sexta-feira, 27 de abril de 2018

O fedor que vem de longe

Time de BANDIDO é assim... ganha roubando, deve até pro marmiteiro, constrói estádio com dinheiro público e, recalcado por levar chapéu na contratação, tenta conturbar o ambiente alheio com fofocas.

Assim é a âncora da Zona Leste, que não tem patrocínio a altura do nosso por conta da imagem de BANDIDOS ASSASSINOS que o clube leva e por isso fica ressentido. Não, caro gambá. O arrasto da nação não tem um banco por trás. Tem o maior monopólio midiático do mundo lhe acariciando, só isso.

É pra não viver em um clube que LAMBE DE SACO DE LADRÃO, que se ufana em ser MALOQUEIRO, unha e carne com o BANDITISMO que o Dudu escolheu vir para o Palmeiras. Um time que se preza em correr pelo certo, não pelos calabouços do futebol.

Um time que nasceu pra ser do POVO e acabou como reduto MARGINAL, não tem absolutamente nada pra falar do Palmeiras, que tem o que tem por COMPETÊNCIA. Mas como o esgoto é dele, o fedor é inevitável. Ao cara de areia mijada fica um obrigado. Seu recalque será nossa experiência. Seu mau caráter (e burrice) servirá, mais uma vez, para nos impulsionar.

NADA une mais o Palmeiras do que uma derrota injusta pros BANDIDOS. A não ser a provocação de bastidor... 

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Cala-te, Boca!

Fratellada, que jogo hein! Primeiro tempo tenso com o time bem compactado, mas por vezes muito recuado e sem saída de bola. Aí aquele primor de cruzamento do Marcos Rocha pro Keno, um dos que mais busca o jogo, premiado com uma belíssima cabeçada.

Mas o segundo tempo foi onde realmente dominamos a partida. O Roger acertou um pouco mais o posicionamento pelo meio e encaixamos contraataques fulminantes. A defesa ainda nos deu alguns sustos, principalmente pela direita... mais uma vez o Jailsão da Massa saiu de campo como um dos melhores, ao lado do Keno.

Sabemos que não adianta a vitória, se contra a Chapecoense não vencermos, voltarão as críticas. Mas o time voltou mais leve da argentina, com certeza. E fica mais fácil jogar sem tanto peso. Tomara seja o início do círculo virtuoso que tanto precisamos agora. Temporariamente caladas, as cornetas não fazem falta.. pelo contrário.

Segue em frente Roger! Vc sabe que há muito o que arrumar nessa defesa, ainda carecemos de um meio campo mais constante. E há espaço pra isso! Com a volta do Guerra e do Scarpa, opções não faltarão.

Irmãos, fica aqui a lição pra termos um pouco mais de paciência com esse time, que pode nos dar tanta alegria. Calma e apoio nos momentos difíceis é tudo o que esse time precisa pra ir longe! Hoje está cheio de palmeirense na rua. Que não desapareçam quando o time mais estiver precisando. AVANTI PALMEIRAS!

terça-feira, 24 de abril de 2018

"Obrigação de vencer" tira o prazer da conquista

Já estamos cansados de saber que um dos elementos mais importantes dentro de um time é o bendito “fator psicológico”. Antigamente não existia essa frescura, falava-se de tática, técnica e físico. Mas já havia sim, e ninguém sabia.

Depois da década de 80, quando os salários explodiram, essa pataquada começou a entrar em cena. É um tal de psicólogo, técnico paizão, rodízio de titulares pra motivar o elenco e uma pleura de ações “calmantes”, que visam deixar o jogador alegrinho e motivado.

Acho nojento que um atleta com vencimentos 10, 20, 30.... 100 vezes maior que um cidadão comum precise de mimos pra jogar bem. Chega a dar náuseas. Mas é assim que é. O Dudu por exemplo, ficou “chateado” com as críticas em redes sociais, das quais deveria se abster!

Rede social, fóruns etc., apesar de sua imensa utilidade, são verdadeiros vomitórios de insatisfação. Se quiser manter seu ego incólume, passe longe! Caso contrário, ignore. Algo que ele já deve saber.

Mas a torcida também deve compreender que o conceito de “obrigação de vencer” é paradoxal ao esporte. “Obrigação” só existe a partir de algo COMBINADO. O esporte é contrário a isso! É justamente o fato de não ser nada combinado e sua imprevisibilidade que dão graça ao evento.

