quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Finalmente, alguém falando forte!

BOOOOOA Galiotte!!! Finalmente deste uma dentro. Pois o p... na mesa e cantou : quem manda nessa porra sou EU e o Cuca fica. E o Mattos também!!!

Agora sim, gostei. Assumiu a frente e tomou uma posição de macho. Macho alfa e inteligente. Calar a boca dessa gente BURRA , reencarnações dos caçadores de bruxas do século XVII, inquisitores maledettos.

Não dá mais... não dá mais pra continuar pensando da mesma forma do século XX. Um pensamento raso, tosco, mimetizado, infantilizado e que só reproduz o pior do que ouve, dando margem aos piores julgamentos e piores decisões possíveis.

Quem quiser achar que troca de técnico resolve o problema, que continue. Existem SIM situações que isso pode até ajudar – aquelas de receio de queda – mas a verdade é que esse recurso é muito menos efetivo do que nossas azias gostariam.

Qual foi o principal problema do Palmeiras nesse ano? FALTA DE COMANDO. Tivesse o Galiotte chamado o Melo ainda nos seus primeiros “posts chororô” que questionavam o treinador, e falado “cala boca meu filho, senão será afastado”, tudo teria se resolvido antes.
Força Galiotte! Assuma a responsa e não ceda à pressão

Tivesse o Galiotte segurado o tranco ainda na eliminação do Paulista, dizendo: “tivemos uma verdadeira guerra na última partida e o trabalho do Batista não deve ser julgado por esse resultado”, poderíamos ter feito a TRANSIÇÃO para o Cuca, que invariavelmente voltaria, de forma a equilibrar o tranco da “troca de filosofia”.

Tivesse o Galiotte blindado mais o time, tomando a frente e a responsabilidade pelas decisões, o time poderia ter entrado mais TRANQUILO em campo, algo que nitidamente nos faltou nas partidas decisivas, com o time sentindo enormemente a pressão. Mas não, estava ausente.

Essa é a verdade. Agora querem achar que a culpa é do treinador. Sinceramente, é muita ingenuidade. É muita obstusidade mental achar que sempre, tudo se resume a troca de treinador ou jogadores mal escolhidos. O buraco é mais embaixo... ou mais em cima, como queiram.

Existem diversas situações que um treinador deve ser dispensado. Mas existe um número ainda maior de ocasiões que sua troca – apesar de um alívio momentâneo – não traz resultado efetivo algum e o pior, DESVIA A ATENÇÃO do verdadeiro problema. 

Por um Palmeiras PROFISSIONAL, menos PASSIONAL e mais RACIONAL. Que se espelha nos exemplos europeus. Que não deixa que sua PAIXÃO o consuma. Que assuma responsabilidades e busque performance. Que é mais que um clube de bairro, um condomínio da Água Branca... é uma NAÇÃO carregada de VALORES que deve defender. Se queremos ser DIFERENCIADOS devemos pensar além do convencional, fora da caixa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário