segunda-feira, 10 de julho de 2017

Atual diretoria arruína o futebol do Palmeiras

Bom dia fratellada. Olha, sei que não é fácil encarar uma segunda-feira após derrotas. E tampouco estou aqui pra aliviar e sim oferecer uma leitura – além da imprensa – acerca do que acontece ao Palmeiras. Pois bem, que fique bem claro:

O PALMEIRAS CAMINHA A PASSOS LARGOS... PARA TRÁS.

Esqueçam Zé Roberto, Roger Guedes ou Fernando Prass, O BURACO é bem mais “acima”.

A atual presidência/ diretoria arruinou o legado deixado pelo Paulo Nobre, que fez a melhor gestão presidencial que tivemos em décadas e até por isso mesmo teve que bater de frente e enfrentar privilégios dentro do clube, sendo por isso mal visto internamente!

Pessoas querem o Palmeiras bem. Mas antes querem seu privilégio na viagem, sua carteirinha, seu trem da alegria. Isso é o mais importante, o Palmeiras é secundário.

É triste... de chorar mesmo. Estão DESMONTANDO todo o sistema de EXCELÊNCIA criado pela diretoria anterior (temido por nossos adversários, que agora regojizam). Podem esquecer... não há mais ambiente, não há mais sinergia, não há mais comando. E o principal. Foi-se pelo ralo toda e qualquer capacidade de GESTÃO DE GRUPO, algo imprescindível ao sucesso de qualquer equipe.

O Palmeiras não sabe gerir grupo. A italianada (e sei porque faço parte) é vaidosa, arrogante e prepotente. Tratam jogadores como uma “escória bem paga” que lhes deve a obrigação da vitória. Assim foi na década de 80 inteira. E também após a saída da Parmalat. E para isso voltamos.

Esqueçam... podem esquecer essa temporada, já era. O Mustafismo (misto de arrogância com força política do compadrio social) ACABOU com o futebol do Palmeiras. Me desculpem a sinceridade, mas não estou aqui pra passar pano.

A verdade é só uma: o FUTEBOL NO PALMEIRAS SÓ FUNCIONA SE FOR PROFISSINALIZADO/ TERCEIRIZADO. Deixem a velha italianada carteirada tocar o setor e teremos eternos VEXAMES dentro das 4 linhas, com elencos incapazes de “VESTIR A CAMISA” pra ganhar alguma coisa além do salário no fim do mês. FATO.

Digo e repito: FUTEBOL HOJE É GESTÃO DE GRUPO. E o Palmeiras (na forma de sua velha composição de diretoria e conselho) NÃO SABE GERIR GRUPO. No Palmeiras viceja a arrogância, a vaidade e o interesse próprio. E nesse ambiente JAMAIS, repito, JAMAIS um grupo consegue ser vitorioso.

12 comentários:

  1. E tem gente que defende o Mustafá, O MAIOR TUMOR DO PLANETA Palmeiras!!! Lixo lixo lixo!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Doug, por pior que algo seja, não prospera caso não represente e beneficie uma vasta rede de apoio ao seu lado. VINCIT QUI SE VINCIT, não se esqueça de nosso lema centenário. Abs.

      Excluir
  2. Bom dia amigo Galluzzi, não fique chateado comigo, mas... a essa altura do campeonado(todos), se da para fazer uma analise de nosso elenco, e digo: DESEQUILIBRADO, e nenhum ponto forte ao ponte de ser fora da media, com isso amigos, contentem com um quinto ou sexto lugar no BR2017, não iremos passar das quartas da liberta e muito menos do cruzeiro na CB2017, FATO E DURA REALIDADE. Diretoria e PATROCINADOR ARRUINARÃO COM O TIME questão de tempo para arruinarem com o CLUBE.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tranquilo Mineiro, te entendo perfeitamente. O desequilíbrio vem das internas, onde é gerado o germe da cizânia e do descomprometimento.

