em seu devido lugar. E e quebra lascou que não haverá mais reforço e o time será esse até o fim da temporada. O elenco ouviu, entendeu e assimilou.

Jogamos bem? Talvez não como gostaríamos. Mas valeu pela superação, ter vencido de virada e o mais importante, ter dado um TAPA NA CARA dos pseudo jornalistas (torcedores enrustidos) que apostaram no esvaziamento do Allianz Parque devido a resultados não esperados.

Por isso dizemos: CHUUUUUPA IMPREN$INHA!!!!!! AQUI É PALMEIRAS, E VOCÊS JAMAIS SABERÃO!! São os mesmos imbecis que vivem a repetir que o INVESTIMENTO que o Palmeiras fez traz a obrigação de vencer, na tentativa de DESMOTIVAR o elenco propositalmente. Quem tem obrigação, não tem motivação.

O Palmeiras não tem OBRIGAÇÃO de vencer. O ESPORTE não funciona assim, jamais podemos menosprezar o adversário dessa forma. O Palmeiras tem a obrigação de INVESTIR tanto quanto o tamanho de sua estrondosa e presente torcida. Os jogadores tem a OBRIGAÇÃO de se empenhar ao máximo. O que acontece depois é decorrência disso. E chupa imprensa.

Observações da partida. Primeiro, foi pênalti no Mina. E no segundo tempo o William sofreu outro, não anotado (por provável compensação do juiz, achando que teria errado ao anotar o primeiro). Segundo: quando o Dudu se “achar” com o Guerra, poderemos ter mais chance (há ciúme nesse imbróglio? As vezes parece que o Dudu quer “reinar” sozinho....).

Terceiro: nossa defesa. NÃO DÁ!!!! Com uma defesa assim, não chegaremos a lugar algum. O Cuca precisa se concentrar nesses 2 pontos: DEFESA (com laterais) e MEIO-CAMPO. Acerta isso Cuca, que o ataque se resolverá sozinho.

Fecha a defesa. Falei desde janeiro que precisávamos de um lateral esquerdo. Não fomos atrás e agora tomamos chapéu pelo setor. Era previsível, e agora teremos que resolver, com Egídio ou Bastos improvisado. Vai que é sua, Cuca. No CT ou em Atibaia, vai que nós estamos juntos!!!

sábado, 15 de julho de 2017

Mattos esfrega a realidade em nossa cara!

Como dizemos, o ambiente nas alamedas palestrinas é horrível. A cornetagem acéfala, que só pensa com sua azia, não pensa e só sabe criticar, EXIGINDO que o Palmeiras vença todos os campeonatos.

Posso dizer de forma categórica: NADA atarapalha tanto o Palmeiras quanto o criticismo excessivo que recebe de suas próprias linhas!!! O corneta (imbecil) não tem a menor compreensão, só quer olhar o resultado e dizer que está uma porcaria em caso de derrota. Essa laia não tem capacidade de análise além do superficial e isso só nos prejudica.

A impren$inha, outra que lucra diretamente com a desgraça alheia (a qual vive a incentivar), deita e rola sobre a nossa miopía, amplificando a cobrança desmedida sobr o clube. E assim a novela de nossa desgraça se desenrola

O torcedor consciente também espera vitórias. Só que absorve melhor as derrotas, entendendo a realidade de forma mais clara, com as dificuldades inerentes ao processo. Ele sabe e quer vencer tanto quanto qualquer um. Só não vive a detonar o time a cada insucesso. E essa confiança faz a diferença.

Por isso eu digo: a diretoria do Palmeiras (não a de futebol) é especialista em reverberar crise. Por isso digo que o AMBIENTE é terrível, com a CORJA MUSTAFISTA se queixando dos gastos (esquecendo quanto o FUTEBOL já pagou todas as dívidas do clube), desprezando o futebol e querendo desmontar todo o profissionalismo e excelência alí criados. Mas NÓS, TORCEDORES temos que demonstrar confiança NO PALMEIRAS, EM NOSSA CAMISA!

Ouçam a excelente coletiva do Mattos. Coloca de forma consciente o que realmente acontece, deixando pouca margem de dúvida e encabulados aqueles que vivem a criticar, sem conhecer a realidade que permeia o futebol. Grande Alexandre Mattos! Que aqui esteja por muitos e muitos anos.


quinta-feira, 13 de julho de 2017

A síntese do Tite-taka da zona leste

Porque o Curintcha veio com sabedoria e venceu? Pois segue a risca – via treinador – a cartilha do Tite. Que já havia se provado vitoriosa.

É o seguinte. O “Tite-taka” se baseia em 2 questões: gestão de grupo (encantador de serpentes significa o cara que mantém o foco e a determinação do grupo pra conseguir entrosá-lo. Que se todos se doarem o objetivo final fica mais fácil. Individualidades são colocadas de lado em prol do futebol coletivo. E os resultados aparecem e todos ficam satisfeitos. Na verdade nem todos, mas a tendência é essa.