Se alguém tem a “obrigação” de vencer, é porque tem uma superioridade técnica inquestionável, não apenas salários maiores. Nesse caso, torcemos pra que? Se nosso time é tão superior a ponto de ter a “obrigação” de vencer, nem torcer  precisamos mais!

Dessa forma, evasia-se todo o prazer da conquista. O que não passa de “obrigação” não nos dá prazer nenhum em fazer. E a partir daí, pra que comemorar um gol, se ele não é mais do que uma “obrigação”?

Devemos ser mais inteligentes e não agir só pela paixão, traço marcante do palmeirense. Nessa inteligência está a psicologia. E nessa psicologia devemos ir ALÉM do óbvio, pra conseguir fazer com que o time vista a camisa e jogue focado 100% do tempo.

Cobrar é importante, mas na hora e da forma certa. Taxar a vitória como “obrigação” não mostra apenas um desconhecimento da dinâmica do esporte, mas também da psicologia humana que, ainda que esteja longe do adequado, precisa do estímulo certo para funcionar a contento. Paixão é fundamental, mas sem sabedoria dificilmente ela conduz a um final feliz.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Vencendo naturalmente

CORNETA NÃO COMEMORA VITÓRIA, acha que não passa de obrigação, até pelo “alto investimento realizado”. O curioso é que geralmente são aqueles do sofá, que não pingam com 1 centavo pro clube, mas cobram como se o custo lhe fosse semanal.

Torcedor de estádio não fica tanto a mercê de mesas redondas, tem uma leitura um pouco mais real dos acontecimentos e não polemiza tanto quanto aqueles que guardam a energia pra vociferação.

O fato é que o Palmeiras conseguiu uma vitória importante, num momento crítico. Conseguiu segurar o resultado e mais importante, não sofrer gol. Depois de uma semana de críticas fortes, ainda que precoces.

Apenas recordando: o Palmeiras vem de uma campanha de insucesso (2017) onde se reformulou com a vinda de novo técnico, nova defesa, novos laterais e também novos jogadores para o meio-campo, como Lucas e Scarpa. É absolutamente normal que o time demore um certo tempo pra achar seu padrão de jogo, reconstruindo sua espinha dorsal.

Pra quem conhece mesmo de futebol, sabe que esse tempo é de pelo menos 6 meses. Os “precoces” querem resultado em 6 semanas. É ridículo querer condicionar um esporte à novela que a mídia faz todos os dias. Mais complicado ainda é criar uma nova mentalidade, consciente disso.

Seja como for, vencemos. E venceremos ainda mais, não por causa de pressão, mas por conta de termos uma ótima estrutura e excelentes peças, que só precisam de tempo e crédito pra que mostrem resultado. Ainda que um puxão de orelha não lhes faça mal... não é, sr. Lima?

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Palmeiras é RESISTÊNCIA

Fratellada, é o seguinte: como muitos devem ter percebido, estamos entrando numa nova era. Nessa era de “libertação” o ser humano está se reencontrando, se conhecendo melhor, querendo abandonar qualquer amarra que o detenha.

É certo que há muita coisa grotesca nesse caminho, mas justamente porque o ser humano é muito menos “pavão” do que imagina. E o que isso tem a ver conosco?

O Palmeiras está entrando nessa nova era. Ao desafiar o sistema (não o único, muitos outros já o fizeram, nem sempre com bons resultados), questionamos o modelo imperativo reinante, onde uma grande coorporação exerce seus interesses político-comerciais e acaba interferindo na parcialidade da competição esportiva, sensível a quaisquer favorecimentos.

A Rede Globo foi criad, em grande parte, para “doutrinar as massas”, com uma agenda positiva e liberal. Quanto a agenda, ótimo, mas todos aqueles que não se sentem confortáveis com tal doutrinação, não engolem o bom mocismo populista asqueroso de quem está ali simplesmente para controlar e lucrar.

Não há país no mundo onde uma única empresa de mídia tenha TANTA abrangência, tanta penetração junto à opinião pública. Assim é desde 1965 e assim será por muito tempo. E pra ter tanta abrangência, precisa PASTEURIZAR, PADRONIZAR, NIVELAR POR BAIXO (mas com uma produção espetacular) a linguagem que usa para vender sua notícia e imagem.