      A verdade é só uma: administrar o futebol é DIFICÍLIMO e só uma conjunção extremamente favorável conduz o time à vitória. Qualquer desvio nesse PROFISSIONALISMO e na EXCELÊNCIA na gestão impossibilita a conquista. Abs!

      Excluir
  3. Aee Galluzzi, pensei que apenas eu aqui de longe com 55 anos sem jamais ter um dia sequer tenha entrado no clube do Palmeiras estava vendo isso. As vezes mencionava em algumas das várias redes sociais de palmeirenses e era espinafrado. Acho que as pessoas não querem enxergar ou só enxergam o que querem ver ou o que querem que elas enxerguem o que é pior ainda. Vide a situação política do país.
    O mal que perdura a algumas décadas e atrasa toda uma instituição como o Palmeiras tem nome e sobrenome, e fazendo uma regressão histórica na árvore genealógica dele, o lado italiano vem da linhagem de Nero o imperador e do lado árabe vem de Ali Babá. Acho que por isso os bossais tem tanto medo dele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. PG a verdade é que o Mumu representa uma imensa parcela dentro do Palmeiras e em muito de sua filosofia é justificada pelo futebol caríssimo e mercenário que temos hoje em dia.

      Acontece que se antigamente bastava pagar (e isso o Palmeiras sempre fez muito bem), hoje não. Hoje é necessário uma sabedoria de GESTÃO de GRUPO, algo fundamental e que traz a sinergia entre presidência/ diretoria/ comissão e jogadores. Essa SINERGIA é fundamental (as vezes exclusivamente pra BLINDAGEM) e é NISSO que o Palmeiras - em sua velha maneira de administrar - peca, e muito. Vero amigo, tbm já vilanizei muito o Musga. Mas creio que isso era uma tentativa minha de negar o óbvio, onde o problema é mais institucional do que pontual. Não seria? Abs fratello!

      Excluir
  4. Caro Galluzzi, é estarrecedor constatar que em 6 meses o presidente (office boy da patrocinadora) conseguiu arruinar todo o trabalho sério do Paulo Nobre. Nem com toda grana conseguiram contratar jogadores que façam a diferença. Não temos laterais, um bando de zagueiros e volantes meia boca, apenas Guerra como cérebro do time e um centroavante pior que o Henrique Dourado. Até o Matos, com a sáida do Paulo Nobre, se perdeu e sua única preocupação passou a ser agradar a mal amada dona da patrocinadora.
    Realmente esse ano está perdido, só resta não dar maiores vexames em campo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Camilo, mas não foi o Galiotte que arruinou. Ele apenas não conseguiu segurar (tal como o Nobre predisse) a influência do Conselho (pressão interna) no dia a dia do futebol. É isso que mina o trabalho e contamina o ambiente. Então o problema não é o que o Galiotte fez, mas o que ele não consegue impedir que os outros façam (como o Nobre fazia). Capice? rsss. Abs

      Excluir
  5. Não adianta ficar batendo nos jogadores, na comissão técnica ou no Mattos. Temos que bater em somente dois pontos: separação do futebol do clube social e voto direto ao sócio torcedor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato Carlos, e digo mais... PROFISSIONALIZAÇÃO do futebol e padrão de EXCELÊNCIA em GESTÃO de grupo. Isso é o futebol moderno. Abs.