A segunda questão é tática. O futebol moderno prova por estatística que as equipes campeãs são aquelas que ERRAM POUCO e apresentam a melhor defesa. Em primeiro lugar a defesa. Depois o ataque. É o Tite-taka, costumeiramente inervante, mas que ele conseguiu que a torcida entendesse e apoiasse. Talvez aí o maior mérito. Vitórias magras, de 1x0 num joguinho chato e feio, mas que traz a vitória, suficiente ao torcedor.

Então é isso. Esse é o Tite-taka da zona leste. Um futebol coletivo e determinado, com a defesa fechada e também com boa posse de bola, com troca constante de passes. E que joga com calma, sem pressa. Sem virtuosismo mas principalmente: errando pouco.

Eu não acho que devemos copiar estilo nenhum, mesmo porque o ímpeto e o talento palmeirense sempre nos impeliu pra cima. Mas seria importante aprender 3 lições cruciais: primeira, o time tem que estar unido e correndo junto, de forma coesa e não independente. Segundo, tem que ter a melhor defesa possível. Se não levar gol, pelo menos unzinho o ataque confere. E terceiro, paciência à torcida, que definitivamente ajuda – e bastante – o time apoiando sem esmorecer, apesar do futebol feio de se ver.

O problema vem das alamedas

O Palmeirense acorda hoje querendo não acordar. Mas tudo bem... ou melhor, tudo bem coisa nenhuma! Porque é que o Cuca não consegue achar o time titular? Porque nossa defesa não passa um jogo sem sofrer gols? Perguntas que não querem calar exigem respostas claras:

A culpa TODA é da presidência BANANA (e aqui a Leila é apenas um detalhe menor) que não consegue represar a CORNETAGEM MALDITA que azeda qualquer ambiente.

O desmonte da estrutura de “excelência” do futebol anda a pleno vapor e o ambiente fechado e determinado de 2016 deu lugar a um grupo que já não fala a mesma língua. Por isso estamos nessa lama.

A vinda do Cuca foi acertada. Mas fosse ano passado, teria demorado um pouco mais pra acontecer, haja vista a forma apressada com que o antigo treinador foi mandado embora. Aí então, com uma transição mais amena o time poderia já ter desenvolvido um padrão mais consistente.

A derrota de ontem reflete o AMBIENTE dentro do Departamento de Futebol do Palmeiras que, se não for BLINDADO e MOTIVADO (que ao contrário do que os mustafistas pensam não se faz só com dinheiro) caminhará incólume, ladeira abaixo.

Digo e repito: se o Palmeiras não tiver um presidente muito forte, não consegue segurar os ímpetos, fofocas e maledicências que corroem o futebol. E pior, com um ambiente que só entende “excelência” pra chamar juiz de canto.

Nosso futebol está sendo SUCATEADO, DESMOTIVADO e ESVAZIADO pela mesma turma que nos assolou nos anos 80 e no pós Parmalat. O problema não está no campo, mas nas alamedas. E se o Palmeiras não perceber isso, se preparem, pois coisa pior pode vir pela frente.


Acorda Galiotte.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Clássico e temporada

Derby é derby. Mas não podemos achar que, em caso de vitória encontramos o time titular e em caso de derrota tudo está perdido. Nossa meta é a temporada (Libertadores) e temos que usar o jogo pra acertar o time, não prejudicar.

Deyverson
Esse eu não tinha a menor ideia que sequer existia. Mas há boas referências. Se a contratação foi feita na sombra, méritos para os condutores que, espero tenham sido Alexandre Mattos e Depto. de Avaliação e a comissão técnica. e a grana da tia Leila. Seja bem vindo Deyverson!!! Que nos dê muitas alegrias. Tem algum apelido pra ajudar?

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Atual diretoria arruína o futebol do Palmeiras

Bom dia fratellada. Olha, sei que não é fácil encarar uma segunda-feira após derrotas. E tampouco estou aqui pra aliviar e sim oferecer uma leitura – além da imprensa – acerca do que acontece ao Palmeiras. Pois bem, que fique bem claro:

O PALMEIRAS CAMINHA A PASSOS LARGOS... PARA TRÁS.

Esqueçam Zé Roberto, Roger Guedes ou Fernando Prass, O BURACO é bem mais “acima”.

A atual presidência/ diretoria arruinou o legado deixado pelo Paulo Nobre, que fez a melhor gestão presidencial que tivemos em décadas e até por isso mesmo teve que bater de frente e enfrentar privilégios dentro do clube, sendo por isso mal visto internamente!

Pessoas querem o Palmeiras bem. Mas antes querem seu privilégio na viagem, sua carteirinha, seu trem da alegria. Isso é o mais importante, o Palmeiras é secundário.

