terça-feira, 21 de agosto de 2018

Simplesmente, futebol.


7 jogos sem levar gols. Fechamos o primeiro turno do campeonato com moral, passamos à semifinal da Copa do Brasil e deixamos encaminhada a classificação na Libertadores. Tá todo mundo deslumbradão com o Scolari. Eu também, lógico. E qual o maior mérito do Felipão? A simplicidade.

Quando perguntado sobre nossa eficiência defensiva, Scolari é claro: o coletivo. E é mesmo. Sem dúvida a quantidade enorme de números que hoje o futebol gera é importantíssima. Mas a aplicação tática subsequente à sua análise não pode confundir a compreensão do básico.

É isso que o Felipão faz. Dizer algo que o jogador vai entender, de forma simples, clara e mais direta possível. O jogador pode até não fazer, mas vai entender. E até agora, tem feito.

Resisto ao deslumbre. Acho ótimo o Felipão, provavelmente o treinador com mais identificação com a torcida palmeirense. E o único que – apesar de demandar “camarões”, consegue tornar o  Palmeiras campeão sem que precise montar uma Academia.

Essa simplicidade no jogar – do futebol coeso, intenso e com forte ênfase defensiva, aproveitando o erro adversário – pode ser antigo, mas responde diretamente à premissas básicas do futebol moderno: não sofrer gols, diminuir os “elos fracos” e aproveitar as chances.

Porém, advogando pelo diabo, temos que abrir os olhos para fraquezas que ainda existem. A previsibilidade é uma delas. A dificuldade no toque e saída de bola, outra. Frequentemente temos visto chutão lá de trás, dada a dificuldade no meio campo.

Vencer na raça é delicioso. Mas é temeroso. Esconde fragilidades que vem à tona quando encontramos um mar raivoso ou mais encrespado, passagem obrigatória ao time que se pretenda campeão.

E assim vamos. Felipão é emoção, coração, dedicação e inspiração. Pros cardíacos não é recomendação. Mas pra quem sonha com o título a rima é só uma: Felipão é Campeão.

6 comentários:

  1. Galluzzi fratello, andou sumido, pensei que estava desanimado com o novo estilo de jogo "a la Felipão" rsss
    Estive no Pacaembu no jogo contra o Bahia. Vou te dizer, as arenas são excelentes, mas que delícia foi assitir a um jogo no tobogã, de pé, chuva e frio, no meio da galera... Meu filho de 19 anos foi comigo e adorou, disse que queria ter curtido mais o velho Palestra, e tem razão. Me deu muitas saudades... Futebol à moda antiga, não é mesmo?
    E realmente, não recomendo pros cardíacos. Quase morri de nervoso, mas extravasei demais na hora do gol. Que alegria!! Jogão, lavei a alma.
    Bora preparar o coração, que vem emoção por aí e, se Deus quiser, títulos!! Abraço e saudações palestrinas!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Cavaleiro Paladino! O sumiço foi por força maior, desanimado jamais. É que as vezes é melhor esperar as coisas assentarem pra poder falar com mais propriedade. Esses jogos no Pacaembú são realmente um salto ao passado, que no nosso caso, traz sempre boas recordações. Nada melhor que ter um estádio TOP um "reserva charmoso" pra quando temos showws que pagam nossa fatura. Vlw, abs!

      Excluir
  2. RG blz? Acho que primeiro o Filipão vai dar uma consistencia neste time, pra depois começar dar uma aprimorada nas jogadas e tabelinhas. E entendo que seja melhor mesmo. Precisamos resgatar a confiança e a segurança de um time forte. O psicológico percebo que está melhorando. agora 1x0 é goleada. abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vdd Victor, primeiro o arroz com feijão bem feito. Depois a mistura temperada... com o Felipão sai a Academia mas entra a família unida. Que assim seja! Abs

      Excluir
  3. E aí Galluzzi, tudo certo? Com Felipão, como você disse veio "La Famiglia", que faz parte do DNA palmeirense desde a criação e que depois desses 7 jogos parece que já está dando resultado, o que parecia estar rachando, voltou ao seu lugar, conseguiu novamente que o Dudu voltasse a se empenhar, esta arrumando o setor defensivo e transformando o Deyverson em um novo Jardel, que não era um primor técnico, mas metia gol todo jogo. A unica ressalva, mas isso é do estilo dele, são os 3 volantes todo o jogo, com Lucas Lima e Scarpa, o meio poderia ser um pouco mais técnico, mas como quem manda é do Bigode, a gente tem só é que torcer, porque agora parece que vai engrenar e os outros que se segurem porque vamos passar por cima, 1 x 0 é verdade, mas valem 3 do mesmo jeito.
    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Beleza Denílson, tudo bão?! Como dizem.... a Família é a base de tudo! Sobre os volantes tenho a impressão que não são 3 de origem, mas 2 com o Moisés ajudando (mas ele é nosso 10), com a disposição q o Scolari tanto gosta. Assim, temos nossa escalação no último jogo: Weverton; Marcos Rocha (Mayke), Gustavo Gomez, Luan e Victor Luis; Thiago Santos, Bruno Henrique (Moisés) e Lucas Lima; Hyoran, Dudu (Diogo Barbosa) e Deyverson. O TS é reserva direto do FM, só jogando junto qd o treinador quer fechar de vez. Aí está valendo.... abs!

    ResponderExcluir