Acontece que tudo o que o palmeirense mais detesta é justamente, padronização e nivelamento. O palmeirense tem PERSONALIDADE demais pra isso, não se limita a cultura RALÉ que alimenta o povão todo dia.

O Palmeiras hoje tem dinheiro. Mas não só dinheiro, tem mídia. Antigamente todos precisavam da TV. Hoje ela já foi ultrapassada pela internet. Tecnologia para uma transmissão de qualidade já existe. Acontece que a Globo sempre teve os times na mão pois além da cota, agem como banqueiros, antecipando a receita dos depauperados clubes.

Mas quem tem a capacidade de e organizar e prescindir desa ajuda nefasta, se livra também das correntes. E é isso que o Palmeiras faz hoje, se livrando das correntes da Senzala Global. Mas saibamos que a vida “liberta” não será fácil, teremos sempre o SISTEMA jogando contra, o que nos coloca na posição de RESISTÊNCIA.

O Palmeiras hoje é a RESISTÊNCIA. Resistimos a dominação. Resistimos à perda da liberdade e ao acondicionamento eterno aos dítames do monopólio midiático e seu poder político-financeiro. Ao bater de frente com ele estaremos, por certo, escolhendo o caminho mais difícil. Mas é o único caminho que nosso coração aceita seguir.

AVANTI PALMEIRAS, MAIS DO QUE NUNCA ESTAREMOS UNIDOS!

quarta-feira, 18 de abril de 2018

TEMPO e AMBIENTE


Funciona assim: o ser humano tem a tendência ao pensamento simplificado. A mídia joga com isso e torna a opinião pública ainda mais obtusa. E assim caminha a humanidade, na mediocridade e superficialidade.

Um dos principais problemas do brasileiro é a passionalidade, que torna qualquer planejamento um verdadeiro ato tragi-cômico. O brasileiro pensa de forma emocional se comparado ao racionalismo europeu. Ok, temos nosso jeito de ser. Mas desde que saibamos lidar com os prós e contras disso.

Então temos 2 situações. Um povo emocional e uma mídia que ganha com isso. Até aí tudo bem, mas e o resultado disso? Uma compreensão distorcida da realidade, baseada em obviedades e conceitos rasos, típicos de mesa redonda, com seu qualificadíssimo público.

80% do que acontece num time não vem à tona. Mal sabemos do que se passa e do que influencia diretamente nos resultados. Ignorantes disso, detêmo-nos no superficial. Dá-lhe simplificação e delas, a mais evidente: imaginar que o problema se resume a um fator, que invariavelmente acaba sendo o “maestro” da orquestra, o treinador. Que muitas vezes pode até ser, mas não da forma como imaginamos.

Já é PROVADO ESTATISTICAMENTE que a troca de treinador é pouco ou em nada produtiva a um time a médio e longo prazo. Conforme o caso traz até uma mudança inicial, que depois se assenta, voltando ao padrão anterior, ou ainda pior. A imprensa dá lenha à pressão sobre o infeliz, e depois ainda critica o time pela “dança de treinador”. E tudo isso com a torcida de platéia.

O torcedor brasileiro deveria entender que início de temporada sempre traz os times desentrosados. O Palmeiras mudou sua defesa por completo e também no meio campo. O time completamente diferente do ano passado, começou muito bem fez uma ótima campanha no Paulista e só o perdeu por ter sido roubado.

É normalíssimo que o time apresente falhas a serem corrigidas ao longo da temporada. O que não tem CABIMENTO é o torcedor não entender isso e exigir resultados a curto prazo, exigindo a cabeça do treinador caso isso não aconteça. Pior ainda, é ver o erro voltando a se repetir erro após ano, década após década.

O lance é o seguinte: seja o que acontecer o Roger DEVE ficar até a Copa, daqui a 2 meses. Se ao chegar nessa data o time estiver bem, ele ganha o mês de treinamento, caso contrário o Pameiras já buscará outro, até pra aproveitar esse periodo.

Mas uma coisa é fato: nossa torcida age emocionalmente e prejudica o ambiente dentro do clube, tornando a pressão - que apesar de normal é sempre um peso a ser lidado - algo praticamente insuportável.