É triste... de chorar mesmo. Estão DESMONTANDO todo o sistema de EXCELÊNCIA criado pela diretoria anterior (temido por nossos adversários, que agora regojizam). Podem esquecer... não há mais ambiente, não há mais sinergia, não há mais comando. E o principal. Foi-se pelo ralo toda e qualquer capacidade de GESTÃO DE GRUPO, algo imprescindível ao sucesso de qualquer equipe.

O Palmeiras não sabe gerir grupo. A italianada (e sei porque faço parte) é vaidosa, arrogante e prepotente. Tratam jogadores como uma “escória bem paga” que lhes deve a obrigação da vitória. Assim foi na década de 80 inteira. E também após a saída da Parmalat. E para isso voltamos.

Esqueçam... podem esquecer essa temporada, já era. O Mustafismo (misto de arrogância com força política do compadrio social) ACABOU com o futebol do Palmeiras. Me desculpem a sinceridade, mas não estou aqui pra passar pano.

A verdade é só uma: o FUTEBOL NO PALMEIRAS SÓ FUNCIONA SE FOR PROFISSINALIZADO/ TERCEIRIZADO. Deixem a velha italianada carteirada tocar o setor e teremos eternos VEXAMES dentro das 4 linhas, com elencos incapazes de “VESTIR A CAMISA” pra ganhar alguma coisa além do salário no fim do mês. FATO.

Digo e repito: FUTEBOL HOJE É GESTÃO DE GRUPO. E o Palmeiras (na forma de sua velha composição de diretoria e conselho) NÃO SABE GERIR GRUPO. No Palmeiras viceja a arrogância, a vaidade e o interesse próprio. E nesse ambiente JAMAIS, repito, JAMAIS um grupo consegue ser vitorioso.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Castigado pela retranca

Essa foi de lascar. Da mesma forma como vencemos o último jogo contra o Grêmio, num gol contra, perdemos este com algo parecido, num chute mascado e desviado nos acréscimos do segundo tempo.

Também pudera. Quem viu a entrevista do Zé Roberto, declarando que o empate seria bom, numa velocidade a menos de zero por hora, poderia pressentir a nossa disposição neste jogo contra o Barcelona-ECU.

Se nosso primeiro tempo foi mais ou menos, o segundo foi medonho, haja vista a ausência completa e absoluta de ataque de nossa parte. Constrangedor assistir a um time do porte do nosso em tal condição.

Qual é rapaziada? Tudo bem, dá pra entender o empate. Mas não atacar é demais. Fomos justamente castigados pela retranca exagerada. Fala que a defesa foi bem? Até que foi, mas não pode ficar tão exposta senão acontece o que aconteceu.

Melhor nem citar jogadores, exceção feita ao nosso glorioso Borja que deve estar curtindo o passeio aqui pelo Brasil. Agora é esperar a partida de volta, daqui a 1 mês. Faça o que fizer, o Cuca sabe que não pode repetir essa postura, arriscada demais e pequena demais para uma camisa do nosso tamanho.

domingo, 2 de julho de 2017

Sanguinho novo!

OLHA LÁ FRATELLADA!!! E não é que jogando com uma zaga nova conseguimos não sofrer gols? Sensascional. Ok, tudo bem, o que vale é o gol marcado. Mas pra quem conhece futebol, arrumar a defesa é imprescindível.

Não significa que Luan e Juninho serão titulares imediatos. Mas saber que temos quem utilizar e mais importante, deixar os titulares pilhados pra sair da situação da sofrência de tantos gols!

Maike, Luan, Juninho e Egídio. Zé Roberto já nem volta mais à lateral, deve ser melhor aproveitado na volância. E o Bruno Henrique, que estreou muito bem! Podemos respirar um pouco mais aliviados perante a ausência do Felipe Melo e do Thiago Santos. Sem contar o garoto Gabriel, que também foi bem quando acionado. A chave é fechar essa defesa.

No ataque, logicamente sentimos a ausência dos “maestros” Dudu e Guerra. Pra mim o Michel Bastos só funciona melhor jogando pela esquerda. É um jogador com boa técnica, mas que fora de posição cai muito de rendimento.

Keno e Erik bons, mas inconstantes. O William joga mais vertical. É um ataque forte, só se ajustar. O Guedes, bem... tem muito talento, só amadurecer. E o Borja? Não está fácil não. Tem que vir buscar mais a bola pra partir em tabela, na diagonal, fazer um pivô, qualquer coisa... mas por enquanto, “tá osso”... mas segundo o Cuca, em evolução. A tendência é positiva.

Voltamos à Libertadores – que é o que realmente nos interessa – com a equipe em ascensão, era o que precisávamos. Mas essa partida em Guayaquil não será fácil, 100min. de pedreira. Não é surpresa dizer que temos que fechar a defesa e jogar mais ou menos como o Cruzeiro veio nos enfrentar aqui, quando explorou magistralmente os contra ataques sobre uma defesa lenta na recomposição.

O importante agora é a confiança! Não é mais “treino” é a grande disputa em jogo. VAMOPALMEIRAS!!!