      Excluir
  6. Olá, concordo com suas colocações mas faço algumas ressalvas. O MG ficou com uma bomba na mão quando ele nem tinha assumido a cadeira de presidente - aceitar ou não a candidatura da LP. Aceitou, renovou o vinculo com a Crefisa e em seguida fez importantes renovações de contratos. A. Matos, Moisés etc. Ai trouxe o Guerra - eleito o melhor das américas e em seguida o Borja - basta relembrar do vídeo dele chegando em Cumbica para ficar claro a importância da contratação. Além deles vieram um campeão olímpico e um muito experiente - F. Melo e outros mais. Todos nós estávamos convictos que o time de 2016 precisava de poucos reforços - para basicamente suprir a ausência do menino Jesus. E vieram muitos. Eu mesmo fui um que falou que o Palmeiras tinha 2 times e só faltava apenas um lateral esquerdo. Mas o imponderável aconteceu e ficamos sem um jogador muito importante - Moisés. Com tudo isso apontado não vejo como criticar o MG. Qual o principal problema neste início de trabalho dele? Trazer o EB. Mas veja que de novo, isto faz parte e são apostas. No ano passado quando o MO saiu e chegaram a cogitar o Levir e o Cuca cheguei a dizer que teria sido melhor contratar o Levir!!! Oras, não tenho bola de cristal. Achava que ele poderia ser melhor mas quem veio foi o Cuca e fomos todos felizes. Acompanho futebol há mais de 40 anos e o Mustafá já apitava no Palmeiras. É uma pena que ele ainda tenha tanta influência mas exite uma contradição muito grande ao se colocar culpa nele por algumas coisas ruins que tem acontecido. Simplesmente por que ele faz parte do ruim e barato. Com ele por perto muitos dos jogadores que chegaram este ano não teriam vindo e estaríamos hoje assistindo desfilar no Allians jogadores como Max, Weldinho, Diogo, Mazinho, Rivaldo e tantos outros. Para fechar não podemos esquecer que o trabalho é de continuidade e no aspecto financeiro o MG tem se mostrado bastante atento em pagar as dívidas e manter o clube em dia e, a melhor parte, com caixa e se necessário, mais aporte do patrocinador. Estamos vivos em 3 torneios neste calendário maluco que o clube é submetido. As contusões ocorrem e vamos ter que conviver com isso. Mas, ai discordando das opiniões, podemos ainda ter muitas alegrias. Tenho convicção de que o Cuca vai achar a melhor formação e levantaremos pelo menos um caneco. Por mencionar o Cuca vale lembrar que 9 de 10 Palmeirenses queriam ou gostaram do seu retorno. Acerto da diretoria. A minha dúvida do texto é se o ambiente interno foi tão amortizado quando o PN esteve ali e se excursão na Liberta e carteirinha tem tanto poder de influenciar o vestiário. Você certamente conhece os bastidores do clube, portanto, tem autoridade para falar. Eu só frequento o Allianz. Vamos nos unir na torcida pelo êxito do presidente, diretoria, técnico e jogadores. O que mais precisam agora é de nossa torcida, apoio e críticas construtivas. abraços e saudações Alviverdes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo, mais do que connehcer o bastidor, é só uma questão de juntar os pontos. A forma como o Nobre foi escorraçado (politicamente) do clube, os avisos dele ao Galiotte, aceitação da Leila, a volta do Mustafá à mídia, a demissão de profissionais da área...

      A culpa não é do Galiotte. A culpa é do PALMEIRAS como instituição (Conselho Deliberativo, Conselheiros Vitalícios), que se deixa levar por paixões e interesses pessoais, algo que só pode ser detido por alguém com a estatura, coragem e dinheiro que o Nobre tem. De quem aliás, a mior falha pode ter sido justamente não ter percebido que NINGUÉM conseguiria fazer o que ele conseguiu. Porque a grana era dele.

      Tentando ser mais claro Marcelo, esclareço que o Mustafá tem grandes virtudes administrativas e financeiras. Mas o futebol de HOJE exige um padrão de GESTÃO DE GRUPO que ele - e nisso ele representa uma imensa parcela de nosso CD e vitalícios - JAMAIS teve, tem ou terá condição de exercer. Assim, sem uma MÃO FORTE no futebol, naufragamos entre a arrogância e as cornetas, vivendo a pagar times caros e que não se empenham em campo. Se vc acompanha o futebol há tanto tempo, sabe ao que me refiro. Não é? Grazie ragazzo! Abs.

      Excluir