Palmeirense: pense nisso e reflita. Somos apaixonados mas sejamos mais racionais, pra não deixar que a emoção torne o que já é difícil ainda mais complicado. Os treinadores precisam ter mais TEMPO e AMBIENTE pra que o trabalho frutifique. TEMPO e AMBIENTE. Assim a natureza nos ensina. Assim a dinâmica do futebol exige.

terça-feira, 17 de abril de 2018

TIME BUNDA MOLE!

Na bucha e na lata: COM ESSA DEFESA NÃO SEREMOS CAMPEÕES DE ABSOLUTAMENTE NADA.

Sofremos 3 gols nos últimos 3 jogos. 3 gols que nos tiraram um título Paulista, uma liderança da Libertadores e uma estréia com vitória no Brasileiro. VÁ PRA PQP!!!!!

Eu falo, digo e repito... ataques ganham jogos, DEFESAS GANHAM CAMPEONATOS!!!! Peloamor, alguém tome a iniciativa de escrever isso em letras GARRAFAIS em nosso vestiário.

O Palmeiras parece que está COM MEDO DE VENCER!!! Parece aquele convidado encabulado que tem vergonha de aparecer. Parece que estamos com VERGONHA DE VENCER!!! Mas o que é que é isso?!!!

MATTOS!!! Alexandre Mattos meu filho, presta atenção: ou você dá um pagadão geral nessa pautuléia que joga conquistas no lixo, ou vai você pro mesmo lugar. PQP! Não é ofender, nem destratar, mas ACORDAR esse bando de BUNDA MOLE para o LUGAR QUE OCUPAM.

Esses caras acham fácil pagar em dia? Acham que dinheiro cai do céu?! Não cai não, vem é do NOSSO BOLSO!!!! Suado e trabalhado, cada centavinho que chega aos jogadores é oriundo da torcida, direta ou indiretamente.

Então seus FDP, seu bando de calhordas que tanto amamos e por quem torcemos. PAREM DE BRINCAR E JOGUEM FEITO HOMENS!!!! ROGER, acerta essa porra de defesa de uma vez por todas, laterais, volância e principalmente a zaga. Posicionamento, recuo, cobertura. Volte ao fundamento se necessário. E dê mais chance pro Guerra.

Passada a lua-de-mel, que poderia até ter durado mais, agora é a hora de mostrar quem tem mesmo força ou tem só empresário forte. ACORDA MATTOS, ACORDA GALIOTTE, ACORDA TIME... AGORA.

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Marginal herói?


Ódio, incredulidade, inconformismo. Esta final do Paulistão pôs mais tempero numa rivalidade já acirrada. Perder é compreensível, mas perder sob a utilização de um critério parcial, utilizado pontual e criteriosamente para ajudar o rival, é inaceitável.

Malditos sejam. Mais uma vez a ÂNCORA que prende esse país no terceiromundismo, no subdesenvolvimentismo, a malandragem espúria coitadista do assistencialismo populista mas uma vez conseguiu disseminar seu vírus, fazendo aquilo que sempre fez, ganhar roubando.

Quem aceita ser roubado e fica quieto, que fique. Aqui não. O ódio gerado por mais um comportamento ilícito será focado e direcionado no momento certo, na hora mais precisa. CHEGA DE SER ROUBADO!!!! Chega de viver num país que aplaude o BANDITISMO!!!

PALMEIRAS. Assume teu destino, delineia tua senda: és o time de quem CORRE PELO CERTO, o TIME DA FAMÍLIA, de quem REPUDIA A MALANDRAGEM, O MALDITO JEITINHO BRASILEIRO, que resolve de forma temporária e APODRECE a longo prazo.

Pois estamos nesse país APODRECIDO pela mentalidade da malandragem, do benefíco próprio em detrimento do mérito de quem efetivamente é melhor. Assim vivemos e assim caminhamos ancorados na realidade maldita dos encantadores malandros com sua aura de “marginal herói”.

Ao Palmeiras
Falta calma e experiência pro time não se afobar. É o ROGER que deve comprar a briga e puxar a responsabilidade para si, dando ao time a tranquilidade devida. SEJA ESCUDO AGORA, ROGER. Diga em alto e bom tom: “as falhas da defesa foram responsabilidade MINHA, não consegui chamar a atenção dos jogadores para a falha de posicionamento da zaga e do buraco em nossa lateral direita”, por onde saíram os 2 malditos tentos que nos puseram abaixo.

Há derrotas que avassalam. Outras que reconstróem. Pela forma acontecida, a final do Paulista teve um efeito aglutinador, ao unir todos os palestrinos em sua indignação, em sua sede de vingança, sempre nas 4 linhas. A realidade é INJUSTA, mas não somos obrigados a aceitá-la.

terça-feira, 10 de abril de 2018

Final foi a cara do terceiromundismo

Essa derrota pros gambás da Zona Leste deixa ainda mais claro o que todos por aqui sempre souberam: NO BRASIL NÃO VALE O MÉRITO, VALE O INTERESSE POLÍTICO.

E é por essas e outras que o país não sai nunca do TERCEIRO MUNDO. Ano a ano perdemos gerações de jovens que querem, a qualquer custo, fugir desse antro de nojeira, roubo e injustiça no qual o país se transformou.

É Lula com PT, é Aécio e PSDB, é Globo com seus interesses populares, nada acontece nesse país sem que HAJA MUTRETA por trás. Quem faz as coisas corretas é invejado, criticado e prejudicado. QUE PAÍS PODE FUNCIONAR ASSIM?

Essa final de Paulistão foi NOJENTA, tendo critérios imparciais sendo colocados em campo. Auxílio externo que nunca antes havia acontecido, ou o que pudesse ser feito pra ofuscar nossa superioridade ao longo de todo campeonato.

Essa é a cara do Brasil. Um país entregue ao BANDITISMO e INTERESSE PRÓPRIO. O Palmeiras DESAFIOU o consórcio Globorinhians de Televisão por valores equânimes da TV, algo pelo qual sempre reclamamos. É lógico que será perseguido e prejudicado SEMPRE que possível, assim como o infeliz Vasco da Gama, depois de 1998.

APOIAMOS COMPLETAMENTE a Carta Aberta aos Torcedores Palmeirenses divulgada ontem de forma oficial pelo clube e compreendemos a revolta de tantos e tantos associados. E seguiremos de CABEÇA ERGUIDA, nossa resposta ainda virá EM CAMPO.

Palmeiras dá exemplo de competência, sendo invejado e prejudicado por quem sabe que nesse mundo da MERITOCRACIA pouca chance teria.

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Não basta ter time. Tem que ter o juiz


Não adianta nada investir em estrutura, time, comissão técnica e o escambau. Se não pagar a Federação pra ter os JUÍZES ao seu lado, nada funciona.

Não é que o juiz receba dinheiro. Ele simplesmente não é escalado se não praticar o “apito amigo” àqueles que alimentam o esquema “1-0-0”, tal como relatado pelo ex-presidente curintiano Alberto Dualibi, em audio gravado em investigações do caso do juíz Edílson Pereira.

O que faltou ao Palmeiras ontem além do dinheiro pra Federação? Calma e tranquilidade pra fazer uso de sua técnica superior, que parou na retranca de um time habituado com o jogo defensivo que aposta no erro do adversário.

Não adianta caçar bruxas, xingar esse ou aquele jogador. O lance é – na medida do possível – não acusar o golpe e seguir em frente com a cabeça erguida. Mas consciente de que não adianta disputar algo em desigualdade de condições, quando fica claro que são elas que podem determinar o resultado de uma campanha.

Vamos em frente Família. Difícil viver num país onde o mérito é só um detalhe de um tabuleiro que possui muitas outras peças decisivas. Talvez por isso percamos, ano a ano, gerações de jovens cansados dessa realidade espúria, injusta e imutável... mas isso não ficará assim. BOLA PRA FRENTE, que nossa resposta virá em breve.

sexta-feira, 6 de abril de 2018

Muito mais que uma final


Brasil exulta por uma nova era, onde o branco da paz e o verde da esperança se faça presente e a dicotomia do simplismo branco/preto, carregado de ódio, superficialidade e arcaísmo, se esvaia da realidade grotesca que se formou nos últimos anos, nos dando finalmente condições de caminhar àquele futuro, ao qual tanto nos referimos.

O universo escuro e criminoso, da malandragem dissimulada, do populismo rançoso, contraponto doentio ao elitismo arrogante por tanto tempo por aqui praticado, dá espaço à sociedade que abandona os recalques e vícios para criar um novo caminho, de luz e esperança.

Um presidente que sempre apelou ao populismo pra moldar sua imagem de “Joana “D'arc”, não faz nada além de reproduzir o discurso corintiano coitadista do “sofredor do povo”. Pois o palmeirense também é do povo. Mas de um povo que não se faz de coitado, preferindo a isso construir seu próprio caminho e nossos estádios, símbolos maiores de nosso trajeto, são a prova viva disso.

Nneste domingo são essas duas filosofias que entram em campo. Coletividades com valores próprios. Uma que vive a se proclamar “do povo” pra desse conceito se aproveitar, se vitimizando tanto quanto possível pra conseguir seus “CIDE's”, contra outra que não dá a mínima pra se fazer de coitado e constrói seu caminho sem assistencialismos.

Uma coletividade que valoriza o trabalho e a educação. Outra que aposta na malandragem e esperteza. Uma que se orgulha de “correr pelo certo”, outra que se ufana em ser “marginal herói”. Um classe média trabalhador. Um "maloqueiro sofredor". Uma família. Um bando. Resta saber o que o Brasil terá para seu futuro.

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Palmeiras, um reflexo da nossa paixão

Palmeiras venceu ontem o Alianza Lima, do Perú, numa bela apresentação. O adversário não veio lá muito forte, 2x0 foi até pouco. Mas temos que destacar a evolução da defesa e a iniciativa do Dudu.

A Libertadores é um torneio mágico. Decidido tantas e tantas vezes por pequenos detalhes, oferece aos times uma condição singular, onde o patriotismo se junta à habitual paixão. É um ingrediente a mais e o nervosismo sempre está presente.

Pois é nesse ambiente tenso que o Palmeiras mostra evolução. O primeiro gol, anotado pelo Thiago Martins foi uma redenção. Berrou em sua comemoração, como que pra afastar de vez as dúvidas sobre seu desempenho.

Borja é outro que vem ganhando confiança a cada partida, ainda que lhe falte, ao meu ver, mais comunicação com os companheiros, de forma a ajustar melhor o jogo quando necessário.

Dudu resolveu assumir a responsa, como costuma fazer em situações críticas. Puro sangue de competidor, é daqueles que honra a faixa de capitão. E outro que também faz jus ao manto é nosso caro e incansável Moisés. Preenche vários espaços e está ganhando ritmo.

Pra domingo, é bem provável que faça dupla com Bruno Henrique na volância, ajustando a marcação pra sair jogando com Dudu, Lucas Lima, Bigode e Borja. Ou o Roger pode incluir mais um volante (Thiago Santos), sacando o Bigode (o que ningém prefere). O restante todos já sabem.

O Palmeiras planta, o Palmeiras colhe. Um planejamento bem feito, superestrutura e torcida apaixonada é a nossa receita pra bombar esse time, afinal quem não gosta de receber bem, em dia e trabalhar num ambiente grandioso e vitorioso? Esse é o Palmeiras hoje, um reflexo da paixão de sua torcida.

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Força, raça e determinação!

A família palmeirense teve mais do que um bom motivo pra comemorar a Páscoa. Teve a impressão de que, finalmente, o time pode ter a raça que precisa em campo. Jogo difícil, deixando explícito a tensão reinante sobre a ocasião.

A defesa melhorou, o meio campo (principalmente o Dudu), representou, as laterais foram bem e o ataque manteve o adversário sob ameaça de um segundo gol a qualquer instante. Não nos postamos excessivamente na defesa e isso fez a diferença.

Absolutamente nada está ganho. 1x0 nos primeiros 90' é uma pequena vantagem a ser ampliada. Se tem algo que incomoda o pessoal da Zona Leste é jogar com resultado contra. Mas será um jogo duríssimo, com toda responsabilidade sobre nós, onde entrarão como franco atiradores.

Tems que parabenizar o time inteiro, especialmente Jaílson, Antônio Carlos, Dudu, Victor Luís, Marcos Rocha, William Bigode e, é claro, o Borja, pelo gol da vitória. Possamos nós economizar o máximo possível para o jogo de amanhã, deixando gás pro domingo.

À torcida, teremos um desafio em frente. Daremos APOIO INCODICIONAL, nos 90' ou tantos mais minutos necessários, pra que a gente consolide e coroe A MELHOR CAMPANHA DO PAULISTÃO 2018. Sabemos que no futebol não existe essa de “justiça seja feita”, mas nada melhor do que premiar quem sempre esteve à frente... TODA FORÇA e RAÇA AGORA, FAMÍLIA, PALMEIRAS!!!